Aleteia
Sexta-feira 23 Outubro |
São Paulo Tong Viet Buong
Estilo de vida

"E sem gênero Ele os criou"

Dale O’Leary - publicado em 06/06/13

Em nome da igualdade, as mulheres devem anular sua fertilidade com a contracepção e o aborto. Mas será que elas querem mesmo fazer isso?

Quando o Papa Bento XVI nos advertiu sobre o perigo da "teoria de gênero", em dezembro de 2012, a maioria das pessoas não tinha conhecimento das implicações de tal teoria, dos perigos que apresenta e das patologias sociais que ela gera. Parte da confusão está no fato de que existem várias teorias diferentes de gênero, cada uma das quais baseando-se em uma falsa compreensão da verdade sobre a pessoa humana e em uma separação entre linguagem e realidade. As várias teorias promovem, entre outras coisas:

• Distinção de gênero como um papel socialmente construído, separado do sexo biológico;
• A integração da perspectiva de gênero;
• Expansão dos direitos humanos para incluir os direitos sexuais e reprodutivos;
• Eliminação do transtorno de identidade de gênero da lista de distúrbios psicológicos;
• Adição de orientação sexual, identidade e expressão de gênero nas leis anti-discriminação;
• Apoio à demanda da cirurgia de ‘mudança de sexo’;
• A afirmação da "queer" como um gênero.

As teorias de gênero não são logicamente consistentes e estão mudando continuamente, tornando-se difíceis para aqueles que tentam criticá-las. Isso não deveria surpreender: os que defendem as várias teorias de gênero rejeitam a evidência enorme das diferenças sexuais reais. Enquanto a realidade se mantém estável, a teoria de gênero, alienada da realidade, está continuamente se transformando em formas cada vez mais bizarras. Seus adeptos estão fazendo exigências cada vez mais radicais.

Aqueles que defendem essas teorias apelam para a nossa compaixão. Embora devamos resistir às suas ideias, devemos lembrar que seus criadores são homens e mulheres que foram alienados de suas próprias naturezas, criando teorias para racionalizar seu comportamento e seus desejos.

Também é importante notar que os promotores das várias teorias de gênero afirmam ter ciência da realidade e com frequência se referem a estudos publicados sobre o tema. No entanto, uma análise cuidadosa desses estudos revela que muitos deles não atendem os padrões exigidos para uma pesquisa estatisticamente válida e projetável. Seus autores muitas vezes usam amostras pequenas, não representativas, não conseguem fazer as perguntas certas, e às vezes ignoram suas próprias conclusões.

Infelizmente, a mídia e certas organizações profissionais continuam promovendo este material, ignorando grandes estudos, bem elaborados, que refutam as alegações da teoria de gênero. Considere, por exemplo, dois artigos publicados em Social Science Research – um de Mark Regnerus ("How different are the adult children of parents who have same-sex relationships?") e o outro de Loren Marks ("Same-sex parenting and children’s outcomes: A closer examination of the American Psychological Association’s brief on lesbian and gay parenting").

As feministas radicais combinaram seu conceito de identidade de gênero como socialmente construído com a ideia marxista de que toda a história é a história da luta de classes. De acordo com sua teoria de gênero, a primeira luta de classes acontece entre homens e mulheres, e as mulheres são a primeira classe oprimida. Além disso, elas afirmam que todas as diferenças sociais entre homens e mulheres não são naturais, mas criadas por homens para oprimir as mulheres. De acordo com esta teoria de gênero, o melhor jeito de eliminar a opressão das mulheres seria eliminar todas as diferenças sociais entre homens e mulheres.

Isto seria conseguido por meio da integração da perspectiva de gênero, a partir da qual qualquer reconhecimento social das diferenças entre homens e mulheres seria rotulado como um estereótipo e erradicado. Seria exigido que homens e mulheres participassem de todas as atividades da sociedade em números estatisticamente iguais e recebessem estatisticamente igual poder e recompensas. Qualquer desvio da

  • 1
  • 2
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
homossexuaisIdeologia de Gênero
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
nuvens sinais
Reportagem local
Estão sendo fotografados "sinais do céu"?
Extremistas queimam igrejas no Chile
Francisco Vêneto
Por que queimam igrejas: Dom Henrique e Pe. J...
Rosário
Philip Kosloski
Benefícios do Rosário: 3 virtudes que aprende...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia