Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sábado 24 Julho |
home iconReligião
line break icon

O que deve acontecer depois da JMJ?

Chiara Santomiero - publicado em 29/07/13

Para o Pe. Armando Mateus, a JMJ pode nos ensinar um estilo mais adequado de acolhimento dos jovens nas paróquias

A Jornada Mundial da Juventude (JMJ) do Rio de Janeiro tem muito a nos ensinar, e responde a uma importante pergunta: como devolver às paróquias e dioceses esse entusiasmo que vimos nos jovens com o Papa? Como dar cotidianidade à força de seus ensinamentos, sem dissipar a energia missionária? A Aleteia pediu "luz" ao Pe. Armando Mateus, observador atento da juventude e autor do livro "A primeira geração incrédula".

Como o senhor conciliaria a questão da participação na Missa dominical entre os jovens entre 18 e 30 anos, não superior a 15%, com a grande participação, mesmo à distância, da JMJ?

A JMJ sempre oferece aos jovens a oportunidade de ser protagonistas do evento, a percepção de uma grande dose de atenção para com eles. Outro elemento é a força das catequeses na Jornada, preparadas com cuidado, bem como celebrações litúrgicas de vários tipos, e não apenas a Missa. E também uma área especial para as confissões. Isso tudo envolve principalmente a experiência da dimensão do catolicismo com a participação de jovens de todo o mundo, como uma comunidade que recebe o "selo" da presença do Papa.

Qual a distância entre a experiência da JMJ e o cotidiano?

Poderíamos dizer que "a JMJ faz história, mas não escola". O risco é voltar à paróquia e começar a se preparar para a próxima JMJ, deixando a pastoral cotidiana. De fato, em nossa comunidade, há uma falta de atenção à pastoral escolar e universitária, e não se faz uma conexão com os professores de religião. Também se carece de uma catequese de jovens que incida sobre o encontro com a Sagrada Escritura, em vez de estudar somente questões de bioética ou doutrina social, embora sejam importantes. As celebrações dominicais talvez sejam também apressadas, sem músicas, sem a presença festiva da comunidade.

Por que isso acontece?

Definitivamente, não é por má vontade: há um problema de estrutura. Se o padre tem de lidar com mais de uma paróquia ou com paróquias grandes, onde pode encontrar tempo para abordar o mundo dos jovens, seus códigos, sua música? Como ter a oportunidade de visitar os jovens universitários da sua paróquia?

Por trás da JMJ, há anos de trabalho e preparação para a escolha das bandas, do logotipo, do hino. Quem quer lidar com essa "geração digital" precisa de tempo para se preparar, com a ajuda de toda uma comunidade que coloca o centro das atenções nos jovens. Talvez os bancos vazios de jovens na igreja ainda não nos abalaram o suficiente.

O que o senhor aconselharia às paróquias e dioceses para evitar perder esta experiência da JMJ?

Há uma atitude essencial: não nos acostumemos com a ausência dos jovens nas paróquias, associações e movimentos. Certamente, este não é um desafio fácil, mas devemos cultivar o desejo deste encontro, porque, como no amor, quando a ausência se torna um desejo, então isso abre os olhos e permite identificar estratégias.

Para ir ao encontro dos jovens, você tem de saber o que eles leem, os filmes aos quais assistem, a música que ouvem. É preciso estar presentes de forma séria na internet e nas redes sociais. E colocar em primeiro plano na pastoral nosso maior tesouro, que é a Bíblia, pois ela abre ao encontro com Jesus e permite que a liturgia seja ela mesma, o lugar da festa.

Precisamos nos livrar da ideia do domingo como "preceito" e ver a assembleia como lugar em que os fiéis se reúnem e, com a bênção de Deus, celebram o dom da vida, iniciando uma nova semana. No fundo, é isso que o cristianismo oferece: redescobrir a beleza da vida, mesmo em sua transitoriedade.

Tags:
JMJJuventude
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
1
Reportagem local
A arrepiante oração de uma mulher no corredor da morte por ser ca...
2
CROSS;
Reportagem local
O que significa o sinal da cruz feito sobre a testa, os lábios e ...
3
Aleteia Brasil
Sorrisão e joelhos: 2 pais brasileiros e seus bebês que emocionar...
4
Papa Francisco
Reportagem local
Papa: como não culpar Deus diante da morte de um ente querido
5
Atriz Claudia Rodrigues
Reportagem local
Assessora pede orações por atriz Claudia Rodrigues: “está m...
6
PADRE PIO
Philip Kosloski
A oração que Padre Pio fazia todos os dias ao Anjo da Guarda
7
Orfa Astorga
Até que idade é saudável morar na casa dos pais?
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia