Aleteia
Segunda-feira 26 Outubro |
São Fulco
Atualidade

Coreia do Norte e suas armas nucleares: devemos nos preocupar?

Mark Gordon - publicado em 05/04/13

Há muitas intenções detrás das ameaças e insanidade do regime comunista

A República Democrática Popular da Coreia, mais conhecida como Coreia do Norte, realizou em fevereiro seu terceiro teste nuclear subterrâneo desde 2006 – o segundo desde 2009 –, quando se tornou comumente aceito que o regime norte-coreano havia de fato alcançado o status de poder nuclear. O recente teste registrou 5,1 graus na escala Richter, com força de explosão estimada entre 6 quilotons de TNT (1 quiloton é igual a 1.000 toneladas de dinamite) a 20 quilotons. A título de comparação, a "Fat Man" – bomba atômica americana lançada sobre Nagasaki em 1945 – teve força de explosão entre 20 a 22 quilotons. É amplamente aceito que a Coreia do Norte está em posse de seis ou sete ogivas nucleares funcionais, e seu programa de enriquecimento de urânio é aparentemente robusto, o que significa uma provável produção de armas adicionais.

Ao divulgar o teste, os norte-coreanos afirmaram ter fabricado um dispositivo pequeno e leve, embora não tenham oferecido detalhes ou provas. Se isso for verdade, é algo preocupante e um passo importante para o desenvolvimento de uma arma que poderia ameaçar os Estados Unidos. 

Mas por que o atual arsenal nuclear norte-coreano, tal como é, não representa uma ameaça para os Estados Unidos? Em uma palavra: lançamento. Uma arma nuclear não é eficaz a menos que possa chegar ao seu objetivo. Neste caso, a menos que a Coreia do Norte desenvolva um míssil balístico intercontinental capaz de atingir os Estados Unidos, tendo conseguido, ao mesmo tempo, desenvolver uma ogiva pequena e leve o suficiente para tal míssil, a ameaça não é realista. Além disso, uma vez que esses dois objetivos tecnológicos fossem alcançados, seria necessário desenvolver um sistema de guia capaz de fazer a bomba atingir o alvo com precisão. No momento, as opções de lançamento da Coreia do Norte são por avião – a mesma tática utilizada pelos Estados Unidos no final da Segunda Guerra Mundial – ou por mísseis balísticos de curto ou médio alcance, que têm sido testados há anos, com resultados médios. Ambas as opções falham na tentativa de ameaçar os Estados Unidos diretamente.

O mesmo não se pode dizer sobre o Japão – incluindo a enorme base militar americana em Okinawa – e a Coreia do Sul, dois aliados vitais dos EUA e com papéis importantes no sistema econômico global. Mesmo com a sua limitada capacidade de lançamento de bombas nucleares, a Coreia do Norte é uma ameaça para esses dois países. Por essa razão, o programa nuclear norte-coreano tem o potencial de desestabilizar profundamente a região. A situação é ainda mais complexa por implicar a China, que tem atuado como patrona da Coreia do Norte há mais de 60 anos. Os chineses protestaram vigorosamente contra o recente teste nuclear norte-coreano, mas, na ausência de medidas punitivas concretas, parecem ter perdido a influência sobre o regime norte-coreano, fazendo crescer os temores de uma corrida nuclear no Mar do Japão – algo que era impensável até mesmo há uma década.

Então como devemos olhar para essa situação? Em primeiro lugar, devemos lembrar que, ao discutir sobre a Coreia do Norte, estamos realmente falando de um pequeno grupo de pessoas no topo de seu sistema, talvez apenas uma dúzia. Aí se inclui Kim Jong-un, o "Líder Supremo" e princípio da unidade na sociedade norte-coreana. O grupo também inclui meia dúzia de altos assessores militares e políticos, alguns dos quais estão no poder desde que o avô de Kim Jong-un, Kim Il-sung, governou. O grupo inclui membros da família de Kim Jong-un, incluindo seu tio, sua irmã e seu cunhado.

Em segundo lugar, não devemos assumir automaticamente que este grupo está agindo irracionalmente. É fácil para os estrangeiros, especialmente os americanos, projetar uma espécie de psicose sobre o regime de Kim Jong-un. E de fato, por todos os padrões objetivos, o que se passa na Coreia do Norte parece ser literalmente insano, partindo do estranho culto à personalidade do Líder Supremo à fome, dependência e opressão da população, e agora, aparentemente, este apetite insaciável por armas nucleares. Mas seria um erro confundir o que é loucura objetiva com irracionalidade subjetiva. Do ponto de vista do regime – novamente, talvez uma dúzia de pessoas – tudo isto pode ser visto como muito racional, inclusive previsível. 

A prioridade dos líderes é se manter no poder, ainda que não tenham nada para oferecer ao próprio povo ou ao mundo. Dentro da Coreia do Norte, o regime criou uma atmosfera de paranóia generalizada: uma conspiração mundial, liderada pelos Estados Unidos, destinada a destruir o Estado norte-coreano e seu povo. De acordo com essa ideologia, o regime é o único instrumento para salvar o povo da aniquilação. Essa suposta missão lhes dá uma espécie de aquiescência, se não legitimidade. No olhar do mundo externo, a Coreia do Norte criou uma história própria, a de um regime imprevisível, pronto para lançar uma guerra nuclear no Leste da Ásia. Mais uma vez, isso é objetivamente insano, mas quando se considera essa postura como chantagem e jogada para conseguir mais ajuda alimentar, moeda estrangeira e fim de sanções, tudo começa a parecer mais racional.

Diante disso, iria a Coreia do Norte realmente lançar uma guerra nuclear contra os seus vizinhos? Contra os Estados Unidos? Na opinião deste escritor, isso é duvidoso. O regime sabe que o início das hostilidades nucleares acarretaria o seu fim. Se escolhesse tal caminho, os Estados Unidos poderia destruir Pyongyang em questão de horas, talvez de minutos. E uma guerra convencional? Os norte-coreanos poderiam atacar o sul? Mais uma vez, isso é improvável na minha opinião. A China está afoita para estabelecer o domínio político e militar sobre o leste da Ásia e não vê com bons olhos uma movimentação que envolva os Estados Unidos em uma outra guerra na península coreana, garantindo mais 50 ou 60 anos de presença americana. A China estaria propensa a impor imediatamente um cordão de isolamento econômico em torno da Coreia do Norte, sufocando seus fornecimentos de tudo, desde alimentos a munição. E, no pior cenário, os chineses enviariam o Exército Popular de Libertação ao longo da fronteira, derrubariam o regime e instalariam um novo governo satélite menos volátil.

Nada disso é motivo para se ter uma visão “conciliadora” do programa nuclear norte-coreano, é claro. Esse programa deve ser combatido com todos os meios possíveis evitando uma guerra, incluindo a ação diplomática e o isolamento econômico do regime. Se, como eu acredito, essa movimentação da Coreia do Norte é calculada com o objetivo de obter concessões da comunidade internacional, eles devem ter a ilusão de que essa tática pode funcionar. O mundo não pode aceitar tal chantagem de Kim Jong-un e seu pequeno grupo. Mas também não pode sucumbir à paranóia que eles tentam criar e lançar preventivamente uma segunda Guerra da Coreia, que teria consequências desastrosas para a região e todo sistema internacional.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
Guerra
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Papa Francisco
Francisco Vêneto
Papa Francisco e casais homossexuais: o que e...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
SAINT MICHAEL
Philip Kosloski
Oração a São Miguel por proteção contra inimi...
Rosário
Philip Kosloski
Benefícios do Rosário: 3 virtudes que aprende...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia