Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Newsletter Aleteia: uma seleção de conteúdos para uma vida plena e com valor. Cadastre-se e receba nosso boletim direto em seu email.
Registrar

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Papa Francisco: nunca falar mal dos outros

radiovaticana
Compartilhar

Não é preciso ir ao psicólogo para saber que, quando alguém denigre o outro, é porque ele mesmo não pode crescer e precisa humilhar o outro para se sentir alguém

Que o Senhor nos conceda a graça de ter cuidado com os comentários que fazemos dos outros: foi o que o Papa Francisco pediu na missa desta manhã na Casa Santa Marta.

 

“Que a justiça de vocês seja superior à dos fariseus”. O Papa partiu desta exortação que vem depois das Bem-Aventuranças e da citação de Jesus de que não veio para abolir a lei, mas para aperfeiçoá-la. “É uma reforma sem ruptura, uma reforma na continuidade: da semente se chega aos frutos”. 

 

Quem “entra na vida cristã”, afirmou Francisco, “tem exigências maiores que os outros, não vantagens superiores”. 

 

Jesus menciona algumas dessas exigências e fala em particular do “tema da relação negativa com os irmãos”. Quem maldiz, afirma Jesus, “merece o inferno”. Se no coração há “algo negativo” contra o irmão, isso deve mudar. A raiva é um “insulto contra o irmão”. O Papa advertiu contra as formas de denegrir os outros.

 

“Não é preciso ir ao psicólogo para saber que, quando alguém denigre o outro, é porque ele mesmo não pode crescer e precisa humilhar o outro para se sentir alguém”, afirmou Francisco. “Isso é feio”, destacou.

 

Segundo o Papa, se não seguirmos “pelo caminho da fraternidade, todos terminaremos mal: quem insulta e quem é insultado”.

 

Francisco observou quem não é capaz de dominar a língua acaba se perdendo. Além disso, “a agressividade natural do homem, como aquela de Caim contra Abel, se repete na história”, por isso parece ‘mais simples’ “terminar uma situação com um insulto, uma calúnia, uma difamação, ao invés de alcançar algo bom”.

 

“Gostaria de pedir ao Senhor que nos conceda a graça a todos de prestar mais atenção sobre as críticas que fazemos os outros. É uma pequena penitência que dá bons frutos. Peçamos ao Senhor a graça de adequar a nossa vida à lei da mansidão, do amor e da paz.”

 

Com Rádio Vaticano 

 
Boletim
Receba Aleteia todo dia