Aleteia

Marido de Gisele Bündchen surpreende uma família desesperada com carta escrita à mão

Christian Petersen via GettyImages NA/AFP
Compartilhar
Comentar

Uma família católica foi consolada com uma carta pessoal de uma das estrelas do futebol americano

A família de Calvin Riley, promissor astro do beisebol universitário americano, ficou destroçada depois de receber a notícia de que seu filho havia sido assassinado por um tiro em um lugar público. A polícia não identificou o atirador e suspeita que o assassino faça parte de um ritual de iniciação de alguma quadrilha.

Além da comoção imediata da família, a morte de Riley foi um duro golpe para o instituto onde ele se formou em 2015. O instituto católico Junípero Serra High School de San Mateo, Califórnia, recebeu a notícia da repentina morte do seu recém-graduado e lamentou a perda. Um dos alunos, Tom Brady, conhecido jogador da equipe de futebol americano New England Patriots, também soube da fatídica notícia e fez o possível para oferecer suas condolências.

Brady decidiu escrever de próprio punho uma carta de duas páginas que foi entregue à família de Riley depois do funeral de Calvin. Segundo informa o Sports Illustrated, “John Rirby, um amigo próximo da família Riley e companheiro de equipe de Brady”, fez chegar a carta para a família, que estava aflita. Depois de receber a mensagem, a família Riley chamou o padre Joe Bradley, que tinha celebrado o funeral de Calvin e que, além disso, era um velho amigo da família Brady.

“Padre Joe (…), o senhor não vai acreditar quem nos escreveu uma carta sobre nosso filho”.

A família Riley se sentiu gratamente surpreendida pelo gesto e encontrou conforto no seu conteúdo. Sean Riley, pai de Calvin, explicou para o Sports Illustrated, o quanto a carta significou para ele:

“Quando a recebi, foi quase irreal… Tom Brady. E duas páginas escritas à mão. O mais fácil seria mandar um cartão ou um e-mail. Isso disse muito de que tipo de ser humano se trata… [Trouxe conforto]. Claro que sim. A carta homenageava a vida de meu filho. Tom falava da irmandade que formavam as pessoas de Serra, do quanto essa comunidade é especial. Aquela carta significou muitíssimo. Meu filho se orgulhava muito de ser parte de Serra. E, sem dúvida, gostava muito de Tom Brady. Não consigo dizer o suficiente”.

O padre Bradley não estava tão surpreso pelo gesto, já que no caráter de Calvin Riley e de Tom Brady percebe-se o mérito das famílias que os educaram.

“Calvin e Tommy, por diferentes que foram e continuam sendo, na realidade, têm muito em comum (…) Apreciavam as mesmas coisas de seus companheiros de equipe e esporte. Mas, na realidade, tudo se resume à família. Os pais de Tom (Tom Brady e Galunn Brady) são as pessoas mais amáveis e generosas que poderia conhecer. E o mesmo se pode dizer de Sean e Kariann. Isso é o que mais têm em comum. Quando Sean me falou sobre a carta de Tommy, estava muito, muito emocionado.”

Tom Brady foi criado em uma sólida família católica e seu pai, Tom Brady, “inclusive estudou para ser padre de Maryknoll durante mais de seis anos antes de se casar.” Atualmente, Brady não se identifica com nenhuma religião, ainda que tenha se casado em uma pequena igreja católica da Califórnia em 2009. No entanto, a raiz deste sucesso – a educação católica de Brady – parece tê-lo ajudado a sentir compaixão pelos outros e se identificar com seus sentimentos.

Nesta era de SMS, tuítes e “curtidas”, receber algo escrito à mão com uma compaixão que, claramente, exigiu tempo e dedicação é muito reconfortante. Mesmo que a família Riley nunca vá ter seu filho de volta nesta terra, é um consolo saber de todas as orações e do apoio de pessoas de todas as posições sociais.

Temas deste artigo:
mortesolidariedade
Boletim
Receba Aleteia todo dia