Aleteia logoAleteia logoAleteia
Segunda-feira 22 Abril |
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Ciência e fé, ambas racionalizáveis

ygitwq8zucz0fprboxf1zkh_efo1_n-apmgh-wcagyltpuykdm5yut7rl10pewkwhdbgkweccliwmkv7pxsu4d2ex60.jpg

Alvaro Real - publicado em 17/07/13

O limite da ciência é a dignidade humana

O diálogo entre ciência e é possível? Elas se complementam? Existem pontos de encontro e desencontro? O sacerdote Luis Gahona Fraga fala sobre este tema no programa "Últimas Perguntas", de RTVE: "É difícil colocar a física e a em relação, porque elas tratam de objetos diferentes – explica. Ambas buscam a verdade, mas por caminhos diversos".

Durante a entrevista, Fraga explicou como as ciências experimentais (nascidas nos séculos XVI e XVII) "têm uma maneira de estudar o mundo de forma especial, que consiste em combinar a experimentação com teorias racionais e matemáticas"; esta combinação, afirma, "funciona muito bem, mas não se pode conhecer Deus assim".

"Conhecemos Deus por meio da filosofia e da , da Revelação", explica o sacerdote, que defende que o aspecto racionalizável desta crença, o que propicia "o ponto de união entre e ciência".

Dentro desta racionabilidade, Fraga explica os pressupostos da inteligibilidade da natureza, questões que o cientista busca entender: de onde vem esta inteligibilidade? Por que podemos encontrar leis no mundo físico?

Para Fraga, "é aí que o cientista se faz a pergunta sobre Deus, e Deus não pode ser demonstrado com as ciências experimentais, mas sim com outra fonte de conhecimento, que é a filosofia".

Segundo esta união de perguntas, a ciência descobriria características deste mundo que remetem a Deus, e mostra que cada ser tem um índice metafísico que é como uma digital que nos fala de Deus.

"Esta digital é descoberta pela ciência; que ela venha de Deus já é fruto de um raciocínio que vai além do método científico", comenta o sacerdote, que é professor do Instituto Teológico San Ildefonso de Toledo (Espanha) e físico pela Universidade de Harvard.

Entraríamos então no que Fraga chama de "inteligência inconsciente". "Chama a atenção que o universo esteja tão bem feito com elementos tão simples, que leva os cientistas a se perguntarem se não haveria uma inteligência inconsciente que explique o que a ciência descobre neste mundo material", afirma.

Fraga destaca que o universo não é só matéria. Superando os preconceitos de uma mentalidade herdada do materialismo do século XIX, o professor de teologia mostra que "a cosmovisão do mundo atual favorece objetivamente o diálogo com a "; e afirma que há temas que vão além da ciência: "o tema da criação, a essência das coisas, a dignidade do ser humano, a alma espiritual, a liberdade".

"A Igreja está aberta ao diálogo com o mundo das ciências – explica – porque é próprio da cristã buscar uma racionalidade na "; e defende o ponto de união entre e ciência dentro da filosofia, que "chega a uma visão de mundo baseada em dados da ciência, mas que ao mesmo tempo é compatível com a existência do Criador".

Na união entre e ciência, há tanto pressupostos intelectuais como éticos, e Fraga defende sua existência.

"O cientista tem um impressionante anseio por saber, mas há certos limites, que ele não deve ultrapassar. Seu limite é a dignidade humana", alerta.

"O segredo está em distinguir que o ser humano tem uma dignidade e que esta dignidade é um limite absoluto. Do contrário, caímos em erros do passado, e a ciência pode levar aos maiores pesadelos da humanidade", concluiu.

Tags:
CiênciaDeus
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia