Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Alimente o seu espírito. Receba grátis os artigos da Aleteia toda manhã.
Inscreva-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Vatileaks: relatório sobre a Cúria Romana é reservado ao próximo papa

Compartilhar

Bento XVI recebe os membros da comissão de investigação sobre o caso

Bento XVI decidiu que só o próximo papa poderá ter acesso ao relatório que ele mesmo havia pedido a três cardeais sobre o caso "Vatileaks", o vazamento de notícias e supostas irregularidades na Cúria Romana.
 
Esta foi a informação divulgada nesta segunda-feira pela Sala de Imprensa da Santa Sé, após a audiência que o Pontífice concedeu aos três cardeais (que têm mais de 80 anos e, portanto, não participarão do conclave de eleição do futuro papa): Julián Herranz, Jozef Tomko e Salvatore De Giorgi.
 
O Papa ordenou que o "Vatileaks" tivesse dois tipos de investigação: uma realizada pela justiça vaticana comum e outra, por uma comissão de cardeais nomeados por ele mesmo.
 
A investigação da justiça italiana levou à condenação de Paolo Gabriele, ex-mordomo de Sua Santidade, quem se confessou culpado pelo vazamento de documentos privados ao jornalista Gianluigi Nuzzi – quem, depois, os divulgou em um livro e em várias publicações, bem como em programas de televisão.
 
Gabriele foi condenado, em 6 de outubro de 2012, a três anos de prisão (reduzidos a um ano e meio). A pena foi levantada pelo perdão concedido pelo próprio Papa, em 22 de dezembro.
 
O resultado da investigação da comissão cardinalícia foi entregue exclusivamente ao Papa, que é a única pessoa que conhece seu conteúdo, segundo confirmou também nesta segunda-feira o comunicado vaticano.
 
O Vaticano informou que, neste momento, só o Papa tem acesso ao relatório, desmentindo fontes jornalísticas que afirmavam que, após a renúncia do Pontífice, os três cardeais teriam exposto o texto aos participantes do iminente conclave.
 
Recentemente, alguns jornais chegaram a atribuir a renúncia do Papa ao conteúdo deste relatório, ainda que nenhum jornalista tenha conhecimento do texto.
 
Em 23 de fevereiro, a Secretaria de Estado da Santa Sé havia publicado um comunicado para denunciar a divulgação de "notícias muitas vezes não verificadas, não verificáveis ou inclusive graves", cujo objetivo seria tentar influenciar os cardeais que se reunirão em conclave.
 
O comunicado vaticano sublinha que, "junto aos limites e imperfeições próprios do fator humano de toda instituição", o relatório cardinalício mostra também "a generosidade, retidão e dedicação dos que trabalham na Santa Sé ao serviço da missão confiada por Cristo ao Pontífice Romano".
Boletim
Receba Aleteia todo dia