Aleteia
Segunda-feira 26 Outubro |
São Fulco
Atualidade

Evocações em torno do filme sobre Hannah Arendt

Frei Vitório Mazzuco - Blog do Frei Vitório - publicado em 27/08/13

Viver é sempre diligência sofrida de busca e procura daquilo que não se tem para melhor ser o que se tem: a Vida!

Por Frei Vitório Mazzuco, publicado em seu blog

Um filme maravilhoso como este ajuda a pensar, resgata a filosofia como força de reencantamento do humano, no caso especifico aqui, Hannah Arendt, uma grande mulher. Um filme que nasce do pensamento e leva, cada vez mais, a paixão por um modo de ser. Ele fala de um julgamento de um nazista (Adolf Eichmann) e este julgamento se estende a quem procurou entender o processo na medida exata da justiça. A vida nos conduz ao atropelo da interpretação ideológica que se dá. Hannah Arendt nos ensina a ser livres do atropelo ideológico; a nunca aprisionar-se na publicidade do  julgamento como verdade.

São as diversas modalidades de interpretação que me enviam à compreensão da vida. A filosofia existe para compreender todas as modalidades da vida; esse é o modo de viver que brinda a riqueza universal da existência. Facilmente nós passamos por cima das diferenças e vamos para o idêntico, que é sempre algo mais cômodo. A beleza da vida é o nosso não saber da vida; assim, cada dia, ela é uma descoberta e não uma cópia. Hannah Arendt nos ensina que o discurso que se faz tem que ser a interpretação correta da vida. Unir pensamento, emoções, interpretações, discussões nas diferenças, para uma leitura da vida de um modo lógico. A interpretação que você faz da vida é a sua filosofia de vida. O “sófon” é o retraído que se esquiva do sistema e traça questionamentos que mexam com as estruturas da existência.

Pensar é ser como uma criança… isto é, não ouvir o sistema. Temos que ficar na estranheza da existência. Todo gesto, todo olhar, todo toque, é estar na afeição de todas as perguntas que estão em nós. Todo gesto, todo olhar, todo toque são uma resposta. Afeiçoar-se a pergunta é deixar-se sofrer pela pergunta (em geral confundimos isto com medo, mas não é medo, é o balançar do ser sofrido do questionamento). Estamos na vida e ela nos conduz a isto; o questionamento é a segurança da vida. A resposta é o perfume da pergunta. O espetáculo da vida está na estranheza da vida (até no surpreendente de um Amor assim…). O pensamento é a resposta que nos leva a estranhar as perguntas da vida.

Bom é ver um filme cuidando do coração que palpita dentro e ao lado. Nós podemos ver um filme e ver apenas a exposição e captamos apenas a representação e não o coração do filme. Ao ver um filme cuidando do coração percebemos melhor a interioridade da vida. Vemos o essencial em cada cena, em cada gesto, em cada palavra. O essencial é aquilo que experimenta e aceita o limite do possível.

Cada momento do pensamento é a minha possibilidade, isto é, a possibilidade de descobrir quem eu sou. Para descobrir quem eu sou preciso de modelos como Hannah Arendt. Ela é uma heroína do pensar correto e coerente. O herói não é herói por causa da representação que faz da vida, mas porque na representação evocou a pátria e a identidade da pátria judaica. Para herói não há indecisão. Há firmeza e certezas. A indecisão é o espírito ainda não suficientemente amadurecido para dialogar com a vida.

Vi no filme uma heroína decidida e simples. O pensamento nos conduz a nossa identidade que é a nossa maior humildade.  A consciência tranquila de Hannah fez dela uma mulher despojada, apenas voltada para o essencial. A essência do humano se dá na sua consciência…

O filme me ensinou também que é preciso estar nos acontecimentos humanos com mais profundidade e não apenas como um mero espectador. Mesmo que isto leve a um mundo de incompreensões. A consciência da verdade é o nosso tormento. O lobo (o nazismo e seu fruto chamado Adolf Eichmann) devorou as ovelhas (os judeus massacrados no campo de concentração). Todos julgaram a partir da fragilidade da ovelha. Hannah Arendt, sem estar do lado do lobo, procurou entender a bravura irracional do lobo, que apenas para cumprir ordens criou a banalidade do mal.

O ser de Hannah Arendt reacendeu em mim o ser cativante que ama e pensa.  O amor de Hannah e Heidegger revela que pensar com maior radicalidade as experiências é apaixonar-se. Mediante o pensamento é possível colocar-se também na correspondência perfeita do amor e do mútuo encantamento. O pensamento é a grandeza do humano; deixar de pensar é colocar a humanidade em risco.  Somos inumanos quando não deixamos ser a verdade das coisas e dos seres.

O caminho de Hannah e Heidegger, o caminho do campo, é a paisagem do ser. O caminho faz surgir, a cada instante, um acontecer inusitado… e isto é alcançado pelo pensamento e pelo Amor. Hannah não copiou o mestre. Copiar o mestre não é unidade; mas empenhar-se totalmente em refazer o caminho do mestre é unidade. O que levou Hannah a romper o estar-junto ao mestre? Ela esteve sempre presente de um modo fisicamente ausente. Isto só é possível na máxima fidelidade. Neste momento, a discípula tornou-se tão boa ou melhor que o mestre. É nesta hora que a discípula faz a sua Obra-Prima.

Hannah revela um certo sofrimento que vai se diluindo como a frequente fumaça de seu cigarro. É melhor sofrer muito estando apaixonada do que sofrer sem causa. Viver é sempre diligência sofrida de busca e procura daquilo que não se tem para melhor ser o que se tem: a Vida! A experiência bem saboreada da situação é a reflexão. A experiência bem pensada e vivida no coração é o Amor. Este é o nosso grande encontro com a vida: a acolhida da doação de fazer todas as nossas experiência no bem pensar e no Bem Amar!

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
CinemaFilosofia
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Papa Francisco
Francisco Vêneto
Papa Francisco e casais homossexuais: o que e...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
SAINT MICHAEL
Philip Kosloski
Oração a São Miguel por proteção contra inimi...
Rosário
Philip Kosloski
Benefícios do Rosário: 3 virtudes que aprende...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia