Igreja

Minhas amigas, as almas do purgatório

Uma experiência que me marcou para o resto da vida

Há alguns anos, eu frequentava um site católico na internet. Nele, conheci pessoas muito interessantes. Certa noite, eu lhes sugeri:

– Que tal contarmos alguma experiência que tenha nos marcado?

Cada um começou a narrar sua história. Várias me chamaram a atenção, mas uma em particular eu jamais esquecerei.

“Hoje cedo foi a 1ª Comunhão do meu filho. Haviam me dito que eu poderia pedir uma indulgência plenária e, quando ele comungou, lembrei disso. Confiante, elevei uma oração a Deus e lhe supliquei uma indulgência para a alma do purgatório que estivesse mais necessitada da sua misericórdia divina. Ofereci todas as graças daquela comunhão e rezei pelas intenções do Papa.

Em meio à comemoração, os abraços, fotografias e tal, acabei esquecendo o assunto. Ao chegar em casa de volta naquela manhã, abri a porta e, ao entrar, senti-me envolvida pro uma suave brisa e escutei uma voz, como se me sussurrasse ao ouvido: ‘Obrigada!’.!

Quando eu era criança e me falavam do purgatório, eu imaginava um lugar espantoso e tinha medo; as almas que estavam lá me causavam um grande temor.

Ao crescer, percebi quão equivocado eu estava. Compreendi que o purgatório é um gesto da misericórdia de Deus, e agora considero como amigas as almas que estão lá. Devo muitos favores a elas.

Minha esposa costuma dizer que é bom ser agradecido. Ofereço orações pelas almas do purgatório, suplicando a Deus que as leve ao Paraíso. E falo disso com todo mundo quando surge uma oportunidade.

Não sabemos quantos familiares nossos estão lá. Com nossas orações e oferecimentos, podemos ajudá-los. Eles clamam pela nossa ajuda, não podemos virar as costas. Agradecidas, estas almas nos ajudarão de mil maneiras. No dia em que precisarmos, elas virão em nosso auxílio.

Há alguns anos, estive na Costa Rica. Minha tia Elsa nos convidou a tomar café. Seu esposo, tio Raul, estava presente e nos contou uma história incrível.

“Começou há alguns meses. Meu despertador parecia estar com defeito e começou a acender a luz sozinho. Sempre na mesma hora, às três da manhã. Devido à minha idade, quando acordo, tenho dificuldade para voltar a dormir. Certa noite, cansado, exclamei:

– Mas o que raios está acontecendo? O que eu fiz para merecer isso?

Escutei com clareza a voz de uma mulher que respondia:

– Você não fez nada de errado. Eu é que estou sofrendo.”

Sabendo que a missa é uma oração perfeita, meu tio Raul mandou oferecer algumas missas por aquela alma atribulada. O despertador nunca mais acendeu a luz durante a madrugada.

Nesta noite, lembre-se delas, suas amigas, as benditas almas do purgatório. Elas precisam das suas orações. Reze por elas, especialmente quando acordar à noite. Ofereça pequenos sacrifícios. Nunca se esqueça delas. E lembre-se de que elas serão suas intercessoras quando chegarem ao céu!