Aleteia

Papa está com muita energia e revitalizado, diz sacerdote argentino

Compartilhar

Padre Pepe, que trabalhou com Bergoglio nas periferias de Buenos Aires, se encontrou com o agora Papa Francisco nesse sábado

O Papa Francisco encontrou-se na manhã desse sábado, 24, com o sacerdote José Maria di Paola, também conhecido como ‘Padre Pepe’ ou ‘Padre villero’. Padre Pepe e o então cardeal Bergoglio trabalharam juntos na periferia de Buenos Aires. A Rádio Vaticano entrevistou o sacerdote após o encontro.

 

Padre Pepe contou que o encontro foi muito emocionante. “Não o via desde que saiu de Buenos Aires. Realmente foi muito emocionante vê-lo como Papa. Para mim é estranho vê-lo assim, mas ao mesmo tempo muito emocionante. Está muito bem. Eu o vi com muita energia e com muita força. Rejuvenescido. Assim voltarei para a Argentina muito contente, porque, mesmo sendo grade a responsabilidade de guiar a Igreja, o vejo com a força necessária para fazê-lo”.

 

O sacerdote afirmou que vê o Papa igual ao que ele era antes. “Fundamentalmente o vejo igual. Também na forma como nos recebe, porque quando íamos à Cúria de Buenos Aires, ele vinha ao nosso encontro com simplicidade. Tinha uma escrivaninha e nada mais e após nos acompanhava pessoalmente para nos saudar. Esta simplicidade se vê também no Vaticano. Continua a ser o mesmo homem, isto é, não um príncipe da Igreja, mas um servidor da Igreja. E esta característica sempre esteve muito presente na sua pessoa. Isto foi o que sempre nos encorajou. Vejo também que existe uma continuidade, porque pensa permanentemente nas pessoas, especialmente às mais necessitadas e quer ter uma relação muito próxima com elas. Fundamentalmente o vejo igual e com muita energia, com muita vontade de realizar. O vejo realmente revitalizado”.

 

Padre Pepe comentou sobre o trabalho na periferia de Buenos Aires. “Ele [Francisco] quer que nós continuemos a trabalhar. Acredito verdadeiramente que o melhor modo de servir o Papa, da nossa parte, seja este de sermos fiéis ao seu trabalho, como antes. E também de contribuir, com a nossa gente e a experiência amadurecida com o Papa, a encorajar outros sacerdotes a viver nas periferias. Sabemos que são tantos que fazem isto em diversas partes do mundo, porém é necessário encorajá-los, porque é um testemunho evangélico para todos. Não somente para quem vive na periferia, mas também para quem vai lá. Pode ser uma união de dois mundos que às vezes são separados por causa da sociedade materialista e individualista. Bergoglio, quando estava em Buenos Aires, olhava a cidade a partir da periferia. Este olhar de Bergoglio foi a grande contribuição à Igreja de Buenos Aires”.

 

O sacerdote conta que levou ao Papa uma camiseta do Atlético de Huracàn, um time rival, do San Lorenzo. “Aceitou a camiseta do Huracán, que é o time rival do San Lorenzo, um eterno rival. Na Argentina, os torcedores do Huracán e do San Lorenzo sempre discutem, são rivais. E desde que se tornou Papa, tem bandeiras do San Lorenzo por tudo, camisetas do San Lorenzo e isto ‘me incomoda’. Então, a diretoria do Huracàn me disse: ‘Pepe, tu és do Huracàn, porque não levas ao Papa alguma coisa nossa, uma camiseta, uma carta?’. Assim entreguei ao Papa a camiseta do melhor time”.

 

Segundo Padre Pepe, o Papa entende de técnica e tática de futebol, “e aplica isto na Igreja. O Papa é um grande diretor técnico”.

 

(Publicado na Rádio Vaticano, no dia 25 de agosto de 2013)

Boletim
Receba Aleteia todo dia