Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Alimente o seu espírito. Receba grátis os artigos da Aleteia toda manhã.
Inscreva-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Reconhecimento às “Pedras de Tropeço” no caminho do Holocausto nazista

© DR
"Piedras de tropiezo" como esta están siendo colocadas en los lugares donde vivieron judíos asesinados en el Holocausto
Compartilhar

A Fundação Wallenberg, da qual o Papa Francisco faz parte, reconhece a iniciativa que recorda os deportados

A Fundação Internacional Raoul Wallenberg, que tem entre um dos seus primeiros membros históricos o arcebispo Jorge Bergoglio, hoje Papa Francisco, apresentará uma medalha especial de reconhecimento aos promotores da iniciativa lançada na Itália "Pietre d'Inciampo" (Pedras de Tropeço).
 
A obra, idealizada pelo artista alemão Gunter Demnig, consiste em colocar azulejos comemorativos junto às casas de judeus deportados aos campos de concentração nazistas. Cada azulejo tem gravado o nome da pessoa deportada.
 
A decisão da Fundação Wallenberg tem fundamento em sua missão de prestar homenagem a empreendimentos que estimulem o exercício da memória histórica, bem como de fatos úteis como exemplos para as futuras gerações.
 
"Este é um reconhecimento de duas vias: por um lado, recordamos os que auxiliaram integrantes de minorias perseguidas e, por outro, reconhecemos aquelas pessoas que propõem iniciativas para que os gestos de solidariedade não caiam no esquecimento", afirmaram Baruj Tenembaum e Eduardo Eurnekian, fundador e presidente da Fundação Wallenberg, respectivamente.
 
O reconhecimento às Pedras de Tropeço será formalmente anunciado à Sua Santidade, o Papa Francisco, quem, durante mais de 15 anos, preservou um dos espaços da memória mais singulares no cenário das relações judaico-cristãs: o Mural Comemorativo das Vítimas do Holocausto, instalado dentro da Catedral Metropolitana de Buenos Aires.
 
Inaugurado em 1997 pelo então primaz da Argentina, cardeal Antonio Quarracino, junto ao Prêmio Nobel da Paz, Lech Walesa, o Mural é uma peça de ourivesaria em prata, de 1,80m de altura.
 
Em abril de 1998, no primeiro aniversário da sua instalação, o então cardeal Jorge Bergoglio prestou homenagem aos milhares de assassinados pelo nazismo. O vídeo da cerimônia pode ser visto aqui.
 
Pedras de Tropeço se inspira no projeto original do artista alemão Gunter Demnig. O nome da obra em alemão é "Stolperstein" (pedra no caminho, obstáculo). São cubos de cimento que, na parte superior, têm uma placa de metal com os dados essenciais da pessoa homenageada.
 
Os cubos são colocados nas calçadas, ficando quase no nível do chão, sobressaindo levemente da superfície, para chamar a atenção. A ideia é que, ao perceber o desnível, o caminhante pare e leia a placa. Ao mesmo tempo, a inclinação do pedestre pode ser interpretada como um gesto de respeito pela pessoa homenageada.
 
No final de 2008, havia cerca de 17 mil azulejos comemorativos colocados em mais de 400 cidades alemãs. Na Itália, as peças da memória estão sendo colocadas em cidades como Roma, L'Aquila, Genova, Brescia e Merano.
 
Eurnekian e Tenembaum acrescentaram que "o anúncio ao Papa Francisco será feito não somente em sua qualidade de chefe da Igreja Católica, mas também por ser membro honorário inaugural da Fundação Wallenberg".
Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.