Aleteia

Fé, cultura e devoção à Nossa Senhora de Nazaré na Amazônia Brasileira

Fernando Cunha Filho / Creative Commons
Compartilhar
Comentar

Em Belém, a Basílica e o tradicional Círio de Nazaré recebem milhões de fiéis todos os anos

A devoção a Nossa Senhora de Nazaré é antiga em Belém, capital do Pará. Foi o caboclo Plácido José de Souza quem encontrou, em 1700, às margens do igarapé Murutucú (onde hoje se encontra a Basílica Santuário), uma pequena imagem da Senhora de Nazaré. Após o achado, Plácido teria levado a imagem para a sua choupana e, no outro dia, ela não estaria mais lá. Correu ao local do encontro e lá estava a “Santinha”. O fato teria se repetido várias vezes até a imagem ser enviada ao Palácio do Governo. No local do achado, Plácido construiu uma pequena capela.

Em 1792, o Vaticano autorizou a realização de uma procissão em homenagem à Virgem de Nazaré, em Belém do Pará. Organizado pelo presidente da Província do Pará, capitão-mor Dom Francisco de Souza Coutinho, o primeiro Círio foi realizado no dia 8 de setembro de 1793. No início, não havia data fixa para o Círio, que poderia ocorrer nos meses de setembro, outubro ou novembro. Mas, a partir de 1901, por determinação do bispo Dom Francisco do Rêgo Maia, a procissão passou a ser realizada sempre no segundo domingo de outubro.

Tradicionalmente, a imagem é levada da Catedral de Belém à Basílica Santuário. Ao longo dos anos, houve adaptações. Uma delas ocorreu em 1853, quando, por conta de uma chuva torrencial, a procissão – que ocorria à tarde – passou a ser realizada pela manhã.

A Basílica Santuário de Nossa Senhora de Nazaré

Basílica de Nossa Senhora de Nazaré foi erguida em 1852 no mesmo lugar em que foi achada a imagem da Santa pelo Caboclo Plácido.

Ainda em 1884, a ermida já era considerada “pequena” para receber os romeiros oriundos de vários lugares do estado para a festa patronal, além do próprio crescimento da cidade. Com o passar do tempo, os Barnabitas viram a necessidade não apenas de uma reforma, mas sim de uma nova construção.

Em 24 de Outubro de 1909, deu-se início à execução do projeto. Vale lembrar que a Basílica de Nazaré foi a terceira Basílica do Brasil, havendo no ano de sua inauguração, em 1923, apenas duas outras: a da Sé, na Bahia e a de São Bento, em São Paulo. É também a única Basílica da Amazônia Brasileira.

O estilo da Basílica é neoclássico. O prédio tem cinco naves divididas em 36 colunas de puro granito italiano. Há também 53 vitrais franceses, 65 ilustrações em mosaico italiano, 15 estátuas de mármore, 3 grandiosas portas de bronze, 9 sinos de bronze sendo que o maior pesa duas toneladas, medindo 1,80m de diâmetro.

Em sua fachada, apresenta duas inscrições em latim. A inscrição superior Deiparae Virgini a Nazareth significa “Virgem de Nazaré Mãe de Deus”, e a inscrição inferior Salve Regina Mater Misericordiae significa “Salve Rainha Mãe Misericordiosa”.

O Papa João Paulo II durante suas milhares de viagens visitou a Basílica de Nazaré quando veio em Belém. Hoje a Basílica é um dos principais patrimônios históricos de Belém.

O Círio de Nazaré

Realizado em Belém do Pará há mais de dois séculos, o Círio de Nazaré é uma das maiores e mais belas procissões católicas do Brasil e do mundo. Reúne, anualmente, cerca de dois milhões de romeiros numa caminhada de fé pelas ruas da capital do Estado.

No segundo domingo de outubro, a procissão sai da Catedral de Belém e segue até a Praça Santuário de Nazaré, onde a imagem da Virgem fica exposta para veneração dos fiéis durante 15 dias. O percurso é de 3,6 quilômetros e já chegou a ser feito em nove horas devido à quantidade de participantes.

Por sua grandiosidade, o Círio de Belém foi registrado, em setembro de 2004, pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), como patrimônio cultural de natureza imaterial.

Veja mais sobre a Basílica de Nossa Senhora de Nazaré no site Aleteia Travel.

Via Círio de Nazaré.

 

 

Temas deste artigo:
turismo religioso
Boletim
Receba Aleteia todo dia