Aleteia
Terça-feira 20 Outubro |
São Cornélio
Atualidade

Existe realmente uma forma de acabar com a pobreza?

Antonio Carlos Alves dos Santos - publicado em 31/01/13

A pobreza, no fundo, é uma questão de escolha individual? Ou é resultado de leis de ferro da economia de mercado? Como acabar com a pobreza?

A pobreza é um problema econômico ou moral? É o resultado do agir individual ou consequência lógica de um dado sistema econômico? Estas e outras questões têm sido fonte de controvérsias em diferentes áreas do conhecimento e  ocupado papel importante nos debates sobre o desenvolvimento econômico no século 20.   


Enquanto questão moral, ela pode levar a visões simplistas e preconceituosas que veem a pobreza como resultado da aversão, individual, ao trabalho, da opção pelo ócio. Neste caso a pobreza é voluntária e moralmente condenável.  O julgamento moral  é diferente se a vermos como consequência de atos praticados por outros, ou como resultado da  dinâmica da própria economia. Tratar-se-ia, neste caso,  de pobreza involuntária, e o pobre seria merecedor de todo apoio e solidariedade da comunidade a qual pertence.

A distinção entre pobreza voluntária, resultado da preferência pelo ócio, ou  involuntária, consequência inevitável de leis econômicas, pode ser interessante à primeira  vista, mas são ambas falsas. A pobreza não é o resultado da preferência do individuo pelo ócio e tampouco é o resultado de leis de ferro da economia de mercado.


A primeira explicação tem sido usada ao longo da história para justificar o controle da riqueza por uma pequena minoria, enquanto a grande maioria  vive  na  mais abjeta pobreza. Já a segunda assume ser impossível resolver o problema da pobreza sem a supressão do sistema que a causa – o próprio capitalismo. A revolução seria a única solução, definitiva, para o problema da pauperização crescente e inevitável dos trabalhadores. É um argumento sem nenhum fundamento empírico, como podemos inferir a partir da história econômica dos países desenvolvidos. Ele, no entanto, a muitos conforta e acaba ajudando a manter – ainda que esta não seja a intenção – o status quo: se a revolução é a única solução, porque perder tempo com medidas paliativas que somente retardam a tomada de consciência necessária à transformação redentora? 

Se não é uma questão de escolha individual ou resultado de leis de ferro da economia de mercado, então como explicar a existência de pobres, apesar do acúmulo do stock crescente de riqueza desde a Revolução Industrial? Para responder a esta questão é preciso definir o que entendemos por pobreza. Na literatura trabalha-se com o conceito de pobreza extrema e pobreza relativa. As pessoas em situação de pobreza extrema são as mais pobres entre os pobres e por isso são o foco principal de política públicas de redução da pobreza.


O cálculo do percentual da população em situação de pobreza é realizado a partir da chama linha de pobreza. No Brasil, famílias com renda per capita de até 70 reais encontram-se em situação de pobreza extrema; até 140 reais, são consideradas pobres. O Banco Mundial trabalha com outro valor: 1,25 dólar por dia para a linha de pobreza extrema e até 2 dólares para pobreza. Independente do valor adotado, a pobreza extrema é determinada a partir do montante necessário ao atendimento de necessidades básicas de uma pessoa, ou seja, o consumo mínimo de calorias necessárias a sua sobrevivência.


Quanto falamos de  pobreza, estamos, portanto discutindo a pobreza extrema, que é a situação em que se encontra um grande número de pessoas nos chamados países em desenvolvimento nos continentes latino-americano, africano e asiático. É uma situação bem diferente daquela que encontramos em países desenvolvidos que, infelizmente, ainda não resolveram o problema da pobreza. Neste caso, raramente é uma questão de pobreza extrema, mas da chamada pobreza relativa, que depende sempre do contexto da região/país em análise. A sua existência, no entanto, não deixa de ser uma vergonha para estes países, já que possuem as condições necessárias para encontrar uma solução para o problema.


Definido o que entendemos por pobreza, resta agora  enfrentar a difícil tarefa de responder a questão colocada: existe realmente uma forma de acabar com a pobreza(extrema)? Antes de tudo, é necessário reconhecer que não existe uma fórmula única aplicável a toda e qualquer situação. No passado, imaginava-se  que o crescimento econômico por si só resolveria o problema.  A história dos países em desenvolvimento e do Brasil, em particular, demonstra que nem sempre este é o caso.


Na literatura sobre pobreza encontram-se casos de países em que o crescimento econômico é acompanhado de redução da pobreza, mas há casos, também, em que ela ocorreu sem um crescimento econômico significativo. Em ambos a  desigualdade da renda desempenha um papel importante na redução da pobreza. De fato é possível afirmar que quanto maior a desigualdade da renda, menor o impacto do crescimento econômico na redução da pobreza. Isto explicaria, por exemplo, o caso brasileiro: como a desigualdade da renda é muito alta, o impacto do crescimento econômico na redução da pobreza  acaba sendo menor que o verificado em países com o mesmo nível de renda. Em outras palavras,  a participação dos pobres no bolo, assim como no seu crescimento, é pequena.


A política de combate à pobreza deve, portanto, partir do reconhecimento da existência de relações entre pobreza, crescimento econômico e desigualdade da renda. Em países com alta desigualdade de renda o crescimento econômico não é suficiente para resolver o problema da pobreza extrema e deve ser acompanhado de políticas focadas de transferência de renda.  

Políticas públicas com foco nas crianças demonstram serem mais eficazes na redução da pobreza extrema e, entre elas, merecem destaque a educação gratuita de qualidade e o acesso a medicina preventiva. É fundamental garantir que as crianças aprendam a ler e dominem a matemática elementar na mesma faixa etária das crianças com melhores condições econômicas. Com a medicina preventiva é possível reduzir a mortalidade infantil e garantir o desenvolvimento sadio das crianças.


Com a oferta de educação gratuita de qualidade é possível romper o círculo intergeracional de pobreza, garantir a plenitude da cidadania às famílias e permitir a realização dos sonhos de uma vida melhor para os filhos.  É por esta razão que a política de transferência de renda, condicionada à frequência das crianças à escola, é tão importante: ela contribui com a renda necessária à sobrevivência com o mínimo de dignidade no presente e, ao mesmo tempo, permite no futuro a admissão no ensino superior e o exercício de profissões que, por gerações, têm sido um privilégio exclusivo de uma pequena elite com melhores condições econômicas.

A oferta de microcrédito às famílias é outra medida que tem obtido bons resultados. Ela torna possível a criação e a manutenção de pequenos negócios que, além de gerar renda, fortalecem a autoestima das famílias e minimizam o risco de dependência em relação às políticas de transferência de renda.


Como se trata de verbas públicas e dado que os recursos são sempre escassos, é fundamental  escolher medidas com a melhor taxa de retorno, ou seja, aquelas com o maior impacto sobre a redução da pobreza extrema. É um tema sempre controverso, mas incontornável se o objetivo for ampliar o contingente de famílias contempladas pela política de combate à pobreza extrema. 

Com políticas adequadas é possível reduzir em um período relativamente curto de tempo o contingente de famílias vivendo em situação de pobreza extrema. Eliminá-las totalmente requer um tempo maior, mas nem por isso deixa de ser um objetivo viável, desde que as promessas se transformem em medidas concretas e que os ganhos do crescimento econômico sejam compartilhados por todos. Em outras palavras, taxa de crescimento econômico robusta com redução substancial na desigualdade da renda é fundamental para acelerar o processo de redução da pobreza extrema e da pobreza como um todo.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
EconomiafomePobreza
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
st charbel
Reportagem local
Por acaso não está acontecendo o que São Char...
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
Ellen Mady
Para Jesus não existe novena melhor do que es...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
ícone São Lucas Nossa Senhora Jesus médico
Reportagem local
Oração a São Lucas, evangelista e médico, pel...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
JENNIFER CHRISTIE
Jennifer Christie
Fui estuprada numa viagem a trabalho - e meu ...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia