Aleteia
Quarta-feira 21 Outubro |
São Bertoldo de Parma
Religião

Se Adão pecou, que culpa tenho eu?

© SHUTTERSTOCK

Aleteia Vaticano - publicado em 12/02/13

Sabemos que Jesus veio ao mundo para nos salvar de todo pecado, especialmente do pecado original, com o qual nascemos. Mas, se foram Adão e Eva que cometeram o pecado original, o que eu tenho a ver com isso? Como posso nascer com um pecado que nunca cometi?

A doutrina do pecado original não foi deixada de lado, muito pelo contrário – ainda que haja um discernimento à luz dos novos dados oferecidos pela ciência. De fato, tanto Bento XVI como João Paulo II ressaltaram sua importância capital na fé cristã e na compreensão da natureza humana e do problema do mal no mundo. 

O pecado original não tem nada a ver com o sexo nem está escrito nos genes.

A doutrina do pecado original é hoje, para muitos, uma dificuldade: desacreditada pelo racionalismo e aparentemente negada pela ciência, cada vez está menos presente na catequese e nas homilias. No entanto, João Paulo II e Bento XVI recordaram fortemente que esta doutrina constitui uma “pedra angular” do cristianismo.

É difícil compreender como os homens estariam carregando o castigo merecido por um casal – Adão e Eva – cuja existência pertence ao mundo dos mitos. O pecado original é herdado? Que gene o transmite? Há contágio durante o ato sexual, como diziam alguns pensadores? Mas, então, a sexualidade é um pecado? O que significa a “maçã”? Por acaso a serpente não é um sinal fálico para os antigos cananeus? Além disso, se é hereditário e se apaga com o Batismo, por que o filho de pais batizados tem de ser batizado também?

O erro está em pensar no pecado de Adão como em uma falta pessoal: com esse primeiro pecado histórico do homem, entrou no mundo o poder do mal, o poder diabólico, que desde então tem um domínio tal sobre o gênero humano, que só a morte de Cristo podia romper.

Em que consistiu esse “pecado original”? O Catecismo da Igreja Católica desenvolve isso nos pontos 397 a 412: é a desconfiança do homem na bondade do seu Criador, é separar-se dele.

Este “estado de pecado” é transmitido aos homens não porque estes são gerados sexualmente, ou seja, a causa não é o sexo – porque o sexo seria mau, segundo alguns –, mas o próprio fato de ser gerado, de ser homem (a palavra que o Magistério usa é “propagação”). As pessoas, devido àquele pecado concreto, desde o primeiro momento em que começam a sua existência, se veem privadas do equilíbrio original para o qual foram criadas, e desse “estado” de desequilíbrio interior, de submissão ao poder do mal, não podem sair por si mesmas.

O capítulo 3 do Gênesis não faz um relato histórico da origem do homem, mas explica uma verdade religiosa e antropológica: existiu uma Queda que condiciona todo o gênero humano.

Segundo os exegetas, os primeiros capítulos do Gênesis foram escritos aproximadamente na época do desterro, compilando diversas tradições anteriores, o que significa que evidentemente não foram compostos como uma crônica histórica. Além disso, alguns dos seus elemento recordam textos mitológicos da Babilônia e da Pérsia.

No entanto, o sentido do relato efetivamente introduz verdade religiosas totalmente novas com relação às demais religiões: ao revisar os relatos mitológicos, a relação entre o homem e a divindade, ou a explicação da origem do mal, percebe-se que são diferentes dos outros.

O Gênesis foi composto em uma época em que o pensamento judaico, à luz da Revelação de Deus, se pergunta pelo problema do mal. E o Gênesis enuncia, a respeito disso, uma série de verdades fundamentais: Deus criou o homem bom e livre, à sua imagem e semelhança, e destinado à complementariedade entre homem e mulher. Mas o homem utilizou a liberdade que Deus lhe havia dado para rebelar-se contra Ele, por instigação de um poder maligno, e, desde esse momento, caiu no poder desse mal.

O Verbo de Deus se fez carne precisamente para libertar o homem desse poder: só o Criador tinha a capacidade de recompor a sua própria criatura. Esta doutrina é exposta especialmente por São Paulo, em 1 Cor 15, 21-22.45-49, Rm 15, 12-21, Ef 2, 1-3, e aparece também no Apocalipse (12, 9-11).

A Igreja defendeu esta doutrina desde os primeiros séculos, contra os desvios teológicos que a colocavam em dúvida.

Esta doutrina do pecado original está presente desde os primeiros Padres da Igreja (Justino, Irineu etc.). Tal doutrina foi se desenvolvendo pouco a pouco; ainda não havia clareza sobre como se transmitia este pecado (por geração, por propagação etc.) nem sobre o alcance do dano provocado no homem (até que ponto a sua natureza estava danificada). Um testemunho disso é o batismo de crianças pequenas, já desde o começo do cristianismo.

No século V, surgiu a heresia pelagiana, que afirmava que o homem é capaz de alcançar a virtude por si mesmo e que, portanto, não é escravo do mal, mas realiza livre e conscientemente os pecados pessoais, por conseguinte, negava o pecado original e culpava Adão somente por dar “mau exemplo” aos homens. Para esta heresia, Jesus não passava de um mestre de vida, mas nada além disso.

O grande opositor à heresia pelagiana foi Santo Agostinho, o primeiro a sistematizar a doutrina do pecado original, reafirmando a necessidade da graça. O Magistério a definiu nos concílios de Cartago (418) e Orange (529). Posteriormente, São Tomás de Aquino e Santo Anselmo da Cantuária aprofundariam na sua compreensão.

Ainda que alguns pensadores medievais, como Abelardo, tenham negado a doutrina do pecado original tal como a Igreja a entendia, não se produziu uma verdadeira controvérsia com relação à Reforma luterana. Lutero, levando o pensamento de Santo Agostinho ao extremo, afirma que a natureza humana está irremissivelmente perdida e que o Batismo não apaga o pecado original. Portanto, o homem permaneceria em poder do pecado para sempre e só se salvaria pela fé.

A esta heresia respondeu o Concílio de Trento, em uma declaração que, durante muitos séculos, foi considerada a palavra definitiva da Igreja sobre o tema, que afirma: Adão e Eva, pais da humanidade, cometeram um pecado que priva os homens da comunhão com Deus e que se transmite a todo o gênero humano. Mas esta natureza, caída mas não destruída, é restabelecida por Cristo, com a ajuda da sua graça redentora.

Nos séculos XIX e XX, essa doutrina é novamente questionada, mas desta vez a partir da ciência e do racionalismo.

Nos séculos XVIII e XIX, esta doutrina foi rejeitada pelo racionalismo ilustrado e relegada à mera superstição, como os demais princípios cristãos: o homem “das luzes” explica sempre a origem do mal como algo intrínseco ao homem (Hobbes: “O homem é um lobo para o homem”) ou como algo completamente alheio a ele que o condiciona (Rousseau e o “bom selvagem”, Marx e a alienação social). Mas estes questionamentos externos não foram tão demolidores como os internos: no século XX, especialmente entre os anos 50 e 70, abalaram-se as estruturas desta doutrina, devido aos novos avanços da ciência.

Em primeiro lugar, os avanços na ciência genética e na arqueologia apontam para a hipótese da evolução das espécies (frente ao criacionismo), assim como para a hipótese do poligenismo (isto é, de que não procedemos de um só casal humano). Em segundo lugar, a exegese e a hermenêutica moderna permitem conhecer melhor como se compôs o livro do Gênesis, descartando a sua historicidade. Muitos pensadores interpretaram que estas descobertas invalidavam a doutrina do pecado original – entre eles, é especialmente conhecido Teilhard de Chardin.

O Papa Pio XII enfrentou esta crise com a encíclica “Humani generis”, na qual, ainda que admitisse que o poligenismo era “dificilmente conciliável” com a doutrina do pecado original, não o negava de forma absoluta. Posteriormente, o Concílio Vaticano II, na “Gaudium et spes” (13, 18, 37) e na”Lumen Gentium” (2), sem entrar no debate, reafirma a doutrina em seus pontos essenciais.

O Magistério da Igreja, especialmente com os últimos papas, continua insistindo na importância capital deste dogma para a fé cristã, sem o qual não se compreende o mistério do mal no mundo nem a redenção realizada por Cristo.

Longe de ser algo obsoleto, é um tema atualíssimo, como demonstra a clareza com que os papas das últimas décadas falaram disso. Paulo VI falou concretamente do tema duas vezes: em um simpósio organizado pela Universidade Gregoriana (1966) e nos artigos 16, 17 e 18 de “O Credo do Povo de Deus” (1968).

João Paulo II, depois de terminar seu famoso ciclo de catequeses sobre a teologia do corpo, dedicou dois anos a um ciclo sobre o Credo, tratando da questão do pecado original com muita profundidade (outubro de 1986). É muito importante, com relação a isso, a catequese sobre a Queda que ele faz na encíclica “Mulieris dignitatem”. Por outro lado, o Catecismo da Igreja Católica, fruto do seu pontificado, aborda o tema de maneira muito completa.

O que surpreende é o extraordinário interesse que o então cardeal Ratzinger – agora Bento XVI – teve pela doutrina do pecado original, chegando inclusive a defini-la como “a chave” para o futuro da teologia e do pensamento cristãos, e inclusive para o diálogo com o mundo contemporâneo. Para ele, o pensamento católico terá incidência na medida em que voltar a esta doutrina.

Por que tanta importância? Porque a existência do pecado original condiciona a antropologia, a compreensão do homem e a redenção cristã.

O cardeal Ratzinger, em uma catequese sobre o tema em Munique (1981), mostrou que esta questão é “vital” para a Igreja. Chegou a dizer que, sem ela, toda a Revelação cambaleia e que era necessária uma nova “teologia da criação”, que iluminasse o pensamento moderno.

Em 1985, no livro-entrevista “Informe sobre a Fé”, do jornalista italiano Vittorio Messori, ele afirma que sua intenção era dedicar seu sonhado retiro a pesquisar sobre este tema, ao qual também dedicou o livro “No início Deus criou”.

Já como Papa, dedicou três audiências ao tema, em dezembro de 2008, falando também disso no livro-entrevista “Luz do mundo”, de Peter Seewald. Sob o seu pontificado, o tema foi objeto de pelo menos dois congressos internacionais (Roma 2005 e Bolonha 2007).

Referências:

Este texto se baseia em “Antropologia do homem caído”, do teólogo espanhol J. A. Sayés (ed. Edicep).

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
JustiçaMalPecado
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
CARLO ACUTIS
John Burger
Como foram os últimos dias de vida de Carlo A...
violência contra padres no Brasil
Francisco Vêneto
Outubro de cruz para padres no Brasil: um per...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
SAINT JOSEPH SLEEPS
Philip Kosloski
Durma em paz com esta breve oração a São José
Pe. Gilmar
Reportagem local
Padre é encontrado após três dias desaparecid...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia