Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sábado 31 Outubro |
Beato Domingos Collins
home iconAtualidade
line break icon

Caso Woolwich: assassinos criados em nossos berços

Marcelo López Cambronero - publicado em 27/05/13

Abram os olhos: o fundamentalismo islâmico contemporâneo é um fenômeno ocidental

Até agora, pensávamos que o perigo do fundamentalismo islâmico provinha dos íngremes vales do Rif, ou das distantes e inóspitas regiões em torno de Timbuktu, ou da Arábia acanelada, melosa e seca.

Espero que já tenhamos percebido, você e eu, querido leitor, que nenhum pastor de cabras da Arábia recebe em sua aldeia de casas de barro os cursos que capacitam para a pilotagem de um Boeing 747 que deve colidir, com toda precisão, com as Torres Gêmeas de Nova Iorque. Porque o fundamentalismo islâmico contemporâneo é um fenômeno ocidental.

Michael Adebolajo apareceu na primeira página de todos os jornais porque se aproximou de uma câmera de televisão mostrando suas mãos ensanguentadas e, depois de ter assassinado a sangue frio um militar que passava por ali, sem mais, gritou a todos nós, sem vergonha alguma: "Juramos por Alá misericordioso que nunca pararemos de lutar contra vocês! A única razão pela qual fizemos isso foi porque há muçulmanos que morrem todos os dias. A morte deste soldado é um olho por olho, dente por dente".

O que chama a atenção é que Adebolajo havia nascido na Inglaterra, em uma família cristã de origem nigeriana e matriz puritana. Seu criminal companheiro, menos efusivo diante da mídia, mas igualmente apodrecido pela ideologia, estudava na Universidade de Greenwich. 

Não eram islamitas formados na Arábia; não haviam formatado suas mentes em campos de extermínio paquistaneses. Eram dois jovens ocidentais que, até pouco tempo atrás, estavam perfeitamente adaptados à vida em nosso mundo moderno, assim como os estudantes que protagonizaram a matança de Boston.

Como comentei, o fundamentalismo islâmico contemporâneo é um fenômeno ocidental, e não a fantasia de um grupo de dementes reacionários e turbulentos que anseiam por algo como um medievo global e muçulmano.

Os fundamentalistas não pretendem a volta a um momento histórico passado, mas a construção de uma sociedade diferente, segundo um panorama ideológico monolítico que se parece com a religião que afirmam (e até acreditam) professar.

Não é que sejam maus crentes (isso somos mais ou menos todos nós); o que acontece é que aquilo em que creem não é em Deus (ainda que o chamem de Alá), mas apenas em seus próprios atos violentos simplistas e escandalosos. O que poderia explicar, do contrário, que uma pessoa fale de "Alá misericordioso" para justificar-se, a poucos metros do cadáver degolado da sua vítima?

No entanto, seria de uma ingenuidade culpável considerar simplesmente como idiotas radicais aqueles que se deixam cair nos braços do fundamentalismo islâmico.

Osama Bin Laden pode ter sido tudo o que você quiser, mas não era bobo. Existe alguma coisa, e possivelmente algo de verdade, no discurso dos radicais, para que consiga atrair pessoas de diferentes nacionalidades, crenças e paradigmas culturais às suas posições extremistas.

Não podemos nos esquecer que, em menos de dez anos, segundo os profetas estatísticos, o número de convertidos ao Islã no Reino Unido será maior que o dos que nasceram em uma família muçulmana; e que, entre os que se convertem à religião do Profeta, há 400% a mais de mulheres que homens. Como isso é possível?

Talvez a resposta possa estar nestas palavras de uma entrevista no London Times: "Não há nenhuma mulher muçulmana que esteja sozinha, nem uma só mãe que se sinta abandonada, e você também não encontrará uma mulher muçulmana doente mental que se sinta sozinha. Esta forma de comunidade não é comum dentro do Ocidente".

E é verdade. No Ocidente, o comum é que as pessoas se sintam sozinhas, tanto no sentido de não perceber uma companhia verdadeira como no de não conceber um significado convincente sobre a vida.

  • 1
  • 2
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
IdeologiaMuçulmanosPerseguiçãoTerrorismo
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Brasileira Simone Barreto Silva é vítima de ataque terrorista na catedral de Nice
Reportagem local
Brasileira é vítima no ataque terrorista na c...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Reportagem local
França: atentado na basílica de Notre Dame em...
Pe. Robson de Oliveira
Francisco Vêneto
Defesa desmente Fantástico, da TV Globo, em n...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
Reportagem local
Corpo incorrupto de Santa Bernadette: o que o...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia