Aleteia
Segunda-feira 26 Outubro |
São Fulco
Atualidade

As confissões do Papa Francisco

Luciano Thieberger

Aleteia Vaticano - publicado em 15/03/13

Apresentação de trechos do livro "O jesuíta"

Como é o Papa Francisco? Ele mesmo respondeu a esta pergunta, em conversas com os jornalistas Sergio Rubín e Francesca Ambrogetti, nas quais fala de tudo: amor pelo tango, vocação, nova evangelização.


Apresentamos alguns trechos das "confissões" do novo Papa, extraídas do livro "O jesuíta" (Editora Vergara, Argentina).

Trabalho

Agradeço tanto a meu pai que tenha me mandado trabalhar. O trabalho foi uma das coisas que mais bem me fez na vida e, particularmente, no laboratório aprendi o bom e o mal de toda tarefa humana (…). Lá, tive uma chefe extraordinária, Esther Balestrino de Careaga, uma paraguaia simpatizante do comunismo que anos depois, durante a última ditadura, sofreu o sequestro de uma filha e de um genro, e depois foi raptada (…) e assassinada. Atualmente está enterrada na igreja de Santa Cruz. Eu a amava muito. (…) Ensinou-me a seriedade do trabalho. Realmente, devo muito a essa grande mulher. (p. 34)

Vocação

Quando rondava pelos 17 anos, em um 21 de setembro (dia em que na Argentina os jovens celebram o dia do estudante), preparava-se para sair para festejar com seus companheiros. Mas decidiu começar a jornada visitando sua paróquia. Quando chegou, encontrou-se com um sacerdote que não conhecia e que lhe transmitiu uma grande espiritualidade, motivo pelo qual decidiu confessar-se com ele. "Nessa confissão ocorreu-me algo raro, não sei o que foi, mas mudou-me a vida; eu diria que me surpreenderam com a guarda abaixada". Mais de meio século depois o interpreta assim: "Foi a surpresa, o estupor de um encontro; dei-me conta de que me estavam esperando. Isso é a experiência religiosa: o estupor de encontrar-se com alguém que está te esperando. Desde esse momento, para mim, Deus é o que chega na frente. Você o está buscando, mas Ele te busca primeiro. Você quer encontrá-lo, mas Ele nos encontra primeiro". "Contei primeiro a meu pai e lhe pareceu muito bem. Mas a reação de minha mãe foi muito diferente. A verdade é que ela não gostou." (p. 34) 

Nova Evangelização

"A Igreja, por vir de uma época onde o modelo cultural a favorecia, acostumou-se a que suas instâncias fossem oferecidas e abertas para aquele que viesse, para aquele que nos buscasse. Isso funcionava em uma comunidade evangelizada. Mas na atual situação, a Igreja necessita transformar suas estruturas e modos pastorais orientando-os de modo que sejam missionários. Não podemos permanecer em um estilo 'clientelar' no qual passivamente espera que chegue 'o cliente', o freguês, mas precisamos de estruturas para ir aos que necessitam de nós, para ir aonde estão as pessoas, até aqueles que desejando-o não se aproximarão de estruturas e formas caducas que não respondem a suas expectativas nem à sua sensibilidade. Temos que ver, com grande criatividade, como nos fazermos presentes nos ambientes da sociedade fazendo que as paróquias e instituições sejam instâncias  que se lancem a estes ambientes. Revisar a vida interna da Igreja para sair em direção ao povo fiel de Deus. A conversão pastoral nos chama a passar de uma Igreja 'reguladora da fé' a uma Igreja 'transmissora e facilitadora da fé'". (p. 77-78)

Divorciados na Igreja

– O que diria aos divorciados que estão em uma nova união?

-"Que se integrem à comunidade paroquial, que trabalhem ali porque há coisas em uma paróquia que eles podem fazer. Que busquem ser parte da comunidade espiritual, que é o que aconselham os documentos pontifícios e o Magistério da Igreja. O Papa assinalou que a Igreja os acompanha nessa situação. É certo que dói a alguns não poder comungar. O que é preciso nesses casos é explicar-lhes bem as coisas. Existem casos em que isso se torna complicado. É uma explicação teológica que alguns sacerdotes expôem muito bem e as pessoas entendem". (p. 91) 

Aborto e direitos da mulher

– A batalha contra o aborto eu a situo na batalha a favor da vida desde a concepção. Isso inclui o cuidado da mãe durante a gravidez, a existência de leis que protejam a mulher no pós-parto, a necessidade de assegurar uma adequada alimentação dos filhos, como também brindar uma atenção sanitária ao longo de toda uma vida, o cuidar de nossos avós e não recorrer à eutanásia. Porque também não se deve "sub-assassinar" com uma alimentação insuficiente ou uma educação ausente ou deficiente, que são formas de privar de uma vida plena. Se há uma concepção a respeitar, há uma vida para cuidar.

– Muitos dizem que a oposição ao aborto é uma questão religiosa.

– Ora… A mulher grávida não leva no ventre uma escova de dentes; nem um tumor. A ciência ensina que desde o momento da concepção, o novo ser tem todo o código genético. É impressionante. Não é, então, uma questão religiosa, mas claramente moral com base científica, pois estamos na presença de um ser humano.

– Mas a graduação moral da mulher que aborta é a mesma de quem a pratica?

– Não falaria de graduação. Mas sim, a mim me dá muito mais – não digo lástima -, senão compaixão, no sentido bíblico da palavra, ou seja, de compadecer e acompanhar, uma mulher que aborta por vá-se saber quais pressões, do que aqueles profissionais – ou não profissionais – que atuam por dinheiro e com uma frieza única. […] Essa frieza contrasta com os problemas de consciência, os remorsos que, ao cabo de alguns anos, têm muitas mulheres que abortaram. É preciso estar no confessionário e escutar estes dramalhões, pois sabem que mataram um filho. (p. 91) 

Educação sexual

A Igreja não se opõe à educação sexual. Pessoalmente, creio que deve existir ao longo de todo o crescimento das crianças, adaptada a cada etapa. Na verdade na verdade a Igreja sempre compartiu a educação sexual, embora aceite que nem sempre o fez de um modo adequado. O que acontece é que atualmente muitos dos que levantam as bandeiras da educação sexual a concebem separada da pessoa humana. Então, ao invés de se contar com uma lei de educação sexual para a plenitude da pessoa, para o amor, cai-se me uma lei para a genitalidade. Essa é nossa objeção. Não queremos que se degrade a pessoa humana. Nada mais. (p. 92-93) 

Cozinha

– Cozinha atualmente? 

– Não, não tenho tempo. Mas quando vivia no colégio Máximo, de San Miguel, como aos domingos não havia cozinheira, eu cozinhava para os estudantes.

– E cozinha bem?

– Bom, nunca matei ninguém…

(p. 31) 

Ping-pong de perguntas e respostas

– Como se apresentaria a um grupo que não o conhece.

– Sou Jorge Bergoglio, padre. É que gosto de ser padre.

– Um lugar no mundo?

– Buenos Aires.

– Uma pessoa?

– Minha avó.

– Como prefere inteirar-se das notícias?

– Lendo os jornais. Ligo o rádio para ouvir música clássica.

– Por que terminou o namoro?

– Descobri minha vocação religiosa.

– Tem algum familiar que também abraçou a vocação religiosa?

– Sim, o filho de minha irmã Marta. É sacerdote jesuíta como eu.

– Algum hobby?

– Quando jovem colecionava selos. Hoje, ler, que me agrada muito, e escutar música.

– Uma obra literária?

– A poesia de Holderlin me encanta. Também. muitas obras da literatura italiana. Li quatro vezes "I promesi sposi" ("Os Noivos" de Alessandro Manzoni, NT). Outro tanto li a Divina Comédia. Também me chegam Dostoievsky e Marechal.

– Borges? Você escreveu sobre ele.

– Nem o que dizer. Ademais Borges tinha a genialidade de falar praticamente de qualquer coisa sem enrolações.

– Borges era agnóstico.

– Um agnóstico que todas as noites rezava o Pai-Nosso, porque o havia prometido a sua mãe e que morreu assistido religiosamente.

– Uma composição musical?

– Entre as que mais admito está a abertura Leonera número três de Beethoven na versão de Furtwängler, que no meu entender é o melhor diretor de algumas de suas sinfonias e das obras de Wagner.

– Gosta do tango?

– Muitíssimo. É algo que me sai de dentro. Creio conhecer bastante de suas duas etapas.

– Sabe dançá-lo?

– Sim. Dancei quando jovem, embora prefira a milonga.

– Seu esporte preferido?

– Quando jovem praticava o basquete, mas gostava de ir ao estádio ver futebol. Íamos toda a família, incluída minha mãe, para ver o San Lorenzo, o time dos nossos amores: meus pais eram de Almagro, o bairro do clube.

(p. 118-120) 

Nomeação

– [Depois de uma conversa o Núncio] "me informa: "Ah… uma última coisa… Você foi nomeado bispo auxiliar de Buenos Aires e a designação será tornada pública em 20…" Assim, sem mais, ele me falou.

– E qual foi sua reação?

– "Fiquei bloqueado. Como assinalei antes, como conseqüência de um golpe, bom ou mal, sempre me bloqueio".

– Diga-nos, pelo menos, o que sentia quando via seu nome entre os grandes candidatos a Papa… [sobre o Conclave de 2005].

– Pudor, vergonha. Pensava que os jornalistas estavam loucos.

(p. 125-126) 

Dor e ressentimento

A dor, que é também outra chaga, é um campo aberto. O ressentimento é como um cortiço, onde vive muita gente apertada que não tem o céu. Enquanto a dor é como uma favela onde as pessoas também se amontoam, mas também se vê o céu. Em outras palavras, a dor está aberta à oração, à ternura, à companhia de um amigo, a mil coisas que dignificam a pessoa. Ou seja, a dor é uma situação mais sã. Assim me dita a experiência. (p. 143)


(Tradução: Alexandre Silva. Fonte: http://viewonline.fromdoppler.com/pfie/eqaehB/c/a/a.)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
franciscoPapaPapa Francisco
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Papa Francisco
Francisco Vêneto
Papa Francisco e casais homossexuais: o que e...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
SAINT MICHAEL
Philip Kosloski
Oração a São Miguel por proteção contra inimi...
Rosário
Philip Kosloski
Benefícios do Rosário: 3 virtudes que aprende...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia