Aleteia
Sexta-feira 23 Outubro |
São Paulo Tong Viet Buong
Atualidade

Células-tronco embrionárias: a cura que nunca chegou

Michael Cook - publicado em 05/06/13

Inimigos da pesquisa com embriões foram acusados de ser insensíveis e indiferentes ao sofrimento humano, mas eles tinham razão

Vamos voltar um pouco no tempo: 2003. Em janeiro daquele ano, o ator tetraplégico Christopher Reeve, em sua cadeira de rodas, visitou a Austrália para promover a legalização da "clonagem terapêutica". Segundo ele, isso era absolutamente necessário, para que muitos pacientes não morressem desnecessariamente. O ceticismo sobre o potencial das células-tronco embrionárias seria totalmente injustificado. "Isso é um mito", disse ele à sua audiência australiana. "Isso não é verdade. Não deixe ninguém lhe dizer que é um sonho fantástico."


Em julho daquele ano, o New England Journal of Medicine, importante revista médica internacional, publicou um artigo sobre a "promessa de cura universal" com células-tronco embrionárias.


Em resumo, as pessoas estavam animadas. Tão animadas, na verdade, que, em 2005, a Austrália aprovou uma lei permitindo a "clonagem terapêutica" para fins de pesquisa.


É difícil recapturar a intensidade desse debate, na Austrália e em outros lugares. A causa era urgente. "Perdemos muito tempo já, e eu realmente não posso suportar perder mais", disse a ex-primeira-dama Nancy Reagan. Os cientistas tornaram-se ativistas políticos. Eles pressionaram os políticos e insistiram em que a clonagem terapêutica levaria à cura do Parkinson, Alzheimer e diabetes.


Dissidentes sustentaram que as células-tronco adultas já ofereciam caminhos éticos para a cura e que as células-tronco embrionárias nunca funcionariam. Afirmavam que embriões são seres humanos e que era loucura moral tratar a vida humana como um instrumento de pesquisa. As mulheres seriam vítimas, também, já que a clonagem terapêutica exigiria enormes estoques de óvulos.


As apostas eram imensas e os dissidentes perderam. A ética teve de ficar em segundo plano com relação à ciência. A bioeticista Ruth Faden e o especialista em células-tronco, John Gearhart, ambos líderes em seu campo, foram a voz de muitos: "Acreditamos que a obrigação de aliviar o sofrimento humano nos une e justifica o uso instrumental da vida embrionária".


Mas a cura nunca chegou.


Nos últimos dez anos, o evento mais memorável no campo das pesquisas com células-tronco embrionárias foi um recorde mundial para a fraude científica. Em 2004 e 2005, Science publicou dois artigos de Hwang Woo-suk, um cientista sul-coreano. Ele alegou que tinha isolado com sucesso células-tronco embrionárias humanas. A Coreia imprimiu selos em sua homenagem e ele foi aclamado como uma celebridade internacional. Mas era um charlatão, havia obtido óvulos de forma antiética e seus resultados eram falsos.


Comunicados de imprensa continuaram jorrando de institutos de células-tronco, mas eram sempre sobre os desenvolvimentos promissores, ao invés de curas comprovadas. Em 2011, depois de muitos falsos começos, a empresa de biotecnologia Geron, com sede na Califórnia, desistiu de sua pesquisa com células-tronco embrionárias para se concentrar em medicamentos contra o câncer. Era necessário: ela estava indo à falência.


A razão pela qual a pesquisa com células-tronco de embriões desapareceu das manchetes dos jornais é porque que ela foi substituída por "células-tronco pluripotentes induzidas". Em 2007, o pesquisador japonês Shinya Yamanaka mostrou que era possível criar linhas de células estaminais a partir de células da pele sem destruir embriões. Quase imediatamente, os principais cientistas de células-tronco abandonaram a pesquisa com células-tronco embrionárias. Yamanaka – um homem que tinha rejeitado a pesquisa com células-tronco embrionárias como antiética – ganhou o Prêmio Nobel de Medicina no ano passado.


Por várias razões, alguns cientistas continuam defendendo a causa das células-tronco embrionárias. No início deste mês, pesquisadores da Oregon Health and Science University anunciaram que tinham clonado embriões humanos e extraído com sucesso células-tronco embrionárias. O estudo foi publicado na revista Cell. Foi "uma conquista sem precedentes", disse George Daly, do Harvard Stem Cell Institute.


Mas sua alegria durou pouco.


O principal efeito deste trabalho foi a evocar o pesadelo do escândalo Hwang. Leitores de olhos aguçados notaram que algumas imagens foram duplicadas. As nuvens começaram a se formar sobre os resultados. "É um grau de desleixo que não se esperaria de um jornal com este perfil", disse um especialista à Nature.


Para obter o financiamento do governo e poder brincar de Deus com embriões humanos, cientistas e bioeticistas mentiram, exageraram, foram sensacionalistas e caricatos. Foi uma batalha brutal, na qual a verdade ficou em segundo lugar. "As pessoas precisam de um conto de fadas", disse Ronald D.G. McKay, outro importante cientista de células-tronco.


Inimigos da pesquisa com embriões foram chamados de trogloditas e fundamentalistas religiosos. Suas credenciais científicas foram questionadas. Eles foram acusados ​​de ser insensíveis e indiferentes ao sofrimento de pacientes com doenças crônicas.


No entanto, eles estavam certos.

Nenhuma pessoa foi curada com células-tronco embrionárias. Nem uma. Há ainda um longo caminho a percorrer antes que as células de Yamanaka possam ser usadas para tratar os pacientes. Mas a solução, quando vier, não exigirá a destruição de embriões.


Não há ninguém preparado para pedir desculpas?

(Originalmente publicado por MercatorNet, em 31 de maio de 2013)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
nuvens sinais
Reportagem local
Estão sendo fotografados "sinais do céu"?
Extremistas queimam igrejas no Chile
Francisco Vêneto
Por que queimam igrejas: Dom Henrique e Pe. J...
Rosário
Philip Kosloski
Benefícios do Rosário: 3 virtudes que aprende...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia