Aleteia
Quinta-feira 22 Outubro |
São Moderano
Atualidade

Renúncia do Papa: um gesto de humildade, de valor e de virtude

Aleteia Vaticano - publicado em 12/02/13

Conversa com Dom Octavio Ruíz Arenas, secretário do Conselho Pontifício para a Nova Evangelização

O secretário do Conselho Pontifício para a Nova Evangelização, Dom Octavio Arenas, considera que a renúncia foi, em primeiro lugar, uma grande surpresa. Esperávamos que por muitos anos ele continuasse iluminando a Igreja com sua mensagem evangélica, tão profunda e, ao mesmo tempo, tão simples. Um Papa que quis ir ao essencial e buscar o modo de responder à evangelização de acordo com os tempos modernos. É uma lição muito grande de um homem completamente convencido de que deveria cumprir a vontade de Deus, que tinha recebido um ministério não para exercer o poder, mas para prestar um serviço à Igreja. E, quando se dá conta de que suas forças não permitem prestar esses serviço do modo mais adequado, faz este gesto de humildade, de valor e de virtude.

Muitos dizem que são tantos os problemas da Igreja que o Papa optou por renunciar. Todos sabemos com quanta heroicidade ele enfrentou os problemas atuais da Igreja, mas sabe que a Igreja precisa agora de uma pessoa com mais forças, que possa realmente continuar o trabalho de difundir o Evangelho e de poder erradicar esta mentalidade de secularismo que a Igreja sofre atualmente.

Falam na renúncia como a história de um fracasso; que a Igreja tem perdido muitos fiéis e que em breve será uma Igreja minoritária… Temos de olhar a partir da fé. Os problemas sempre existirão. Ao longo de 20 séculos de história, a Igreja teve problemas graves e sempre seguiu adiante. Bento XVI assumiu a responsabilidade de enfrentar questões complexas, inimagináveis para outras épocas. E, no entanto, teve o valor de dizer que a Igreja tem de mudar, ser transparente. Que a Igreja tem de se colocar nas mãos do Senhor. 

É um momento de suma importância na história da Igreja… Sim, para todos. A ideia que o Papa transmite é de não nos apegarmos ao poder, de não nos apegar àquilo que humanamente gostaríamos, a nossos gostos, mas que devemos cumprir uma missão com grande responsabilidade. Nisso o Papa foi muito coerente com sua vida, simples de amor à Igreja, de serviço ao Evangelho. Portanto, não se trata de fugir das responsabilidades, mas de começar a servir à Igreja de outro ângulo. Uma vida de recolhimento, de sofrimento e de oração.

Em vista do Ano da Fé na Igreja Católica e do esforço pela nova evangelização, como o senhor encara a renúncia? É um gesto consequente com a fé. Porque o Papa nos tem dito para que, durante o Ano da Fé, nos aprofundemos nos conteúdos da fé e celebremos com alegria o encontro com o Senhor. Que possamos celebrar de uma maneira festiva. Mas também nos pede que vivamos a fé com coerência. Aqui o Papa nos dá outra lição: a fé é fundamentar-se na Palavra de Deus e cumprir a sua vontade.

A decisão do Papa parece ter partido do fundo de sua alma, da fé, não lhe parece? O Papa tem insistido muito na necessidade de uma espiritualidade profunda. Eu creio que aqui vemos uma demonstração do que é uma grande espiritualidade. O papado não é uma mera questão de estratégias. Deve-se ter a convicção de que é a força do Espírito Santo que atua na Igreja e a deve conduzir. Não é um homem que diz, simplesmente: “faltam-me as forças”; mas é um homem que diz: “coloco-me nas mãos de Deus, pois é a obra de Deus que eu estou realizando, e será o Senhor quem continuará esta obra”. O Papa renuncia em um momento em que em sua consciência ele tem muito claro que fez o que deveria.

Qual o balanço que o senhor faz desses quase oito anos de pontificado? Ensinou-nos que a Igreja é santa, porque tem o dom do Espírito Santo, mas que há homens pecadores que sujam essa imagem. O Papa nos deu uma lição de grandeza. Quando pensavam que ele ia fracassar, acontecia tudo ao contrário. Foi o homem que soube colocar Jesus Cristo no meio dos demais. Um homem que foi capaz de pregar a verdade e de assimilar os princípios da doutrina católica e do comportamento moral que todo cristão tem de ter.

Como a história o verá? Como um dos grandes papas da Igreja.

Por: Aleteia-El Observador

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
Paparenuncia
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
CARLO ACUTIS
John Burger
Como foram os últimos dias de vida de Carlo A...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
nuvens sinais
Reportagem local
Estão sendo fotografados "sinais do céu"?
Papa Francisco São José Menino Jesus
ACI Digital
Papa Francisco reza esta oração a São José há...
violência contra padres no Brasil
Francisco Vêneto
Outubro de cruz para padres no Brasil: um per...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia