Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quinta-feira 25 Fevereiro |
Beato Sebastião Aparício
home iconAtualidade
line break icon

Tragédia em Bangladesh: não existem direitos trabalhistas

MUNIR UZ ZAMAN

Alvaro Real - publicado em 30/04/13

As empresas têxteis europeias subcontratam para evitar problemas legais

No dia 23 de abril, os empresários do edifício de Rana Plaza, em Savar, a 24km de Dhaka, capital de Bangladesh, no Sudeste Asiático, foram informados pela polícia do risco de desabamento do prédio. Mas os empresário optaram por não paralisar o trabalho.

Horas depois, os andares superiores desabaram e foram caindo em cima dos inferiores, esmagando mais de 300 trabalhadores: crianças, mulheres e homens.

A Aleteia quis saber mais sobre a situação vivida neste país asiático. A ONG Manos Unidas realiza numerosos projetos na região e tem informação privilegiada sobre o ocorrido.

Paloma Valdés, coordenadora do Nordeste da Índia e Bangladesh, conversou com os responsáveis de projetos na área: "Eles me disseram que a situação é caótica e que se deve fundamentalmente à falta de direitos trabalhistas na população", acrescentando que, neste caso, "no setor têxtil, há 90% de mulheres que não têm direitos trabalhistas".

Segundo lhe informaram, as empresas contratam por meio de subcontratos, de maneira que são sociedades intermediárias as que não cumprem a legislação. Paloma Valdés explicou também que, "enquanto isso, ficam livres dessa violação os destinatários finais das peças de vestuário".

Os antecedentes da tragédia são incontáveis. Calcula-se que mais de 600 trabalhadores morreram nos últimos 6 anos.

São as consequências da transferência de grandes marcas europeias de produção têxtil que produzem em países como Bangladesh, China, Tailândia, Marrocos, México e América Central para economizar custos, por serem países com salários mais baixos. O outsourcing elimina os problemas legais para as empresas europeias.

O nível salarial em Bangladesh se encontra entre os mais baixos do mundo e a média é de 1.662,50 taka ao mês (24 dólares). Se a isso se subtrai a possibilidade de que o trabalhador tenha de dormir no local de trabalho, porque sua casa está muito longe (e por isso deve pagar ao empresário), o salário mensal é ínfimo.

"Em Bangladesh, não há outro tipo de trabalho – explica Paloma Valdés. A única alternativa seria a agricultura em zonas rurais, mas lá se ganha menos de 2 euros por dia." Durante antes, tentou-se potencializar a agricultura, por meio de microcréditos, mas no final este modelo foi descartado.

"Cerca de 90% dos trabalhadores da indústria têxtil de Bangladesh são mulheres", explica Paloma Valdés. Segundo um estudo da Organização Internacional do Trabalho (OIT) em 2009, seus salários são ainda mais baixos que os dos homens, por serem mulheres.

Segundo a OIT, as mulheres ganham uma média de 23,2% a menos por hora que os homens, e estes salários obrigam as trabalhadoras a realizar horas extras, prolongando a jornada de trabalho até 12 horas ou mais por dia.

"Este é outro tipo de escravidão, não muito diferente daquela do século XVIII e XIX", acrescenta.

Diversas ONG, entre as quais se encontra Manos Unidas, realizaram campanhas de conscientização e denúncia, para que os Estados denunciem as condições de trabalho das indústrias têxteis em Bangladesh e Ásia.

"A única coisa que podemos fazer é denunciar e mostrar tudo isso, para que estas situações não fiquem escondidas", acrescenta; mas, para reverter este quadro, "é preciso que se dê um processo muito, muito lento de recuperação de valores".

Segundo explica Manos Unidas, há anos, "existe uma série de exigências para um plano social corporativo por parte das empresas do mundo têxtil, com o qual seria possível garantir estes direitos trabalhistas, mas isso nunca foi levado a cabo".

Tags:
Política
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Eucaristia
Reportagem local
Diocese afasta padre que convidou pastor para “concelebrar&...
2
Padre Paulo Ricardo
Nossos tempos são os últimos? A Irmã Lúcia responde
3
OPERA SINGER
Cerith Gardiner
Cantora de ópera faz apresentação incomum e homenageia Maria e as...
4
DOMINIKANIN, SZCZEPIONKA COVID
Jesús V. Picón
Padre desenvolve vacina contra Covid-19 para os pobres
5
SPANISH FLU
Philip Kosloski
Os poderosos conselhos do Padre Pio durante uma pandemia na Itáli...
6
FATHER RANIERO CANTALAMESSA
Vatican News
Cuidado com a hipocrisia: a pureza de coração é condição para ver...
7
NIEPOKALANE POCZĘCIE
Reportagem local
Nossa Senhora se ajoelha no Céu toda vez que rezamos esta oração
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia