Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Receba diretamente no seu email os artigos da Aleteia.
Cadastrar-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

O Papa Francisco tem um interesse especial pelo demônio?

DR
Compartilhar

Em sua 1ª Missa como Papa, falou da tentação da Igreja de rezar ao demônio e, em Pentecostes, orou para livrar um peregrino mexicano do mal. Por quê?

Em sua primeira Missa como Papa, na tarde de 14 de março, Francisco afirmou que "quem não reza ao Senhor, reza ao diabo", porque, "quando não se confessa Jesus Cristo, confessa-se a mundanidade do demônio".
 
Assim, ele abordou o tema de uma tentação muito atual para a Igreja: a de afastar-se de Cristo crucificado e tornar-se mundano. E fez isso falando do demônio, com a mesma naturalidade com que impôs as mãos a um peregrino mexicano em 19 de maio e orou para que ele fosse liberto do mal – gesto que deu a volta ao mundo.
 
Para o teólogo Joan Antoni Mateo, professor do Instituto de Teologia Espiritual de Barcelona e do Instituto São Tomás, e membro da Sociedade Mariológica Espanhola, a ação diabólica continua presente no mundo e não é de se estranhar que aumente, "pois, quando a fé no Deus verdadeiro diminui, o homem fica abandonado a si mesmo e a muitas manifestações do mal, sem excluir o próprio Maligno diretamente".
 
Para manter o Maligno afastado, Mateo aconselha, na entrevista a seguir, a escuta da Palavra de Deus, a oração, os sacramentos e a prática da caridade.
 
O Papa Francisco tem um interesse especial pelo demônio?
 
O Papa, como seus predecessores, é consciente da existência do demônio e, como o primeiro Papa, Pedro, ele nos adverte sobre suas intenções e nos convida a resistir e ele, "fortes na fé". O demônio quer nos fazer perder a fé, confundir nossa mente na percepção do bem e do mal, e afundar-nos no desânimo. São tentações muito atuais, na difícil situação que estamos vivendo.
 
Por isso, Francisco, sem ficar obcecado pelo tema, mas sem ocultá-lo, fala com naturalidade do diabo, sempre partindo da fé que nos faz saber que Cristo o venceu e que nós, unidos a Jesus na fé e na caridade, também o derrotaremos.
 
Por que a oração sobre o jovem mexicano gerou tantos comentários? Como você interpreta este gesto?
 
Parece que o Papa não fez nenhum exorcismo com essa pessoa, no sentido estrito, mas, se interpretarmos seu gesto corretamente, o Papa quis orar a Deus para que o jovem fosse liberto do mal e isso, de maneira ampla, tem um sentido claramente exorcístico, pois também podemos chamar de "exorcismo" qualquer forma cristã de combater o mal em suas diferentes facetas.
 
As possessões diabólicas aumentaram nos últimos anos?
 
Os especialistas dizem que, em certos lugares do mundo, percebe-se uma crescente ação diabólica. Isso não me estranha, pois, quando a fé no Deus verdadeiro diminui, o homem fica abandonado a si mesmo e a muitas manifestações do mal, sem excluir o próprio Maligno diretamente. Não podemos nos esquecer que Jesus nos ensinou a pedir ao Pai: "Livrai-nos do mal".
 
A designação do ministério de exorcista a vários sacerdotes, por parte de muitos bispos, parece confirmar esta impressão.
 
Cada diocese deveria ter um sacerdote devidamente preparado para este delicado ministério, ainda que não seja preciso – e às vezes nem conveniente – que se divulgue o nome do exorcista.
 
Como podemos manter o demônio longe?
 
Com uma fé viva, que se alimenta da escuta atenta e constante da Palavra de Deus, com a oração e os sacramentos, especialmente a Eucaristia e a Penitência, e com uma prática generosa da caridade.
Boletim
Receba Aleteia todo dia