Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Domingo 24 Janeiro |
São Vicente Pallotti
home iconAtualidade
line break icon

Violência como doença social

Chiara Santomiero - publicado em 17/04/13

Presidente de Pax Christi comenta os acontecimentos de Boston

Um dia de festa e convivência civil pacífica, como a da Maratona de Boston, transformou-se em uma tragédia devido a um ataque – na forma de execução – com um claro desejo de ferir e matar uma vasta área. A Aleteia conversou com Dom Giovanni Giudici, bispo de Pavia e presidente da Pax Christi Itália, na véspera do Congresso Nacional da organização, que será realizado em Roma entre os dias 26 e 28 abril, sobre o tema "É tempo de não-violência. Abramos a janela do futuro, planejando juntos, ousando juntos".

Que reações o atentado de Boston provoca?

O ataque torna tragicamente claro que a violência adquiriu um caráter de "doença social" no mundo de hoje. Já não é um conflito entre nações, mas dentro das pessoas, que buscam afirmar-se em um mundo impositivo, sem margem para o diálogo, para a diversidade de opiniões. À escuridão da violência, no entanto, responde também o desejo de ajudar o irmão, especialmente se ferido em um gesto trágico e absurdo; o coração humano foi acionado diante da situação de emergência e levou muitos a trabalhar após o ataque, de várias maneiras, para levar alívio às vítimas.

Por que o senhor acha que a violência tornou-se quase endêmica no mundo?

A globalização e a migração levaram as populações a viver lado a lado, mas com perspectivas culturais, experiências e até mesmo escolhas religiosas diferentes. É uma nova realidade com relação ao passado. Outro aspecto é a participação nos acontecimentos mundiais em tempo real, graças aos meios de comunicação, que levam a violência aos lares por meio de imagens, despertando emoções e reações. Ambos os aspectos são ocasiões para a Providência de Deus, para redescobrir a unidade da família humana, a preciosidade da diversidade e do enriquecimento mútuo que vem com ela. Os mesmos eventos históricos, no entanto, podem ser ocasiões de tropeço ou de salvação.

Os Estados Unidos, onde continua a venda de armas, apesar dos massacres generalizados que ocorreram recentemente, também nas escolas, pode ser um exemplo desta atitude de violência?

Esta é certamente uma imagem tradicional da própria identidade, forjada em uma época em que as armas eram diferentes e também o contexto: podemos pensar na fase da conquista dos territórios por parte dos pioneiros, com a necessidade de se defender. Esta tradição perpetuada na atualidade leva ao fracasso, porque a identidade nacional gira em torno do "galf, God, gun".

Por que a Pax Christi propõe a campanha "Escolas desmilitarizadas" aos mais jovens?

Precisamos ajudar os jovens a despertar uma mentalidade não violenta, que tenha o coração a aspiração a uma sociedade sem guerra. Eliminar a necessidade de violência na origem das relações pessoais e sociais: esta é a perspectiva educacional que parece mais eficaz, evitando que na escola haja propostas que incitem a presença de armas na sociedade, como algo necessário.

Neste ano, recorda-se o 20º aniversário de falecimento de Dom Tonino Bello, bispo de Molfetta e presidente da Pax Christi entre 1985 e 1993. Que legado ele deixou?

Dom Tonino deixou principalmente duas coisas: a paixão pela paz e a atenção aos pequenos e vulneráveis ​​da sociedade, à qual têm o direito de pertencer. Esta atenção é prenúncio de paz, porque a paz é colocada em crise nas situações em que não há justiça e não há respeito pela dignidade da pessoa. Percebemos, nas palavras e gestos do Papa Francesco, uma sintonia particular com o que Bello dizia e com o que o movimento propõe. Esta sintonia é um incentivo e ajuda a levar à comunidade cristã – como nós nos esforçamos para fazer – conscientização e sensibilização no que diz respeito às questões de paz, justiça e dignidade humana.

Tags:
MundoSociedadeViolência
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Larry Peterson
Ela se divorciou duas vezes, teve 8 filhos, virou freira e levou ...
2
Aleteia Brasil
5 milagres que a ciência tentou, mas nunca conseguiu explicar
3
FETUS
Francisco Vêneto
Abortos no mundo em 2021 já superam mortes por covid em toda a pa...
4
Aleteia Brasil
O testemunho de São Sebastião, o soldado mártir do Império Romano
5
Aleteia Brasil
Na íntegra: as três partes do Segredo de Fátima - e uma interpret...
6
FAMILY PRAY
Philip Kosloski
Oração para manter as crianças longe do perigo
7
Daniel Neves e Nossa Senhora dos Rins
Francisco Vêneto
Nossa Senhora dos Rins e a devoção de um menino que pede a graça ...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia