Aleteia
Terça-feira 27 Outubro |
São Fulco
Atualidade

Declínio na demografia global

Marcus Roberts - publicado em 23/07/13

Longe de ser uma questão de superpopulação, o mundo tem precisamente o problema oposto, com efeitos negativos de longo alcance para a sociedade

O site Yale Global Online publicou recentemente um trecho de Michael S. Teitelbaum e Jay C., autores de um novo livro: The Global Spread of Fertility Decline: Population, Fear, and Uncertainty ("A propagação global do declínio da fecundidade: população, medo e incerteza"). Seu artigo é uma excelente visão geral das grandes tendências demográficas que mencionamos algumas (apenas algumas…) vezes anteriormente, a saber:


"Muitas pessoas ficariam surpresas – até mesmo chocadas – ao saber que, ao longo das últimas três décadas, as taxas de fecundidade caíram em muitas partes do mundo, incluindo China, Japão e até mesmo regiões importantes da Índia. Estes gigantes asiáticos não estavam sozinhos. Em grande parte da Europa, América do Norte, Ásia Oriental e outros lugares, o número médio de crianças nascidas de mulheres em idade fértil caiu para níveis baixos sem precedentes."


Parece que mais e mais pessoas, incluindo os autores do artigo, estão relatando o fato de que a noção popular de futuro, com um desenfreado crescimento da população, está incorreta.


"A alta fecundidade persiste na África Subsaariana e em partes do Oriente Médio, mas em outros lugares, a baixa fecundidade é mais a regra do que a exceção. Estas tendências subjacentes de procriação significam que, num futuro próximo, a taxa de crescimento da população na Europa e na Ásia tendem a cair. O mundo não é um caminho de crescimento demográfico desenfreado, como alguns acreditam.


Pessoas de todo o mundo têm pisado no freio. Trinta anos atrás, apenas uma pequena fração da população mundial vivia em poucos países com taxas de fecundidade substancialmente abaixo do "nível de reposição" – a taxa na qual a fecundidade de um grupo hipotético de mulheres seria exatamente substituída na próxima geração – normalmente definido em 2,1 filhos por mulher para populações com condições de baixa mortalidade. Avançando rapidamente para 2013, temos cerca de 60% da população mundial vivendo em países com taxas de fecundidade abaixo do nível de reposição."


A velocidade com que as taxas de fecundidade caíram provavelmente se deve a que a cultura e o conhecimento popular não captaram as últimas tendências de declínio da fertilidade. Mas o que não pode ser ignorado é o aumento da imigração, com a qual tantos países estão agora contando como reforço para as suas populações.


Como Teitelbaum e Winter comentam, o aumento da imigração traz seus próprios problemas. Comunidades de imigrantes devem caber em seus novos países e os novos países devem acomodá-los de alguma forma. Na Europa, em especial, há o risco de aumento das tensões entre imigrantes e suas novas pátrias – particularmente entre os pregadores islâmicos linha-dura e seus seguidores, por um lado, e os extremistas de direita, por outro.


Mas, para além destes extremos, há outros que se sentem desconfortáveis ​​com a taxa de imigração e a mudança em suas comunidades, enquanto as elites políticas acolhem a imigração como uma fonte de contribuintes e trabalhadores. Mas o declínio demográfico atinge muitos outros âmbitos além de imigração, como os autores afirmam:


"A disseminação global da baixa fecundidade é importante. Ela se relaciona a questões vitais e explosivas – a evolução dos laços familiares, o futuro do financiamento das pensões e cuidados aos idosos, a evolução das políticas de imigração, as distribuições étnicas e linguísticas no interior das sociedades, o potencial de violência dentro e entre diferentes comunidades religiosas e étnicas, o debate legal e moral sobre os direitos das mulheres, em geral, e o acesso ao aborto e à contracepção, em particular. As tendências da população nos âmbitos global, nacional e local moldam cada um destes tópicos e como eles são percebidos."


Como você pode ver, demografia não tem a ver só com números!

(Publicado originalmente por MercatorNet em 15 de julho de 2013)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
MigrantesMundo
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
SAINT MICHAEL
Philip Kosloski
Oração a São Miguel por proteção contra inimi...
São Padre Pio de Pietrelcina
Oração de cura e libertação indicada pelo exo...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia