Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sábado 31 Outubro |
Beato Domingos Collins
home iconEstilo de vida
line break icon

Obama e a política da "igualdade"

Russell Shaw - publicado em 26/06/13

A "igualdade" parece ser um código para prestar favores aos seus eleitores

Como todo mundo certamente sabe, "igualdade" é a chave ideológica das políticas internas do presidente Obama. Que todas as pessoas sejam iguais, diz o presidente, é a "mais evidente das verdades". Não importa se isso é verdade ou não, pois, se você expressar qualquer reserva sobre a igualdade nos dias de hoje, certamente correrá riscos pessoais.

Seja como for, o significado de igualdade está irremediavelmente obscuro pela ausência de especificidades. Seu esclarecimento exige a resposta a uma pergunta anterior: iguais em relação a quê? Peso? Altura? Inteligência? Isso não parece ser o que o presidente tem em mente.

Pelo contrário, quando Obama fala de igualdade, ele parece estar falando sobre favores a determinados indivíduos e grupos que gostam dele e de sua administração; feministas e gays vêm imediatamente à mente como principais membros deste grupo privilegiado.

Assim, temos as políticas de administração, como mulheres em combate e o casamento entre pessoas do mesmo sexo, em que o inconveniente fato das diferenças significativas é deixado de lado, enquanto as pessoas que levantam objeções racionais com base no interesse público são etiquetadas como inimigas da igualdade e, muito provavelmente, irracionais.

Nos exemplos citados, os tipos de igualdade envolvidos atendem pelo nome de "igualdade de gênero". Aqui, é claro, devem ser feitas algumas distinções. Normalmente, isso não ocorre.

Mulheres, homossexuais e homens heterossexuais são realmente iguais em relação a algumas coisas. Mas em tudo? No começo de qualquer lista séria de verdades evidentes está a verdade da complementaridade sexual, e suas reivindicações também devem ser atendidas.

Classificar os requisitos concorrentes de igualdade e complementaridade é uma tarefa política que exige o exercício de virtudes como justiça, solidariedade e, especialmente, prudência. Infelizmente, isso é algo que a fé ideológica unidimensional na igualdade não se dará ao trabalho de fazer.

Nos tempos modernos, eventos públicos dolorosos têm mostrado repetidamente que a ideologia política pode ser algo muito perigoso. Ideólogos, sejam eles fundamentalistas islâmicos ou velhos marxistas, comumente nutrem visões de uma espécie de paraíso na terra e, se forem suficientemente fanáticos, farão coisas profundamente perturbadoras, a fim de tornar a sua visão real. Barack Obama não é nenhum fanático, mas é um ideólogo da igualdade com um viés fortemente secular e preocupante.

O Mandato HHS, dos contraceptivos, é um caso que merece ser mencionado. É a proposta de regulamento que emana do Departamento de Saúde e Serviços Humanos, em implementação do Obamacare, que originalmente teria exigido (e de fato pode fazê-lo até o momento) que um grande número de planos de saúde de instituições vinculadas à Igreja proporcionem aos seus clientes a cobertura para a compra de anticoncepcionais, abortivos e realização de cirurgias de esterilização.

Perdoem uma digressão, mas observem estas palavras: contraceptivos, medicamentos abortivos e esterilização. O truque frequentemente utilizado pelos defensores do mandato é mencionar apenas "contracepção", silenciando os abortivos e as esterilizações.

Em todo caso, a secretário do HHS, Kathleen Sebelius, disse a uma plateia de Harvard no início deste mês que, a partir de 1º de agosto, "todos os funcionários que não trabalham diretamente para uma igreja ou uma diocese serão incluídos". Isso continua sendo visto.

Mas, como estão as coisas, e deixando de lado aspectos técnicos, os empregadores religiosos estão se tornando peças de uma grande máquina de fornecimento de cobertura universal para a contracepção (e outras coisas), em nome da igualdade.

Se isso acontecer, certamente em breve incluirão o aborto em qualquer fase da gravidez dentro do pacote. Afinal, a ideologia da igualdade exige isso.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
Ideologia
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Brasileira Simone Barreto Silva é vítima de ataque terrorista na catedral de Nice
Reportagem local
Brasileira é vítima no ataque terrorista na c...
Reportagem local
França: atentado na basílica de Notre Dame em...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Pe. Robson de Oliveira
Francisco Vêneto
Defesa desmente Fantástico, da TV Globo, em n...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
Reportagem local
Corpo incorrupto de Santa Bernadette: o que o...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia