Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Aborto: quando alguém atrapalha, pode ser eliminado

© SHUTTERSTOCK.com
Compartilhar

Conselho de Medicina evoca autonomia da mulher e do médico, mas ignora completamente a criança

A Igreja Católica no Brasil reagiu à decisão do Conselho Federal de Medicina  (CFM), manifestada na semana passada, de se posicionar a favor do aborto até a 12ª semana, como prevê a proposta do novo Código Penal, que está em discussão no Senado.

 

O aborto é crime no país, exceto quando não há outro meio de salvar a vida da gestante ou quando a gravidez resulta de estupro.

 

Segundo a CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), para justificar sua posição, o CFM evocou a autonomia da mulher e do médico, mas ignorou completamente a criança em gestação.

 

Em nota divulgada na sexta-feira, o presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e a Família da CNBB, Dom João Carlos Petrini, afirma que a decisão do CFM “deixa uma mensagem inequívoca: quando alguém atrapalha, pode ser eliminado”.

 

A criança em gestação “não é um amontoado de células sem maior significado, mas um ser humano com uma identidade biológica bem definida; com um código genético próprio, diferente do DNA da mãe”.

 

“Amparado no ventre materno, o nascituro não constitui um pedaço do corpo de sua genitora, mas é um ser humano vivo com sua individualidade. A esse respeito convergem declarações de geneticistas e biomédicos.”

 

“Todos esses fatores precisam ser considerados no complexo debate sobre o aborto, reconhecendo os direitos do nascituro, dentre os quais o direito inviolável à vida que vem em primeiro lugar”, afirma a nota do organismo católico.

 

Dom João Carlos Petrini afirma que o uso apropriado da razão reconheceria os direitos do nascituro, sendo o primeiro deles o direito inviolável à vida.

 

Segundo Dom Petrini, o aborto não é uma solução. Ele pede a implantação de “políticas públicas que criem formas de amparo às mulheres grávidas nas mais variadas situações de vulnerabilidade e de alto risco, de tal modo que cada mulher, mesmo em situações de grande fragilidade, possa dar à luz seu bebê”.

 

“Esta solução é a melhor tanto para a criança, que tem sua vida preservada, quanto para a mulher, que fica realizada quando consegue ter condições para levar a gravidez até o fim, evitando o drama e o trauma do aborto.”

São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.