Aleteia

Papa pede que jovens não sejam cristãos “engomadinhos”

Compartilhar

Quais são os critérios para a construção de uma sociedade mais justa? Quando perguntaram Teresa de Calcutá o que devia mudar na Igreja, ela respondeu: você e eu

O Papa Francisco pediu que os jovens não sejam cristãos “engomadinhos”, nem cristãos de fachada ou pela metade, mas sim autênticos, atuando na construção de uma civilização mais justa e fraterna.

 

Francisco se dirigiu à juventude no discurso durante a Vigília com os jovens da JMJ Rio2013, na noite deste sábado, na praia de Copacabana. A estimativa da prefeitura do Rio era de que os participantes ultrapassassem os 2 milhões, uma multidão ainda maior do que a da tradicional festa de Ano-Novo na cidade.

 

Comentando a parábola evangélica do semeador, o Papa afirmou ter a certeza de que ali entre os jovens a semente da Palavra de Deus estava “caindo numa terra boa”.

 

“Sei que vocês querem ser um terreno bom, não querem ser cristãos pela metade, nem ‘engomadinhos’, nem cristãos de fachada, mas sim autênticos.”

 

“Tenho a certeza que vocês não querem viver na ilusão de uma liberdade que se deixe arrastar pelas modas e as conveniências do momento. Sei que vocês apostam em algo grande, em escolhas definitivas que deem pleno sentido para a vida. Jesus é capaz de oferecer-lhes isto”, disse Francisco.

 

O Papa enfatizou então a importância do treinamento da fé. Jesus “nos pede que treinemos para estar ‘em forma’, para enfrentar, sem medo, todas as situações da vida, testemunhando a nossa fé”.

 

“Como? Através do diálogo com Ele: a oração, que é diálogo diário com Deus que sempre nos escuta. através dos sacramentos, que fazem crescer em nós a sua presença e nos conformam com Cristo; através do amor fraterno, do saber escutar, do compreender, do perdoar, do acolher, do ajudar os demais, qualquer pessoa sem excluir nem marginalizar ninguém”, disse.

 

Francisco afirmou então que “quando se ‘sua a camisa’ procurando viver como cristãos, nós experimentamos algo maravilhoso: nunca estamos sozinhos, fazemos parte de uma família de irmãos que percorrem o mesmo caminho; somos parte da Igreja, mais ainda, tornamo-nos construtores da Igreja e protagonistas da história”. 

 

O Papa afirmou que “Jesus nos pede que construamos a sua Igreja; e não como uma capelinha, onde cabe somente um grupinho de pessoas. Jesus nos pede que a sua Igreja viva seja tão grande que possa acolher toda a humanidade, que seja casa para todos!”

 

“Ele diz a mim, a você, a cada um: «Ide e fazei discípulos entre todas as nações»! Nesta noite, respondamos-lhe: Sim, também eu quero ser uma pedra viva; juntos queremos edificar a Igreja de Jesus! Digamos juntos: Eu quero ir e ser construtor da Igreja de Cristo!”

 

O Papa Francisco afirmou que acompanhou “atentamente” as notícias a respeito de muitos jovens que, em tantas partes do mundo, saíram pelas ruas para expressar o desejo de uma civilização mais justa e fraterna.

 

“Mas, fica a pergunta: Por onde começar? Quais são os critérios para a construção de uma sociedade mais justa? Quando perguntaram a Madre Teresa de Calcutá o que devia mudar na Igreja, ela respondeu: você e eu!”, disse.

Boletim
Receba Aleteia todo dia