Aleteia
Segunda-feira 26 Outubro |
São Fulco
Estilo de vida

Se a família é tão valorizada, por que os idosos são isolados?

Juan Carlos Valderrama - publicado em 28/05/13

Não é somente um triste espetáculo ver os idosos sem lar, mas também observar os lares sem idosos

A família tem obtido as posições mais altas nas pesquisas sobre valorização social das nossas instituições. No recente estudo "Família, recurso da sociedade", patrocinado pelo Conselho Pontifício para a Família e pela Conferência Episcopal Espanhola, a nota média obtida pela família (8,2) foi muito superior à de outras instituições.


O interessante foi observar que, ao mesmo tempo em que se dá esta considerável estima subjetiva da família, socialmente algumas das suas funções tentem a ficar comprometidas.


A mesma pesquisa mostrou um dado revelador, a este respeito: enquanto 80% dos entrevistados deu quase a nota máxima à família, apenas 59% a declarou como uma instituição socialmente importante. Então, a família é considerada como um valor privado, fundamentalmente afetivo, de caráter pessoal: uma instituição valorizada, mas sem repercussão social.


Um dos indicadores que permitem calibrar esta repercussão social é sua capacidade de articular o tempo: em que medida integra eficazmente as gerações. Em geral, pais e avós são um recurso básico (às vezes único) para o desenvolvimento dos filhos, oferecendo, inclusive, um lar ao qual voltar se o trabalho ou o casamento falharem. Mas, e o contrário? A segurança dos filhos que recorrem aos pais é equivalente à que estes podem depositar nos filhos?


Parece que não. Nos últimos 10 anos, aumentou consideravelmente o número de pessoas residentes em estabelecimentos coletivos, que, no caso dos idosos de 60 a 100 anos, representa mais de 60% do total, no caso da Espanha (mais de 270 mil pessoas, em 2011).


Se, a este número, acrescentamos os quase 20% dos idosos que, por livre decisão ou simples necessidade, moral atualmente sozinhos entre nós, a magnitude da população da terceira idade que passa o último período da sua vida na periferia dos seus núcleos familiares acaba sendo desconcertante.


As previsões a médio e longo prazo apontam para uma tendência em alta em ambas as situações. Queda na natalidade, mobilidade geográfica, aumento das famílias monoparentais e dos índices de divórcio, junto ao aumento da expectativa de vida e a clamorosa ausência de políticas públicas de apoio, que permitam que as famílias cumpram suas funções sem excessivo custo material e moral para os seus membros: estes são fatores de risco para as famílias.


Estamos caminhando em uma direção que não só trará novos problemas para as futuras gerações de idosos (que seremos nós), mas também para as gerações de jovens, que se verão privadas de um recurso sem o qual não pode haver um verdadeiro desenvolvimento humano.


Esta espécie de padrão nórdico que se estende rapidamente sobre a estrutura familiar dos países também mediterrâneos constitui um desafio sobre o qual parece oportuno refletir.


Não é somente um triste espetáculo ver os idosos sem lar, mas também observar os lares sem idosos. Às vezes fisicamente dentro, participando plenamente da vida familiar, dando e recebendo, ao mesmo tempo. Mas, em outros casos não: muitos precisam de atenção especial e é justo proporcionar tais cuidados sem que isso signifique uma renúncia à sua inclusão na comunidade doméstica.


Aqui, como em tudo, deve prevalecer o princípio da subsidiariedade, que nos permita usufruir do apoio de outras instituições para o melhor cumprimento possível da nossa responsabilidade.


Quanta verdade descobrimos ainda naquelas palavras do Eclesiástico, que nos exortam a este profundo e enriquecedor senso de piedade: "Meu filho, ajuda a velhice de teu pai, não o desgostes durante a sua vida. Se seu espírito desfalecer, sê indulgente, não o desprezes porque te sentes forte, pois tua caridade para com teu pai não será esquecida, e, por teres suportado os defeitos de tua mãe, ser-te-á dada uma recompensa" (Eclo 3, 12-14)!


— —

Para aprofundar:


– Exortação apostólica Familiaris Consortio (22.11.1981)

Discurso aos Consultores Familiares de inspiração cristã (28.03.1987)

– Encíclica Evangelium vitae (25.03.1995)

– Discurso “Con piacere” (31.10.1998)

– Carta “Settant’anni”, aos idosos (1.10.1999)

– Carta “Sono lieto” (3.04.2002)

– Discurso “C’est avec joie” (11.04.2002)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
FamíliaIdososSociedade
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Papa Francisco
Francisco Vêneto
Papa Francisco e casais homossexuais: o que e...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
SAINT MICHAEL
Philip Kosloski
Oração a São Miguel por proteção contra inimi...
Rosário
Philip Kosloski
Benefícios do Rosário: 3 virtudes que aprende...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia