Aleteia
Terça-feira 27 Outubro |
São Fulco
Estilo de vida

Eutanásia: homem saudável de 62 anos recebe ajuda para morrer

Aleteia Vaticano - publicado em 18/07/13

Na Suíça, os que se dizem filantropos ajudam um homem saudável a se suicidar porque ele se considerava condenado por uma doença inexistente

Mais um trágico acontecimento reavivou o debate sobre a eutanásia, também conhecida como suicídio assistido.


Após receber o suposto diagnóstico de uma doença incurável, um magistrado italiano de 62 anos, Pietro D'Amico, procurador-geral em Catanzaro (Itália) de 1995 até sua demissão, há 3 anos, foi à Suíça no último mês de abril para pedir a morte, sem avisar seus parentes. Mas uma autópsia solicitada depois pela família revelou que o homem estava completamente saudável.


Pietro D’Amico era um homem com saúde. Possivelmente era infeliz, mas estava totalmente sadio: nenhuma doença degenerativa, nenhuma doença incurável, mas talvez um desejo incurável de morrer.


Tal desejo seria suficiente para justificar um ato de eutanásia?


Esta é a pergunta que responde Emanuela Vinai em seu artigo, publicado em 8 de julho pela agência informativa católica SIR e traduzido pela Aleteia:


Para chegar à verdade, foi necessária a tenacidade da sua filha, que não se conformava com uma versão dos fatos que não parecia verdadeira nem confiável.


Quando recebeu a ligação que anunciava a morte do seu pai, Francesca D'Amico descartou imediatamente a hipótese de uma estranha e indefinida "patologia degenerativa invisível aos instrumentos médicos", desconhecida totalmente pela família.


E agora o resultado da autópsia lhe deu a razão, como destacou o advogado da família, para quem "os sofisticados e profundos exames de laboratório dos elementos extraídos do corpo excluíram a existência desta grave e incurável doença, declarada por alguns médicos italianos e confirmada por médicos suíços".


A clínica sustenta que o magistrado chegou á Suíça exibindo dois certificados médicos italianos que provavam seu grave estado de saúde. Uma autocertificação considerada válida por uma estrutura que "ajuda a morrer, não a viver" e que não considerou necessário exigir mais verificações.


Agora o caso passa a ser julgado, para buscar o nexo de causalidade entre o erro de diagnóstico e o que foi definido publicamente como "triste acontecimento".


Aos familiares, além da dor, resta a amarga consciência de que Pietro poderia ter sido salvo. Bastava um exame mais profundo, bastava uma análise, bastava uma ligação à família, realizada antes, não depois.


Podemos ser um pouco polêmicos com as palavras, mas "suicídio assistido" quer dizer que, se alguém se apresenta dizendo que quer morrer, ao invés de estender-lhe a mão, os ouvidos, o coração, a pessoa é ajudada a escolher o meio pelo qual vai sair do mundo.


Todos nós já tivemos a experiência de apoiar um pai, um irmão, um amigo, um primo, um conhecido que passou ou passa por um momento de especial dificuldade ou fragilidade psicológica. Ninguém, no entanto, pensa que a solução do problema consiste em eliminar quem tem o problema.


Vivemos em uma sociedade desanimada, voltada para si mesma, na qual a eutanásia é patrocinada com superficialidade por falsos filantropos que pensam que a única resposta a uma questão de solidão, de sofrimento, de abandono está na promoção de uma viagem sem volta.


Mas não faltam sinais de esperança.


O Papa Francisco, em Lampedusa, falou ao coração e às mentes: "Onde está o seu irmão?". Esta pergunta não pode ficar sem resposta, ou o que é pior: não pode ser respondida exibindo uma forma distorcida de compaixão, que parece mais como uma tentativa de fugir de responsabilidades como a de cuidar realmente do outro.


"Não sei; por acaso sou o guardião do meu irmão?" Sim, nós somos. Não por ser católicos, mas seres humanos. Guardiões não no sentido de ser supervisores, vigias, mas pessoas que velam umas pelas outras, que se reconhecem uma na outra, sobretudo quando o olhar restitui a imagem mais dura de se ver: a de quem pede ajuda.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
EutanásiaSuicídio
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
SAINT MICHAEL
Philip Kosloski
Oração a São Miguel por proteção contra inimi...
São Padre Pio de Pietrelcina
Oração de cura e libertação indicada pelo exo...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia