Aleteia logoAleteia logoAleteia
Segunda-feira 22 Abril |
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Como saber se estou viciado nas redes sociais?

icm0742x2ed3cieifcwez235aftjurh91o66slvritlqlx8byapnyygmipvl6874r7codxuj3mtpr_pzuvqt-p-wzu_d.jpg

David Medrano - publicado em 11/06/13

Gustavo Entrala, criador de @pontifex, discute alguns sintomas e propõe atitudes para aqueles que se sentem inquietos quando estão longe do Facebook

As redes sociais viciam, mas não apenas os adolescentes. Cada vez mais adultos estão viciados nas novas tecnologias. “Eu já fui viciado nas redes sociais”, confessa Gustavo Entrala, o criador de @pontifex. No entanto, “consegui vencer o vício”.

Gustavo Entrala indica alguns sintomas da compulsão pelo Facebook, Twitter, YouTube e outros canais: por exemplo, sentir angústia quando está sem conexão ou não pode acessar a internet e deixar de trabalhar ou estudar para checar ou responder mensagens.

A vida de Entrala girava em torno das redes sociais. O publicitário reconhece que não conseguia se concentrar no trabalho. A todo momento estava atento às mensagens do Facebook, por exemplo, onde tinha seis mil amigos. “Sentia um desgaste mental e um grande caos nas minhas ideias”, além da sensação de “não me desligar ou parar um minuto”, afirma.

Mas como sair dessa dependência? Ele dá dicas especialmente aos adultos. As atitudes de Entrala foram limitar o número de acessos às redes sociais por dia, limitar o uso da internet pelo telefone celular e não ficar no Facebook e outras redes sociais depois das 21h.

Os frutos foram positivos. Em pouco tempo, “recuperei uma sensação de paz mental incrível”. Desde então ele consegue jantar com tranquilidade com a sua família. “Agora nós conversamos mais do que antes e nos olhamos mais nos olhos”, diz. Ele também costuma fazer uma brincadeira com os casais de amigos, quando eles saem para jantar: “o primeiro que checar o celular paga a conta”.

Tags:
ComunicaçãoInternetRedes sociais
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia