Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quinta-feira 29 Outubro |
São Colmano
home iconAtualidade
line break icon

O bem comum mais importante? O pensamento

IHU - publicado em 22/08/13

É talvez o primeiro e mais importante "bem comum" que hoje, mais do que nunca, deveríamos reivindicar

O pensamento não é – como se acredita – uma propriedade do indivíduo, mas sim um "bem comum". É talvez o primeiro e mais importante "bem comum" que hoje, mais do que nunca, deveríamos reivindicar.

A opinião é do filósofo italiano Giuseppe Cantarano, professor da Universidade da Calábria. O artigo foi publicado no jornal L'Unità, 20-08-2013. A tradução é de Moisés Sbardelotto, publicada hoje em IHU.

Eis o texto.

Não só grande parte do seu léxico, mas também os conceitos mais importantes da política tem uma evidente – e comprovada – origem teológica. Como nos explicou Carl Schmitt.

Mas há também quem tenha mostrado – como o egiptólogo Jean Assmann, no seu livro Potere e salvezza. Teologia politica nell’antico Egitto, in Israele e in Europa (Ed. Einaudi, 2002) – exatamente o oposto. Ou seja, que as categorias teológicas – e o seu vocabulário –, ao contrário, é que teriam uma derivação política.

Duas teses contrapostas. Mas que convergem em um ponto decisivo. Ou seja, que entre teologia e política há uma relação convincente. Uma relação, para dizer o mínimo, bimilenar. Que remonta a São Paulo. Depositada não só naquele que pode ser considerado o primeiro documento cristão sobre a política, a Carta aos Romanos. Mas também na Segunda Carta aos Tessalonicenses. Na qual o apóstolo evoca o mistério da katechon.

Esse poder – não sabemos se encarnado na Igreja, isto é, na teologia, ou no Império, isto é, na política – que freia a propagação do mal no mundo. Mas que, detendo a irrupção do mal, nada mais faz – paradoxalmente – do que retardar a vitória final, escatológica, do bem. O advento, em suma, da parusia.

Se, portanto, a relação entre teologia e política também pode parecer contraditória, isso não exclui que ela esteja consolidada. De "longa duração", digamos assim. E necessária. Inevitável. Como lembrou Massimo Cacciari no seu livro Il potere che frena. Saggio sulla teologia politica (Ed. Adelphi, 2013).

Ao contrário, o novo livro de Roberto Esposito (Due. La macchina della teologia politica e il posto del pensiero, Ed. Einaudi, 2013, 233 páginas) é totalmente voltado a desmontar genealogicamente esse dispositivo teológico-político.

O filósofo napolitano não está nada convencido de que o nosso agir histórico – ao menos no Ocidente – esteja destinado a oscilar entre "Cila e Caríbdis". Entre o polo teológico e político. Aqueles que consideram que haja um conteúdo teológico original na política ou, inversamente, um conteúdo político original na teologia já pensam dentro da "máquina" teológico-política. Pressupõem-na.

É essa pressuposição "dogmática" – segundo Esposito – que impediu de dar-lhe uma definição compartilhada. Já que se pressupõe o que, ao contrário, se deveria explicar. Criticar. Isto é, a relação entre teologia e política. Não seria essa, talvez, a tarefa da filosofia? Sobretudo da filosofia contemporânea?

Dever-se-ia explicar – criticar filosoficamente – a "suposta" vocação política da dimensão religiosa e vice-versa. Explicar – criticar filosoficamente – o "suposto" enraizamento religioso do agir político. Em vez disso, na "relação entre teologia e política – observa Esposito – nenhuma das duas tem uma precedência absoluta". Uma mesma dinâmica – a da teologia política – que tende a uma síntese unitária. Recorrendo àquela que Esposito define como "inclusão excludente".

Teologia política – especifica Esposito – é a parte subalterna que, ao longo da história, foi incluída mediante a sua exclusão, foi a do corpo com relação à alma, a da natureza, dos animais, das mulheres com relação ao homem, a das crianças com relação aos adultos, a dos doentes com relação aos sadios, a dos loucos com relação aos normais, a dos escravos com relação aos livres, a dos negros com relação aos brancos, a dos judeus com relação aos arianos, a dos gays com relação aos heterossexuais, e assim por diante.

É desse dispositivo hierarquizante e autoritário que tende a reduzir o Dois – a multiplicidade diferenciada e imanente do ser vivo – ao Uno – a abstração indiferenciada e transcendente da Norma – que devemos nos libertar.

É dessa infernal "máquina excludente" da teologia política, dentro da qual os nossos corpos e os nossos pensamentos estão presos, que devemos sair, diz Esposito.

Mas não é fácil. Porque foi uma "máquina" – a teológico-política – que "pôs em forma" toda a civilização ocidental. Alavancando principalmente a noção "proprietária" de pessoa. O que nos é dado fazer – conclui Esposito – é subtrair o pensamento da vocação apropriante, individualista e excludente da pessoa. E restituí-lo – no rastro de uma tradição de pensamento "maldita", que vai de Averróis, Dante, Bruno, Spinoza a Nietzsche e Deleuze – a todo o gênero humano.

Porque o pensamento não é – como se acredita – uma propriedade do indivíduo, mas sim um "bem comum". É talvez o primeiro e mais importante "bem comum" que hoje, mais do que nunca, deveríamos reivindicar. Para, finalmente, tornar a democracia não mais uma instituição teológico-política "vertical" de filhos assujeitados a um Pai, mas sim uma relação "horizontal" de simples irmãos.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
FilosofiaPolíticateologia
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Reportagem local
Corpo incorrupto de Santa Bernadette: o que o...
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
OLD WOMAN, WRITING
Cerith Gardiner
A carta de uma irlandesa de 107 anos sobre co...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia