Aleteia

Os 10 “NÃOS” que você deve adotar no namoro para ter um bom casamento

Compartilhar
Comentar

Avalie agora a sua relação

Um bom casamento depende, em grande parte, de um bom namoro, de que o casal aproveite bem este tempo para se conhecer. Além do amor, o que é preciso para ter um bom namoro? Eis aqui 10 recomendações para serem levadas em conta:

  1. NÃO deixe Deus de fora

Antes de tudo, pergunte a Deus se você tem vocação para o matrimônio. Consulte um diretor espiritual. Quando você acreditar que encontrou a pessoa certa, rezem juntos, vãos juntos à Missa, encomendem-se a Deus e a Maria. Antes de se casarem, façam um retiro para noivos. E, depois, não se atenham somente às suas míseras forças de se amarem: não vão morar juntos nem se casem apenas no civil, mas recebam o sacramento do matrimônio, a fim de receberem de Deus a graça sobrenatural de serem fiéis e de se amarem mutuamente como Deus os ama.

  1. NÃO minta

Isto inclui dois aspectos: Primeiro: não finja o que não você não é. Não diga que gosta de algo, se não gosta, que faz o que nunca faz somente para tentar ser o que sua noiva ou noivo espera que você seja. A mentira será descoberta quando você se casar, e pode ser motivo de separação. Seja você mesmo, você mesma. Não force as coisas. Se a pessoa não for compatível com você, vai aparecer alguém que seja. Segundo: não seja infiel. A infidelidade no namoro é motivo para terminar a relação, pois namorados infiéis poderão ser maridos ou mulheres infiéis.

  1. NÃO queira mudar o outro

Há quem pense: “meu namorado (ou minha namorada) tem tal jeito de ser ou este vício que não me agrada. Mas eu vou mudá-lo (ou mudá-la)”. Esta é uma falsa expectativa. As pessoas não costumam mudar. O introvertido nunca se tornará extrovertido; a falante nunca ficará calada, a namorada mal vestida será uma esposa de roupão e chinelos. E as características que mais chateiam você no namoro podem aumentar e se tornarem insuportáveis no casamento. Ou você aceita como é agora, ou não se case.

  1. NÃO justificar o injustificável

Se no namoro – quando se supõe que o casal esteja apaixonado e deseja compartilhar bons momentos – você tem desatenções, o outro deixa você esperando e não se desculpa, fica vendo o celular, chega tarde, não pergunta como você está, não deixa você falar e faz críticas, no casamento será pior. Não busque pretextos para justificar suas más atitudes; melhor buscar outra pessoa.

  1. NÃO aceite a violência

Se no namoro tem gritos, insultos e até tapas, você tem que sair correndo. Um namorado que levanta a voz será um marido que levanta a mão; uma namorada que te humilha diante de teus amigos será uma esposa que te humilhará diante de teus filhos. Por que casar-se com alguém que pode colocar em risco sua integridade e a da sua família?

  1. NÃO tenha relações sexuais

O sexo é fabuloso. Dizer isso parece razão para praticá-lo no namoro. Mas é o contrário: isso pode fazer que um casal acredite que os dois se dão bem, quando, na realidade, isso só acontece na cama. Um amante habilidoso não necessariamente será um bom esposo. E há muitos momentos no casamento em que não será possível ter relações sexuais. Por isso, o sexo não é a única coisa que une um casal. Sua relação irá afundar.

Uma amiga me contou que a filha dela foi se confessar porque teve relações sexuais com seu namorado e o padre lhe disse: “se vocês se amam, não é pecado”. Esta resposta surpreende, porque Jesus menciona a fornicação (sexo fora do casamento) na lista de maldades que mancham o homem (Mc 7, 14-23). A relação sexual foi pensada para ser uma doação total entre esposos que se prometem, com a graça de Deus, a se amarem por toda a vida. Não há que banalizá-la e adiantá-la, arriscando uma gravidez não desejada. E, sobretudo, não se pode esquecer que para os namorados católicos ter relação sexual antes do casamento não é permitido pela Palavra de Deus e pela Igreja, que ensinam que isso é pecado (ver Catecismo da Igreja Católica #1755; 1852; 2353).

  1. NÃO ignorar opiniões e conselhos

Pode acontecer que seus familiares e amigos, por terem uma visão de fora, captem atitudes de seu namorado ou sua namorada que você não tenha percebido. Por exemplo: “seu namorado bebe muito”, “ela trata mal a mãe dela”, “amiga, como seu namorado é mulherengo, eu o vi flertando…” “amigo, aquela garota só quer seu dinheiro”, “eu o vi fumando maconha”. Preste atenção a isso tudo, não feche os ouvidos. Nos processos de nulidade matrimonial, costumam perguntar qual era a opinião de quem rodeava o casal. E sempre estas opiniões nunca foram levadas em consideração.

  1. NÃO supor, melhor perguntar

O namoro é um tempo para o casal se conhecer, para falar, falar e falar sobre todos os temas. Muitos casamentos acabam porque as pessoas não descobriram a tempo que pensavam muito diferentemente um do outro. “Pensei que você queria ter filhos”. “Não pensei que o fato de eu trabalhar o chateava”. “Não sabia que sua mãe viria morar conosco”. Para evitar isso, melhor dialogar do que lamentar.

  1. NÃO deixar de considerar a família

Não se pode olhar somente o seu namorado ou namorada, mas também na família dela ou dele. Como os membros da família se tratam? Qual são seus valores? Lembre que muito provavelmente você terá que passar o Natal, o Ano Novo, aniversários e alguns fins de semana com eles. Eles serão avós e tios de seus filhos e vão querer passar um tempo com eles. Que tipo de exemplo eles lhes darão? É esta a família da qual quero fazer parte? Ou vai brigar toda vez que sua/seu esposa/esposo quiser visitá-los?

  1. NÃO procure só o que faz você feliz

Muitos se casam pensando: “esta me fará feliz porque é bonita e pode brilhar nas festas do escritório, ou porque cozinha bem”. Ou: “este me fará feliz porque é tão bonito que minhas amigas vão morrer de inveja de mim, ou porque ganha bem e pode me dar uma vida de luxo”. Muitos procuram alguém que os faça felizes. Mas se a moça bonita ficar feia ou doente, ou o moço bonito ficar barrigudo, o encanto se desmancha e é hora de separar. Não se deve casar com alguém que te faça feliz. O motivo do casamento é fazer alguém feliz. O ideal é que tanto ele, quanto ela digam: “te amo tanto que quero me dedicar à sua felicidade por toda a vida eterna”. Assim, com a ajuda de Deus, terão muito sucesso, aconteça o que acontecer, na saúde e na doença, na riqueza e na pobreza, até que a morte os separe neste mundo para que possam se reencontrar na vida eterna para sempre.

Por Alejandra María Sosa
Artigo publicado originalmente por Desde la fe

 

Temas deste artigo:
casamentofamilianamoro
Boletim
Receba Aleteia todo dia