Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Cadastre-se e receba Aleteia diretamente em seu email. É de graça.
Receber

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Papa Francisco: Deus escuta quem clama diante do sofrimento

© Alberto PIZZOLI / AFP
Peregrinos com deficiências são acolhidos carinhosamente pelo Papa na Praça São Pedro
Compartilhar

“Há muitas pessoas que vivem quase ao limite: crianças desnutridas, prófugos, doentes terminais”, afirmou o Papa, pedindo oração sincera

Suplicar a Deus diante dos próprios sofrimentos não é pecado, mas uma oração que chega ao coração do Senhor. Foi o que afirmou o Papa Francisco na manhã desta quarta-feira na missa na Casa Santa Marta.

 

A história de Tobias e Sara, recolhida da primeira leitura do dia, foi o centro da homilia do Papa: duas pessoas justas que vivem situações dramáticas.

 

“São pessoas em situações limite, situações precisamente no subsolo da existência, e buscam uma saída. Lamentam-se, mas não blasfemam”, afirmou o Papa.

 

Segundo Francisco, “lamentar-se perante Deus não é pecado. Um sacerdote que conheço uma vez disse a uma mulher que se lamentava ante Deus por suas calamidades: ‘senhora, essa é uma forma de oração. Siga em frente’. O Senhor escuta nossos lamentos”.

 

Há muitas pessoas que vivem quase ao limite, afirmou o Papa: crianças desnutridas, prófugos, doentes terminais. Nesses casos, há que se fazer como disse Jesus, rezar.

 

“Rezar por eles. Eles devem entrar em meu coração, devem ser uma inquietude para mim: meu irmão sofre, minha irmã sofre. Este é o mistério da comunhão dos Santos; rezar ao Senhor: ‘mas, Senhor, olhe para esta pessoa: chora, sofre’. Rezar, permita-me que o diga, com a carne: que nossa carne reze. Não com as ideias. Rezar com o coração”. 

 

As orações de Tobias e Sara, que, ainda que pediam a morte, dirigem-se ao Senhor, dão-nos esperança – explicou o Papa – porque são acolhidas por Deus a sua maneira, que não os deixa morrer, mas cura Tobias e dá finalmente um marido a Sara.

 

“A oração – afirmou o Papa – sempre chega à glória de Deus, sempre, quando é oração que parte do coração”. Francisco convidou a rezar pelos que vivem situações dramáticas, sofrem muito e, como Jesus na cruz, gritam: “Pai, Pai, por que me abandonaste? Rezemos para que nossa oração chegue e seja um pouco de esperança para todos nós”.

Boletim
Receba Aleteia todo dia