Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quarta-feira 20 Outubro |
Aleteia logo
home iconReligião
line break icon

O papa que pediu licença para falar ao coração

Francisco Borba Ribeiro Neto - publicado em 23/07/13

Francisco não está simplesmente batendo numa porta para poder entrar. Está se propondo a compartilhar o que de mais íntimo existe no ser humano

O começo da estadia do papa Francisco no Brasil não poderia ter sido mais tocante. “Aprendi que para ter acesso ao Povo Brasileiro, é preciso ingressar pelo portal do seu imenso coração; por isso permitam-me que nesta hora eu possa bater delicadamente a esta porta” – disse ele.

A imagem do grande coração é bem conhecida do povo brasileiro, que realmente se orgulha de ter este “coração imenso” ao qual o papa se referiu. Contudo, ela tem referencias mais profundas na tradição cristã. O coração é o centro de todos os afetos, o lugar do desejo, o núcleo existencial da pessoa. Francisco não está simplesmente batendo numa porta para poder entrar. Está se propondo a compartilhar o que de mais íntimo existe no ser humano.

A continuação do discurso evidencia esse interesse: “Não tenho ouro nem prata, mas trago o que de mais precioso me foi dado: Jesus Cristo!”. Ele não apenas pede, “delicadamente”, para entrar na nossa intimidade, ele doa a sua intimidade a nós, pois é evidente que o amor a Cristo é o centro do seu próprio coração. É um diálogo entre corações, onde Cristo se transmite e se comunica de um coração ao outro. Não à toa terminará seu discurso pedindo a todos “a necessária empatia para estabelecer um diálogo de amigos”.

Esta postura do papa exige uma resposta de cada um de nós. Não se trata de um simples escutar as palavras e maravilhar-se com elas (eu confesso que fiquei tremendamente impactado por seu primeiro discurso no Brasil). É necessário mais: é necessário abrir a porta que é o coração. O que significa isso? Ouvir e “ruminar” a mensagem do papa, refletir sobre ela. Mas isso não basta, pois a mensagem pode encontrar um coração adormecido, sem paixão e sem vigor, que receberá esta mensagem como mais normas morais ou deveres a realizar, justos e louváveis, mas ainda muito longe da comunicação da vida de Cristo em nós à qual o papa faz referência.

Quem ouviu ou lê o discurso de Francisco tem a impressão de que tudo de repente se tornou carregado de sentido e de afeto. É o fruto de um coração cheio de vida, do coração dos que “não têm medo de arriscar a única vida que possuem porque sabem que não serão desiludidos”, que têm aquela energia “que se desprende do coração dos jovens quando conquistados pela experiência da amizade com Cristo”. Mas para compartilhar esta experiência, viver essa liberdade, é necessário estar aberto à realidade, com sua beleza e suas dores, estar aberto às exigências do próprio coração, para compreender como elas são respondidas pelo encontro com Cristo.

Um último ponto me parece particularmente importante de ser comentado no discurso do papa. Ele diz que “Os pais usam dizer por aqui: ‘os filhos são a menina dos nossos olhos’. Que bela expressão da sabedoria brasileira que aplica aos jovens a imagem da pupila dos olhos, janela pela qual entra a luz regalando-nos o milagre da visão! O que vai ser de nós, se não tomarmos conta dos nossos olhos? Como haveremos de seguir em frente?”. 

Um adulto, para manter a jovialidade do coração, para não se fechar em si mesmo, deve olhar para a juventude. É verdade que os jovens precisam do modelo e da sabedoria dos mais velhos, mas eles nos lembram a cada dia aquilo que é essencial. Sua radicalidade, sua fome de vida, são realmente uma luz que ilumina nossa consciência dos adultos.

As palavras do papa com relação à juventude me fazem lembrar um texto do Apocalipse em que Deus censura os cristãos de Éfeso por fazerem tudo certo, mas terem esquecido “seu primeiro amor”. A juventude não deixa o adulto de coração sincero esquecer “seu primeiro amor”. E Francisco, sem dúvida, é um homem que não esqueceu este amor. Por isso sabe o quanto ele é importante para todos os cristãos…

Tags:
JMJMundoPapa Francisco
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
1
Pe. Zezinho
Reportagem local
Pe. Zezinho faz alerta sobre orações de cura e libertação
2
AVENIDO BROTHERS
Agnès Pinard Legry
Três irmãos são ordenados padres no mesmo dia
3
COMMUNION
Philip Kosloski
Oração ao seu anjo da guarda antes de receber a comunhão
4
VENEZUELA
Ramón Antonio Pérez
Quando a vida surge do abuso atroz a uma jovem deficiente
5
MARRIAGE
Matrimonio cristiano
Beijar a aliança todos os dias: uma indulgência especial aos casa...
6
Aleteia Brasil
O segredo da cidade bósnia onde jamais houve um divórcio
7
Livres de todo mal
O demônio tem mais poder à noite ou em determinada época do ano?
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia