Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quarta-feira 20 Outubro |
São Cornélio
Aleteia logo
home iconAtualidade
line break icon

Argentina: a desnaturalização do ser humano importada da Europa

Patricia Navas González - publicado em 10/05/13

Relatório anual de doutrina social da Igreja denuncia a “colonização da natureza humana”

A Argentina aparece como paradigma da exportação, por parte da Europa, da ideologia que pretende dar por superada a natureza humana, no 4° Relatório Anual sobre a Doutrina Social da Igreja no mundo, do Observatório Cardeal Van Thuân e outros cinco institutos internacionais de pesquisa, apresentado no dia 8 de maio, na sede da Rádio vaticano.

Em um só ano, o país sul-americano de tradição católica teve uma lei sobre a procriação artificial que desnaturalizou a família, além de uma modificação do código civil para permitir a “barriga de aluguel”, que desnaturalizou a paternidade e a filiação.

Também revolucionou a base de toda a sociedade argentina; foi deixada de lado a “natureza humana” e o país se afastou violentamente da inspiração da fé católica para a construção da sociedade.

Esta é a avaliação que o presidente do Observatório, Dom Giampaolo Crepaldi, fez ao apresentar o relatório, que inclui dados de 2011, coletados pelo CIES (Centro de Iniciativas da Economia Social) de Buenos Aires.

O estudo mostra uma emergência: a “colonização da natureza humana”, provocada por uma ideologia ocidental, expressão de uma cultura niilista, que pretende superar completamente o conceito de natureza humana.

“É exatamente aqui na Europa que esta despedida da natureza humana está obtendo resultados mais inquietantes – declarou Crepaldi. A Europa que difundia o cristianismo e, com ele, a proteção da natureza humana criada por Deus, agora exporta a superação da natureza humana, rumo a uma identidade que se constrói livremente: homem ou mulher, mãe ou pai, mulher e marido. Já não se é; a pessoa se torna.”

O prelado citou Bento XVI, ao destacar a necessidade de proteger o homem da destruição de si mesmo.

“Se a natureza humana é percebida como um cúmulo de fenômenos naturais guiados pela casualidade ou pela necessidade, então permanece muda com relação a nós: não diz nada sobre nós e sobre a nossa vida”, afirmou o arcebispo.

Segundo esta ideologia, ser homem ou mulher não é uma palavra que nos precede, mas um desejo nosso. “Se a nossa estrutura sexuada não é uma mensagem que nos diz como viver como pessoas humanas, então a genitalidade é algo exclusivamente técnico”, disse o prelado italiano.

Ao eliminar a identidade sexual, a capacidade de dar-nos um código de vida, a genitalidade se reduz a uma pura técnica vivida fora de qualquer identidade, ou seja, fora do próprio ser homem e mulher.

E acrescentou: “Há um imenso trabalho cultural a fazer para educar neste sentido da natureza e da natureza humana; e é desagradável ter de admitir que, dentro da Igreja e entre as próprias comunidades cristãs, às vezes se ignora a importância deste ponto”.

Também interveio na apresentação do relatório a especialista Eugenia Roccella, quem se referiu à necessidade de uma “realfabetização” da sociedade atual.

Estamos perdendo os conceitos que antes dávamos por descontados e sobre os quais está construída a comunidade humana – disse à Aleteia. A evidência originária, o conceito de pessoa, os conceitos mais simples sobre os quais há uma sabedoria popular, como mãe, como pai.”

Existe a ideia de que o filho é um direito e começa a existir também a ideia de que pode ser um objeto que se compra”, denunciou, antes de criticar o comércio de óvulos.

Aprofundando neste ponto, referiu-se à questão antropológica, destacando que ela “nasce da consciência de ser criatura”, e criticando a teoria de gênero, que defende a manipulação do corpo humano, que é, como recordou ela, “o lugar da pessoa”.

Tags:
dignidade
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
VENEZUELA
Ramón Antonio Pérez
Quando a vida surge do abuso atroz a uma jovem deficiente
2
Pe. Zezinho
Reportagem local
Pe. Zezinho faz alerta sobre orações de cura e libertação
3
COMMUNION
Philip Kosloski
Oração ao seu anjo da guarda antes de receber a comunhão
4
Carlo Acutis
Gelsomino Del Guercio
“Ele fechou os olhos sorrindo”: foi assim que Carlo Acutis morreu
5
Aleteia Brasil
O segredo da cidade bósnia onde jamais houve um divórcio
6
AVENIDO BROTHERS
Agnès Pinard Legry
Três irmãos são ordenados padres no mesmo dia
7
morning
Philip Kosloski
Uma oração da manhã fácil de memorizar
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia