Aleteia
Terça-feira 27 Outubro |
São Fulco
Religião

Por que Deus é só Pai e não também Mãe?

Mirko Testa - publicado em 08/02/13

Se, na Bíblia, a figura de Deus está repleta de características tanto masculinas como femininas, por que não podemos nos dirigir a Ele como “Mãe”?

Não podemos transformar o “Pai nosso” em “Mãe nossa”

Jesus ensinou a orar a Deus como “Pai nosso” e, por isso, a Igreja, por tradição, sempre utilizou o apelativo “Pai”. A Bíblia também usa a imagem da mãe, mas somente para realçar a solicitude amorosa de Deus.

A Igreja sempre se refere a Deus utilizando o título de “Pai”, assim como Jesus ensinou.

A concepção de Deus como Pai já estava delineada no Antigo Testamento. Mas foi Jesus quem confirmou e evidenciou tal concepção, manifestando-se como “Filho” e oferecendo-se como o único caminho para chegar ao Pai. Mais ainda: Jesus se dirigiu de maneira afetuosa a Deus, utilizando a palavra aramaica “Abbà”, que poderia ser traduzida como “papai” ou “papaizinho”. Também foi Jesus quem confiou aos seus discípulos a oração do Pai Nosso, que nos chegou tanto por meio do Evangelho de Lucas (11, 2-4) como do de Mateus (6, 9-13), ainda que a tradição litúrgica da Igreja sempre tenha usado a versão deste último.

No Catecismo da Igreja Católica (n. 239), lemos que, "ao designar Deus com o nome de 'Pai', a linguagem da fé indica principalmente dois aspectos: que Deus é a origem primeira de tudo e a autoridade transcendente, e, ao mesmo tempo, que é bondade e solicitude amorosa para com todos os seus filhos".

No entanto, também é verdade que a Bíblia muitas vezes representa Deus com imagens femininas, como um símbolo de seu amor espontâneo, instintivo e absoluto.

O cardeal Gianfranco Ravasi, em uma entrevista concedida ao jornal Avvenire em dezembro de 2005, afirmou que “pelo menos 60 adjetivos de Deus na Bíblia estão no feminino” e que “existe claramente uma maternidade de Deus; em mais de 260 ocasiões, fala-se das 'entranhas maternas' do Senhor”.

Encontramos dois exemplos no livro de Isaías: “Acaso uma mulher esquece o seu neném, ou o amor ao filho de suas entranhas? Mesmo que alguma se esqueça, eu de ti jamais me esquecerei!” (49, 15); e também: “Qual mãe que acaricia os filhos assim vou dar-vos meu carinho” (66, 13).

Joseph Ratzinger, no livro-entrevista com Peter Seewald, intitulado “Deus e o mundo: ser cristão no novo milênio”, explicou que, no termo hebraico rahamin, “que originalmente significa 'seio materno', mas que depois se torna o termo que explica a compaixão de Deus pelo homem, pela misericórdia de Deus”, revela-se o mistério do amor materno de Deus.

“O ventre materno – continuou Ratzinger – é a expressão mais concreta da íntima relação entre duas existências e das atenções dadas à criatura fraca e dependente que, em corpo e alma, é totalmente protegida no ventre da mãe. A linguagem figurada do corpo nos oferece, assim, uma compreensão dos sentimentos de Deus pelo homem, mas profunda do que permitiria qualquer linguagem conceitual.”

Isso não deve, porém, diminuir o "rosto paterno” de Deus, embora deva ser lembrado que a palavra "Pai" é uma metáfora para expressar o tipo de amor divino.

Bento XVI, em seu primeiro livro sobre “Jesus de Nazaré” (2007), escreve que, “apesar das grandes metáforas do amor materno, 'mãe' não é um título de Deus, não é uma forma com a qual dirigir-se a Deus”. O Papa esclarece, em seguida, de fato, que “Deus só é Pai” e que “continua sendo normativa para nós a linguagem da oração de toda a Bíblia”, na qual a imagem do pai era e é adequada para expressar a alteridade entre Criador e criatura, a soberania do seu ato criador”.

No livro “Questões de fé” (2010), Ravasi comenta que, “portanto, é legítimo falar de uma dimensão 'materna' de Deus, mas recordando que se trata sempre de um antropomorfismo, de um símbolo, como o paterno, para expressar o inefável mistério divino e para representar a realidade do Desconhecido. A Bíblia, sendo a palavra de Deus encarnada, privilegia o rosto paterno de Deus também pelos condicionamentos culturais do horizonte no qual se manifestou. É lícito, por isso, redimensionar certas leituras exageradamente literais da 'masculinidade' de Deus, sem negar, no entanto, os valores que esta expressa”.

A propósito disso, Ratzinger, em sua obra “Deus e o mundo”, explicou que, enquanto “as religiões difundidas na região de Israel conheciam casais de divindades, uma divindade masculina e uma divindade feminina, (…) o monoteísmo, ao contrário, excluiu os casais de divindades e assimilou como esposa do Senhor a humanidade escolhida, ou melhor, o povo de Israel. Na história da escolha, realiza-se o mistério do amor que Deus nutre pelo seu povo, semelhante ao de um homem por sua esposa. A partir desse ponto de vista, a imagem feminina é, de alguma maneira, projetada sobre Israel e sobre a Igreja e, finalmente, personalizada em particular em Maria. Em segundo lugar, onde se recorre a metáforas maternas do divino, estas transformam o conceito da criação até que a ideia de criação seja substituída pela de emanação, de parto, e dela brotam modelos quase necessariamente panteístas. Ao contrário, o Deus representado na imagem paterna cria, por meio da Palavra, e precisamente daqui surge a diferença específica entre criação e criatura”.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
BíbliaDeusPaternidade
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
SAINT MICHAEL
Philip Kosloski
Oração a São Miguel por proteção contra inimi...
São Padre Pio de Pietrelcina
Oração de cura e libertação indicada pelo exo...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia