Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sábado 23 Outubro |
São João de Siracusa
Aleteia logo
home iconReligião
line break icon

Palavras do Papa sobre homossexualidade são baseadas no Catecismo

Canção Nova - publicado em 02/08/13

As palavras do Papa pareceram para alguns que ele estava aprovando o comportamento, a prática, homossexual, mas não é isso

No voo de volta do Rio de Janeiro para Roma (28/7/2013), o Papa Francisco falou aos jornalistas sobre a homossexualidade citando explicitamente o Catecismo da Igreja, doutrina oficial do Magistério da Igreja. Entre outras coisas disse que: "Se uma pessoa é gay e procura Jesus, e tem boa vontade, quem sou eu para julgá-la? O Catecismo diz que não se deve marginalizar essas pessoas por isso. Elas devem ser integradas à sociedade. O problema não é ter esta tendência. Devemos ser irmãos.” (jornal El Mundo, da Espanha).

O Catecismo da Igreja, com outras palavras diz a mesma coisa. Mas essas palavras do Papa pareceram para alguns que ele estava aprovando o comportamento, a prática, homossexual, mas não é isso.  A Igreja acolhe qualquer pessoa que a procure; suas portas estão sempre abertas a todos que buscam refúgio e salvação em Deus por meio dela. “Devemos  ser irmãos”, disse o Papa, e não podemos julgar ninguém, pois Jesus disse: “Não julgueis para não serdes julgados”. Mas isso não quer dizer que não se dever reconhecer o que é ou não pecado. Uma coisa é amar o pecador, outra é aceitar o pecado.

Jamais o Papa poderia contrariar a doutrina oficial da Igreja, expressa no Catecismo, que considera a prática homossexual (não a tendência), um pecado grave (Cat. n.2357). Jamais na história da Igreja um Papa revogou o ensinamento doutrinário do Magistério e de um seu antecessor. Apenas o Papa Francisco expressou o que a Igreja ensina, falando dos que têm a tendência homossexual: “Devem ser acolhidos com respeito, compaixão e delicadeza. Evitar-se-á, em relação a eles, qualquer sinal de discriminação injusta” (Cat. n.2358). 

Isto mostra que a Igreja ama os homossexuais, embora condene a prática homossexual; e isso nada tem de homofobia, de perseguição e violência de qualquer forma contra eles, ao contrário. A Igreja sabe que as causas da homossexualidade são complexas, e não entra no mérito desta questão: “A sua génese psíquica continua em grande parte por explicar”. Mas deixa claro que a “prática homossexual” é pecado grave: “Apoiando-se na Sagrada Escritura, que os apresenta como depravações graves (Gn 19, 1-29; Rm 1, 24-27; 1 Cor 6, 10; 1 Tm 1, 10), a Tradição sempre declarou que "os atos de homossexualidade são intrinsecamente desordenados" (Congregação para a Doutrina da Fé, Declaração Pessoa Humana, 8). São contrários à lei natural, fecham o ato sexual ao dom da vida, não procedem duma verdadeira complementaridade afetiva sexual, não podem, em caso algum, ser aprovados” (idem).

A Igreja orienta seus filhos que trazem a tendência homossexual que resistam à sua “prática”, com a fé e a graça de Deus, e reconhece que a sua luta é árdua: “Um número não negligenciável de homens e de mulheres apresenta tendências homossexuais profundamente enraizadas. Esta inclinação objetivamente desordenada constitui, para a maioria, uma provação. Estas pessoas são chamadas a realizar na sua vida a vontade de Deus e, se forem cristãs, a unir ao sacrifício da cruz do Senhor as dificuldades que podem encontrar devido à sua condição” (Cat. 2358).

A Igreja pede-lhes que enfrentem essa difícil luta de não cair na prática dos atos homossexuais, e vivam na castidade,  praticando as virtudes do autodomínio, pela oração e pela graça sacramental; e afirma que assim,  “podem e devem se aproximar, gradual e resolutamente, da perfeição cristã” (n.2359).

São muitos os testemunhos de jovens, rapazes e moças, que, mesmo carregando a tendência homossexual, por amor a Deus, vivem na castidade. A doutrina da Igreja sobre a questão da homossexualidade é a mesma ensinada em toda a sua história, nada tem de novo, e foi relembrada no documento da Congregação da Fé, “Considerações sobre os projetos de reconhecimento legal das uniões entre pessoas homossexuais”, de 2003:

"A Igreja ensina que o respeito para com as pessoas homossexuais não pode levar, de modo nenhum, à aprovação do comportamento homossexual ou ao reconhecimento legal das uniões homossexuais. O bem comum exige que as leis reconheçam, favoreçam e protejam a união matrimonial como base da família, célula primária da sociedade. Reconhecer legalmente as uniões homossexuais ou equipará-las ao matrimônio, significaria, não só aprovar um comportamento errado, com a consequência de convertê-lo num modelo para a sociedade atual, mas também ofuscar valores fundamentais que fazem parte do patrimônio comum da humanidade. A Igreja não pode abdicar de defender tais valores, para o bem dos homens e de toda a sociedade".

Tags:
CatecismogenerohomossexuaisPapa Francisco
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
VENEZUELA
Ramón Antonio Pérez
Quando a vida surge do abuso atroz a uma jovem deficiente
2
Casal brasileiro com 8 filhos espera gêmeos
Francisco Vêneto
Jovem casal brasileiro com 8 filhos espera gêmeos: “cada um vale ...
3
Reportagem local
A bela lição que este menino deu a todos ao se aproximar do Papa
4
Carlo Acutis
Gelsomino Del Guercio
“Ele fechou os olhos sorrindo”: foi assim que Carlo Acutis morreu
5
São José
Francisco Vêneto
Padre irmão de piloto de avião partido em dois: “São José tem mui...
6
Papa Emérito Bento XVI
Francisco Vêneto
Bento XVI: “Espero me unir logo” aos amigos que já estão na etern...
7
JESUS
O São Paulo
Que os mortos enterrem seus mortos: o que Jesus quis dizer com is...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia