Aleteia
Quinta-feira 22 Outubro |
São Moderano
Estilo de vida

Se Deus é justo, por que não partimos todos das mesmas condições?

Francisco Catão - publicado em 24/01/13

Uns nascem ricos, outros, pobres; uns nascem com saúde, enquanto outros vêm ao mundo com doenças ou deficiências... Se Deus é justo e faz tudo por amor a nós, por que Ele não criou todos com as mesmas condições?

Deus ultrapassa todos os nossos conceitos. É incompreensível e inefável. O “se” não cabe nunca quando se trata de Deus. Sabemos que Deus é, mas não sabemos quem é nem como é, o diz Tomás de Aquino, logo no início da Suma Teológica (1ª Parte, questão 3, prólogo). Não temos, por isso, possibilidade de avaliar a justiça divina, de que a nossa é pálido reflexo. O princípio divino da criação não é a justiça, mas a sabedoria e o amor, a “inteligência amorosa”, se o quisermos designar num vocabulário mais moderno.

Não partimos todos das mesmas condições.

O mundo foi criado por Deus. A fé o professa e a razão o admite. Somos capazes de afirmar racionalmente que tudo procede de um primeiro princípio, “a que denominamos Deus”, como Tomás de Aquino se expressa em suas famosas “cinco vias para demonstrar a existência de Deus” (Suma Teológica, Iª Parte, questão 2, artigo 3).

Mas somente a fé nos ensina que a criação se dá no tempo, por uma decisão livre, sábia e amorosa de Deus. Para a Revelação, acolhida como Palavra de Deus na fé, não importa tanto o modo como nos representamos a origem do universo. 

Importa, sobretudo, admitir como verdade fundamental que Deus tudo criou pessoalmente, por um ato de inteligência e de amor. Pode ter partido de uma explosão inicial de energia ou de uma espécie de matéria inerte. O modo como procedeu será exposto como melhor convenha ao estágio de nossos conhecimentos, segundo a visão que tenhamos do cosmos. São representações da razão. 

Pela fé sabemos que Deus criou os seres na diversidade de suas características próprias, especialmente os homens e as mulheres, na sua originalidade de criaturas espirituais, tendo cada um seu próprio perfil, no seio de sua unidade específica.

O princípio da diversidade é a sabedoria de Deus e seu amor.

O princípio divino da criação não é, portanto, a justiça, mas a sabedoria e o amor, a “inteligência amorosa”, se o quisermos designar num vocabulário mais moderno.

A sabedoria se demonstra na percepção harmoniosa e sinfônica da diversidade em todas as ordens, captada numa unidade superior, que reconhece a cada um o seu valor próprio, como uma contribuição para a perfeição do conjunto do universo e da história.

O amor a todos reúne num mesmo amplexo, que sustenta cada um como é e deseja ser, superando ao mesmo tempo o nivelamento por baixo, que desconhece os valores, como a imposição de uma excelência que marginaliza os menos dotados.

Não partimos todos das mesmas condições, como somos diferentes uns dos outros, expressões diversificadas da sabedoria divina, todos, porém, somos sustentados e abraçados por um mesmo e único amor, o Espírito de Deus.

A justiça não é violada, pois tudo que somos e temos é dom de Deus, feito a cada um na sua individualidade, para que possa se tornar plenamente o que é chamado a ser e venha a desempenhar o papel que dele se espera na sinfonia universal. Na expressão bíblica, tudo é feito para a glória de Deus – segundo as iniciais latinas que se usa com frequência, UIOGD: ut in omnibus glorificetur Deus (1ª Carta de Pedro, 4,11).

Caminhamos por caminhos diferentes.

O que caracteriza a vida humana é que ela constitui o caminhar real de cada um de nós. Criados à imagem de Deus, como seres humanos, não permanecemos no estado em que somos feitos.

Nossa vida humana não se reduz ao resultado da evolução de um ser submetido à diversidade dos fatores de ordem física, biológica, psicológica, cultural, social, econômica ou política que o determinam, no tempo e no espaço. Não se negam as múltiplas influências que tenham sobre cada um de nós o ambiente físico, mental, cultural e histórico em que nascemos e nos desenvolvemos, mas, quaisquer que sejam as circunstâncias em que vivemos, somos chamados a nos tornar o que fizermos de nossa vida.

Aqui reside o que tem de próprio o ser humano. Os seres materiais, vivos e até animais surgem, nascem e se desenvolvem como resultado dos muitos fatores que os influenciam.  O ser humano, além disso, afirma-se e se desenvolve como humano a partir de uma decisão sua, que vai progressivamente determinando a direção que segue em sua vida, até o momento de entregá-la, queira ou não, nas mãos de Deus.

A vida humana é chamada a ser polarizada pela busca da verdade, do belo e do bem, através da escolha cotidiana dos caminhos para alcançá-los, em que são muitas as possibilidades de se tornar escravo de ilusões, vítima de temores imaginários ou do canto sedutor das sereias.

Chegaremos todos ao mesmo porto?

Uma das grandes ilusões a desmascarar seria pensar que assim como a justiça de Deus deveria fazer com que todos partissem das mesmas condições, deveria fazer também com que todos chegassem ao mesmo termo.

A justiça da origem é a mesma do fim. Se houvesse nivelamento,  haveria nivelamento igual na origem, no meio e no fim. Se o que comanda a ação divina é a inteligência amorosa, há inteligência amorosa na origem, no meio e no fim.

A pergunta feita no início esconde, pois, uma visão absurda de Deus, determinista e fatalista. Na verdade, desconhece Deus. Concebe-o quase como um apêndice do mundo e do homem, impondo-lhe a forma de pensar do homem. “Seus caminhos não são os meus caminhos” (Isaias,55,8), dizia Deus pela boca do profeta.

Desconhece igualmente a originalidade da criatura espiritual, chamada a viver com Deus a aventura de uma relação pessoal. Sob todas as suas formas, o amor é imprevisível. Nada mais certo do que o amor de Deus por nós, manifestado pelo simples fato de que existimos. Porém, nada mais aventureiro do que a nossa fidelidade ao amor, posta à prova em cada momento.

Totalmente dependentes de Deus, existimos para estar em comunhão com o Ser primeiro, sábio e bom, que realiza com amor sua obra inteligente e amorosa de se comunicar como dom de si mesmo a todos aqueles que o reconhecem como Deus se aceitam a si mesmos como pessoas também inteligentes e livres, correspondendo ao impulso profundo de seu coração de se colocar nas mãos do Amor e de se dar aos outros com o mesmo movimento de amor com que se dão a Deus.

“Ao entardecer dessa vida seremos todos julgados sobre o amor.”

A expressão é de São João da Cruz (†1591), numa de suas primeiras obras, Ditos de luz e amor. O amor é nossa vida. O amor de Deus correspondido com amor, nosso caminho. A unidade de todos nós no amor em Deus é o porto comum, em que todos nos encontraremos, guardando a originalidade com que cada um de nós foi criado e a forma que nos damos através de nossa vida, do primeiro ao último ato de liberdade, de amor.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
DeusJustiçaPobreza
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
CARLO ACUTIS
John Burger
Como foram os últimos dias de vida de Carlo A...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
nuvens sinais
Reportagem local
Estão sendo fotografados "sinais do céu"?
Papa Francisco São José Menino Jesus
ACI Digital
Papa Francisco reza esta oração a São José há...
violência contra padres no Brasil
Francisco Vêneto
Outubro de cruz para padres no Brasil: um per...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia