Aleteia logoAleteia logoAleteia
Domingo 27 Novembro |
Santa Catarina de Labouré 
Aleteia logo
Estilo de vida
separateurCreated with Sketch.

Quem é o homem pós-moderno?

hrvnb30kywg8ytqfknvzcjmhp1f2obh6yecnjaq6hemlofkpo2qzeyl32tynsmspauy5mopysqmjhmczcubrlcfozonm.jpg

Marcelo López Cambronero - publicado em 08/05/13

Um homem desencantado, defraudado pelas promessas nas quais a modernidade acreditava

O homem pós-moderno está des-encantado

Se há algo que define o homem pós-moderno é sua situação de desencanto. Ele é aquele que já não acredita na modernidade e a considera em um canto frio, ao qual teme olhar, como a maior das mentiras.

Sua decepção alcançou tudo o que ele achava valioso ou importante, todos os âmbitos nos quais acreditava contar com apoios firmes, com passos sólidos pelos quais cruzar as montanhas mais inclinadas: economia, política, arte, moral, religião. Agora sabemos que as concepções fundamentais da modernidade estavam equivocadas. Mas o homem pós-moderno carece de convicções suficientemente confiáveis para poder alicerçar sua vida sobre elas.

A pós-modernidade é fundamentalmente a rejeição da modernidade

A história da humanidade é, em essência, a história da constituição e desenvolvimento do que as diversas gerações consideraram vigente. O leito do rio pelo qual transcorre o devir do homem sobre a terra está formado pela decantação daquelas concepções da vida e do mundo que cada tempo considerou verdadeiras.

Alguns poderiam alegar que as ideias são matéria sutil demais e heterogênea para produzir um efeito tão notável, pois na verdade se trata de noções vagas que se guardam e comemoram na intimidade do nosso ser e que carecem da força necessária para arrastar e tocar a realidade.

Talvez pensemos que somente os batalhões, tropas, tanques e bombas, ou talvez algumas descobertas científicas é que podem se tornar os eixos do universo humano. Esta é uma ideia que pode ser perigosa.

Entender uma época implica o nunca simples trabalho de compreender o que as pessoas que nela viveram consideravam como verdadeiro, real. Cabe então perguntar-se: em que acreditam os pós-modernos? Só há uma ideia clara: que a modernidade foi uma falácia.

Ainda não encontramos nenhum traço positivo para acrescentar ao panorama, porque, se o homem pós-moderno descobre que algo em que acreditava afeta fortemente a sua ação, logo perceberá que se trata de um resíduo da modernidade.

Javier Martínez. Más allá de la razón secular. Granada, Nuevo Inicio, 2008

John Milbank. Teología y Teoría Social. Más allá de la razón secular. Barcelona, Herder, 2004.

Jürgen Habermas, Jean Baudrillard y otros. La posmodernidad. Barcelona, Kairós, 1985.

Alberto Ruiz de Samaniego. La inflexión posmoderna: los márgenes de la modernidad. Barcelona, Akal, 2004.

Em que o homem pós-moderno acredita? Basicamente, em nada

Chamamos de pós-moderno o homem que carece de certezas, que vive no ceticismo e que vê os últimos empenhos da agonia moderna com um cinismo muitas vezes insuportável.

Porque o drama do homem pós-moderno é que ele não tem certezas sobre o bem, sobre o que vale a pena na vida, sobre Deus e também sobre todo o resto. Sua vida é um enorme buraco sobre o qual ele caminha colocando as tábuas das ideias modernas, como os pedreiros nas valetas das cidades.

Mas é possível viver assim? Como pudemos chegar a uma situação semelhante? Ou, como diz o louco-lúcido de Nietzsche, “como pudemos beber o mar? Quem nos emprestou a esponja para apagar o horizonte?”.

Como as pedras de Stonehenge, continuamos em pé, monumento em um tempo que já não é o nosso, almas fora de lugar, fantasmas de si mesmos que continuam olhando a bolsa, esperando que o Estado resolva os problemas, levando os filhos para que outros os eduquem.

Negociamos com instituições que são barcos fantasmas, que continuam fazendo seu trabalho só porque não há uma nova energia, uma esperança que as substitua. Continuamos vivendo porque… é preciso viver. Mas não sabemos para que vivemos, qual é o objetivo do nosso cansaço
.

Somos navios ancorados a um porto que está ardendo, mas quem se aventurará em um mar desconhecido, ignorando onde está situado o outro porto ao qual devemos chegar? Em nossa queda pelo precipício, agarramos o último ramo que nos restava, os últimos resíduos modernos, que são frágeis e quebradiços, mas quem se soltará, enquanto não vir sob seus pés terra firme e chão seguro?

A negação de uma grande ideia sempre deixa um grande buraco, mas também traz uma nova esperança. Talvez não tenhamos referências para começar o caminho, mas é verdade que sabemos muitas coisas. Sabemos explicar nossas ações sob o único prisma do interesse, pedra angular da economia moderna.

Descobrimos que as democracias representativas, suposto cume, ponto final do progresso histórico dos sistemas políticos, são estados de partidos nos quais as elites podem competir pelo poder em uma guerra que não é sanguinária, mas fria.

Vemos, com temor e tremor, que as declarações de direitos humanos, tão sérias e rigorosas, adquirem o tom interpretativo que sustenta a ideologia dominante, quando não estão simplesmente ao seu serviço.

Percebemos que os intelectuais modernos se parecem àqueles viajantes que chegaram às aldeias e perguntavam: “O que há para comer?”, pergunta à qual respondiam: “O que você trouxer!”; e, desta maneira, acabam descobrindo, em suas pesquisas, com sua suposta Razão sem preconceitos, justamente o que pensavam antes de começar.

Humanistas, filósofos, teólogos da ciência hostórico-crítica, inclusive cientistas, não fazem outra coisa a não ser brincar de encontrar em uma gaveta o que esconderam no dia anterior.

Mas estes desencantos, com toda a sua dor, nos permitiram entender que não temos essa Razão de indivíduos solitários, e sim outra, talvez menor, mais humilde, certamente finita, histórica, que requer a comunidade, que se educa em uma tradição, que precisa entender a si mesma e os seus pressupostos para ter um olhar equilibrado sobre a realidade.

Alasdair MacIntyre. Tras la virtud. Barcelona, Crítica, 2001.

Amartya Sen. “Los tontos racionales. Una crítica de los fundamentos conductistas de la teoría económica”:
http://wp.aleteia.org/wp-content/uploads/sites/5/2013/05/los20tontos20racionales.pdf

Gianni Vattimo y otros. En torno a la posmodernidad. Barcelona, Anthropos, 2003.

Jesús Ballesteros. Posmodernidad. Decadencia o resistencia. Madrid, Tecnos, 2003.

A Igreja está na vanguarda da pós-modernidade e nela amanhece uma nova época

O magistério de João Paulo II e de Bento XVI colocaram a Igreja na vanguarda da pós-modernidade. Quando Vitorio Messori disse que Bento XVI era “um Papa pós-moderno, e os modernos ainda não estão sabendo disso”, muitos arregalaram os olhos. Sua afirmação foi precisa e acertada.

Não é que os últimos papas, seguindo com habilidade indiscutível o caminho aberto pelo Concílio Vaticano II, nos mostraram que a razão é histórica, que a tradição age no seu interior, que a economia não é determinada pelo lucro, que a política não é somente luta de poder etc.

Dito de outra maneira, não é que eles, melhor que ninguém, nos mostraram os erros e monstruosidades do mundo moderno, seu mau uso da razão ou dos recursos, e ao mesmo tempo souberam destacar alguns dos melhores traços da modernidade (como a ecologia).

Não, não é só isso. Ambos os papas insistiram no fato central que pode escrever uma nova história: a comunhão que, para um cristão, nasce da centralidade de Cristo; mas que, para qualquer um, pode ser entendida como o desejo do ser humano de viver em um mundo não baseado no conflito, nas relações de interesse, no predomínio de uns sobre outros.


Estamos nos referindo às ideias, bem práticas e eficazes, de que é melhor colaborar que competir, de que a educação acontece em comunidades livres, de que o Estado está a serviço das pessoas e deve sempre ser subsidiário, de que o trabalho é a forma mais imediata pela qual servimos a sociedade e desenvolvemos as nossas capacidades, de que a política não pode ser assunto de castas, mas requer o envolvimento de todos e se realiza em muitos diversos âmbitos da vida.

Falamos talvez de um novo sonho que vem substituir um antigo, talvez mais humilde, mas no qual partimos da consciência, realista de que não há nada mais poderoso sobre a terra que o amor que estamos chamados a ter uns pelos outros, e nada dá mais sentido à nossa esperança.

Catherine Pickstock. Más allá de la escritura: la consumación litúrgica de la Filosofía. Barcelona, Herder, 2005.

Tracey Rowland. La Fe de Ratzinger. La teología del Papa Benedicto XVI. Granada, Nuevo Inicio, 2008.

William Cavanaugh. Imaginación Teopolítica. La liturgia como acto político en la época del consumismo global. Granada, Nuevo Inicio, 2007.

Entrevista a Vittorio Messori sobre Benedicto XVI:http://hemeroteca.lavanguardia.com/preview/1994/07/15/pagina-6/39708789/pdf.html?search=vittorio%20messori

Tags:
Sentido da vida
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia