Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quinta-feira 29 Outubro |
São Colmano
home iconAtualidade
line break icon

Por que Bento XVI queria reintegrar os lefebvristas?

OR / CPP / CIRIC

D. Carlo Molari - publicado em 20/02/13

Desde o levantamento das excomunhões dos 4 bispos cismáticos, em 2009, a Igreja se comprometeu em um complexo diálogo com os lefebvristas, visando a chegar à sua reintegração à Igreja de Roma. Isso é sinal de retrocesso ou um gesto de reconciliação?

Bento XVI queria reintegrar os lefebvristas à Igreja Católica porque esta era a sua missão como sucessor de Pedro.

Cristo nomeou Pedro como pastor de todo o rebanho. Os sucessores de Pedro devem velar para que o rebanho não se disperse; devem buscar a ovelha perdida.

A unidade, a união e a reconciliação se encontram no coração do Evangelho. Jesus deu a sua vida para “reunir na unidade os filhos de Deus que estavam dispersos”. “Em sua carne, Ele deu morte ao ódio”. Ele é o Bom Pastor que vai em busca da ovelha perdida. Justamente antes da sua Paixão, sua recomendação suprema e sua oração foi para que seus discípulos fossem “um, para que o mundo creia”.

Esta missão é confiada, em primeiro lugar, ao sucessor de Pedro, a quem Jesus disse: “Apascenta as minhas ovelhas”. Como poderia dizer que ele é o pastor das ovelhas se não estivesse procurando reuni-las?

A experiência demonstra que, quanto mais passam os anos, as divisões se tornam mais difíceis de resolver.

Muitos se lamentam, afirmando que o ecumenismo parece não progredir. A ignorância mútua e a agressividade foram superadas. Descobre-se que talvez, no ponto de partida, as separações poderiam ter sido evitadas. Tudo isso é muito notável, quase imprevisível há um século. O Concílio Vaticano II foi uma etapa decisiva neste caminho.

Mas isso não é suficiente para restaurar a unidade. Porque o tempo passou e ambas as partes se habituaram a viver separadas. As palavras, as formas de se organizar, os ritos, os costumes já não são os mesmos. É difícil reencontrar-se. Como duas famílias que deixaram de ter contato há muito tempo.

Este é o caso, em concreto, da Ortodoxia. Já antes de 1054, a relação entre Roma e Constantinopla havia tido períodos de tensão, inclusive de separação. Mas algum tempo depois, restaurou-se a comunhão. Depois de 1054 e da excomunhão mútua, a situação se fossilizou. O Papa Paulo VI e o Patriarca Atenágoras decidiram anular as excomunhões em 1965, mas a unidade não foi restabelecida.

Dom Lefebvre tomou uma decisão com consequências muito graves para o futuro quando ordenou quatro bispos contra a vontade do Papa: seu objetivo era garantir um futuro de várias décadas à Fraternidade Sacerdotal São Pio X, que ele havia fundado. O Papa certamente queria evitar que os bispos atuais consagrassem uma nova geração de bispos que também seriam ilegítimos.

O Papa também é a garantia da unidade da Igreja ao longo do tempo: esta é a “Tradição”. O Concílio Vaticano II faz parte desta Tradição e deve ser interpretado corretamente – mas não amputado.

No passado, as comunidades cristãs divididas usavam muitas vezes termos para ferir umas às outras. Isso causou muitos estragos. O Papa Bento XVI, para falar da Fraternidade Sacerdotal São Pio X, usa expressões moderadas; ele fala de “grupo eclesial envolvido em um processo de separação”; procura inverter o processo, pensando que o que é eventualmente possível hoje corre o risco de ser ainda mais difícil dentro de 50 anos.

Mas a reconciliação não pode ser alcançada a qualquer preço. Não para moderar a opinião amplamente majoritária dos católicos que seguem os ensinamentos do Concílio Vaticano II; o que acontece é que Roma às vezes adota posições minoritárias na opinião católica.

Mas a decisão do Papa deve ser coerente com toda a Tradição da Igreja. A Tradição é o trabalho do Espírito Santo prometido à Igreja, aos bispos, ao Papa, para entender melhor a Palavra de Deus e ser discípulos fiéis de Cristo, na diversidade de situações históricas. O Papa Bento XVI recordou: não se trata de situar-se antes do Concílio e perguntar-se o que seria preciso fazer. O Concílio Vaticano II agora faz parte da Tradição da Igreja. Não podemos nos separar desta Tradição. O Concílio não pode ser amputado. Podem ser admitidas muitas leituras, mas não é possível arrancar páginas do livro.

O Papa Bento XVI sofre a incompreensão que encontra em diversas partes.

Em 2009, o Papa Bento XVI levantou a excomunhão que afetava pessoalmente os quatro bispos consagrados por Dom Lefebvre. A isso se somou o fato de que um dos bispos era um negacionista obstinado – algo que o Papa desconhecia.

Na opinião pública, inclusive entre os católicos, o Papa foi gravemente questionado. Ele ficou tão triste, que dirigiu uma carta – que se tornou pública – a todos os bispos, para explicar a sua decisão (10 de março de 2009): “Mas eu pergunto agora: Verdadeiramente era e é errado ir, mesmo neste caso, ao encontro do irmão que 'tem alguma coisa contra ti' (cf. Mt 5, 23s) e procurar a reconciliação?”.

Falando dos lefebvristas, escreveu: “Verdadeiramente devemos com toda a tranquilidade deixá-los andar à deriva, longe da Igreja?”. A carta adquire um tom emotivo quando ele lamenta “ser tratado com aversão, sem temor nem decência” por ter estendido a mão ao adversário.

Segundo Dom Fellay, superior-geral da Fraternidade Sacerdotal São Pio X, o Papa lhe teria dito que “seria mais fácil, tanto para nós como para eles, ter deixado tudo como estava”.

Ao explicar por que tinha escolhido o nome de Bento, o Papa citou Bento XV, o Papa que, em 1917, tentou uma aproximação para uma trégua entre as partes em guerra. De ambos os lados, foi profundamente injuriado.

“Felizes os que promovem a paz. Felizes sois vós, quando vos injuriarem e perseguirem. Felizes os que são perseguidos por causa da justiça, porque deles é o Reino dos Céus.”

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Reportagem local
Corpo incorrupto de Santa Bernadette: o que o...
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
OLD WOMAN, WRITING
Cerith Gardiner
A carta de uma irlandesa de 107 anos sobre co...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia