Cultura & Entretenimento

Filme “Noé”: o show de cabala e gnosticismo que quase ninguém percebeu

Todos os acréscimos bizarros à história vão fazer muito mais sentido agora...

The Secret Gnostic Key to Aronofskys Noah that Everyone Missed Paramount - pt

Paramount Pictures

Em “Noé”, a nova e épica produção cinematográfica de Darren Aronofsky, Adão e Eva são apresentados como seres luminescentes e descarnados até o momento em que comem do fruto proibido.
 
Esta versão não é a da Bíblia, é claro. E, em meio a muitas outras licenças imaginativas de Aronofsky, como os monstros gigantes de lava, essa imagem levou muitos críticos de cinema a coçarem a cabeça. Evangélicos conservadores se queixaram de que o filme toma muitas liberdades com o texto do Gênesis. Grupos mais liberais concederam suas indulgências ao diretor: afinal de contas, não devemos esperar que um ateu professo tenha as mesmas ideias de um crente a respeito dos textos sagrados.
 
O caso é que os dois grupos se perderam na avaliação.
 
Aronofsky não tomou liberdade alguma com o texto bíblico.
 
O filme simplesmente não foi baseado na Bíblia.
 
Aliás, em defesa do diretor, devemos reconhecer que o filme nem sequer foi anunciado como se fosse. “Noé” não é uma adaptação do Gênesis. O filme nunca foi anunciado como “Noé da Bíblia” ou como “A História Bíblica de Noé”. Os escombros da cristandade continuam quentes o suficiente em nossos dias para que, quando alguém diz que vai fazer “Noé”, todo o mundo já presuma que vai ser uma versão da história da Bíblia. Eu tenho certeza de que Aronofsky ficou muito feliz em deixar seu estúdio pressupor isso mesmo, porque se o estúdio soubesse o que ele realmente pretendia, nunca teria permitido que ele fizesse o filme. Aronofsky tinha outras coisas em mente.
 
Vamos voltar à versão luminescente dos nossos primeiros pais. Eu reconheci o “motif” instantaneamente: é uma visão típica da antiga religião gnóstica. Eis uma descrição, do século II d.C., de algo em que a seita dos chamados ofitas acreditava:
 
"Adão e Eva, originalmente, possuíam corpos sutis, luminosos e, por assim dizer, espirituais. Mas, quando chegaram aqui, seus corpos se tornaram escuros, pesados e desidiosos" (descrito por Irineu de Lyon, em Contra Heresias, I, 30,9).
 
Ocorreu-me que uma tradição mística mais estreitamente relacionada com o judaísmo, chamada cabala (que a cantora Madonna popularizou há cerca de uma década), teria certamente conservado uma visão semelhante, já que ela é, essencialmente, uma forma de gnosticismo judaico. Eu sacudi o pó do meu exemplar da obra “The Kabbalah”, escrita no século XIX por Adolphe Franck, e confirmei rapidamente as minhas suspeitas:
 
"Antes de serem seduzidos pela sutileza da serpente, Adão e Eva não apenas eram isentos da necessidade de um corpo, mas sequer tinham corpo; ou seja, eles não eram da terra".
 
Franck cita o Zohar, um dos textos sagrados da cabala:
 
"Quando nosso pai Adão habitava o Jardim do Éden, ele vestia, como todos no céu, uma roupa feita de luz superior. Quando foi expulso do Jardim do Éden e obrigado a submeter-se às necessidades deste mundo, o que aconteceu? Deus, dizem as Escrituras, fez para Adão e para a sua esposa túnicas de pele e os vestiu; antes disso, eles vestiam túnicas de luz, da luz mais alta que havia no Éden…".
 
Isso é uma coisa obscura, eu sei. Mas a curiosidade tomou conta de mim e eu fui a fundo.
 
Descobri que o primeiro longa de Darren Aronofsky foi “Pi” (de 1998; não confundir com “Life of Pi”, que não tem nada a ver com isso).
 
Quer saber qual era o assunto? Tem certeza?
 
Cabala.
 
Consegui chamar a sua atenção? Ótimo.
 
O universo do “Noé” de Aronofsky é completamente gnóstico: um universo com graus "superiores" e "inferiores". O "espiritual" é bom, e muito, muito, muito elevado: é lá onde mora o deus inefável; e o "material" é ruim, e muito, muito, muito inferior: é aqui, onde os nossos espíritos estão presos em carne material. Isto vale não apenas para os filhos e filhas decaídos de Adão e Eva, mas também para os anjos caídos, descritos explicitamente como espíritos aprisionados em "corpos" materiais feitos de lava derretida resfriada.