Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Newsletter Aleteia: uma seleção de conteúdos para uma vida plena e com valor. Cadastre-se e receba nosso boletim direto em seu email.
Registrar

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Papa: todos temos ídolos escondidos que nos impedem de amar a Deus

Jeffrey Bruno
Compartilhar

A idolatria é sutil; o caminho para não estar distante do Reino de Deus implica descobrir os ídolos escondidos, afirmou Francisco em homilia hoje

Cada um de nós vive de pequenas e grandes idolatrias, mas o caminho que leva a Deus passa por um amor exclusivo a Ele, como nos ensinou Jesus. Esse foi o teor da homilia do Papa Francisco na missa desta quinta-feira na Casa Santa Marta.

 

“Não basta dizer: Mas eu creio em Deus, Deus é o único Deus. Isto está muito bem, mas como é que tu vives isto na caminho da tua vida? Porque não podemos dizer: O Senhor é o nosso Único Deus e depois viver como se Ele não fosse o único Deus tendo assim outras divindades à nossa disposição… Há o perigo da idolatria: a idolatria que nos chega com o espírito do mundo. E Jesus nisto era claro: o espírito do mundo não. E pede ao Pai para que nos defenda do espírito do mundo, Jesus, na Última Ceia, porque o espírito do mundo leva-nos à idolatria."

 

“A idolatria – prosseguiu o Papa – é sutil”. Todos nós “temos nossos ídolos escondidos” e “o caminho da vida para chegar, para não estar distante do Reino de Deus, implica descobrir os ídolos escondidos”. 

 

Trata-se de um comportamento que pode ser encontrado na Bíblia, como no episódio em que Raquel, mulher de Jacó, finge não ter consigo os ídolos que estavam escondidos.

 

O Papa afirmou que todos nós devemos buscar nossos ídolos escondidos e destruí-los. Pois, para seguir a Deus, o único caminho é o do “amor fundado na fidelidade”. 

 

“A fidelidade nos pede que expulsemos os ídolos, que os descubramos: estão escondidos em nossa personalidade, em nosso modo de viver. Mas esses ídolos escondidos fazem que nós não sejamos fiéis no amor”, disse Francisco.

 

Segundo o Papa, o caminho para avançar rumo ao Reino de Deus é da fidelidade que se parece com o amor nupcial. Para isso é preciso confiar em Cristo, que é “fidelidade plena” e que “nos ama tanto”.

 

“Podemos pedir hoje a Jesus: Senhor, tu que és tão bom, ensina-me este caminho para estar, a cada dia, mais próximo do Reino de Deus, este caminho para nos despojarmos dos ídolos.” É difícil, mas devemos começar, insistiu o Papa.

 

Com Rádio Vaticano

Boletim
Receba Aleteia todo dia