Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Alimente o seu espírito. Receba grátis os artigos da Aleteia toda manhã.
Inscreva-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Médicos cubanos no RS. Um depoimento

Elza Fiuza/ABr


O médico Camilo Ramirez Maura participa do curso de preparação para estrangeiros do Mais Médicos, com aulas sobre saúde pública brasileira e língua portuguesa

Compartilhar

A saúde, quando eficiente, se manifesta em linguagem universal, todos acabam entendendo, não importa se é formatada por cubanos, brasileiros ou canadenses

"A saúde, quando eficiente, se manifesta em linguagem universal, todos acabam entendendo, não importa se é formatada por cubanos, brasileiros ou canadenses. Até porque os pacientes somos todos, inclusive os médicos. O momento atual atesta que se precisa rever o SUS, a partir da saúde e não da doença", afirma José Alberto Wenzel, ex-secretário de Saúde de Santa Cruz do Sul, RS, no artigo "Uma experiência local", publicado pelo jornal Zero Hora, 27-08-2013.

Referindio-se à presença de médicos cubanos no município, ele testemunha: "Foi uma reviravolta no sistema de atendimento básico à saúde. Em determinada ocasião, se pretendeu transferir um dos médicos cubanos para outra unidade do PSF, hoje seria ESF, Estratégia de Saúde da Família. Tivemos que manter o médico em sua unidade original, tal foi a manifestação de apoio da população, exigindo sua permanência. Noutra ocasião, tivemos alguns problemas com a manutenção de um deles, tanto que tivemos que tomar as providências cabíveis".

Eis o artigo.

O Palácio de Convenções de Havana estava lotado. Era o dia 28 de novembro de 1997, data de encerramento do 6º Seminário Internacional de Atenção Primária de Saúde. O tema do evento Salud para Todos en Cuba, falava por si. Profissionais, gestores, gente de muitos países, haviam passado quatro dias trabalhando saúde pública básica e preventiva.

Convidados a conhecer unidades do Programa de Saúde da Família, visitamos um posto onde o médico também residia. Cada morador da área de abrangência do posto estava identificado em fichas, onde constavam os dados pessoais, familiares, laborais e sua situação de saúde, bem como os procedimentos que vinham sendo adotados, ou seja, havia um prontuário, que era atualizado a cada visita do médico, enfermeiro e equipe responsável por aquele quarteirão.

De volta a Santa Cruz do Sul, não se teve dúvida. Foi instalado o Programa de Saúde da Família (PSF), que já se organizava e implantava em algumas cidades brasileiras. Entre as dificuldades, surgiu a questão dos médicos. Era necessário disponibilizar à população adstrita à Unidade Básica de Saúde da Família um médico, enfermeiro e equipe de agentes de saúde, em turno de oito horas diárias, com visitação efetiva às famílias. Alguns médicos se disponibilizaram, mas foi necessário buscar outra alternativa: contratamos dois médicos cubanos, pagos nos mesmos termos que os demais médicos locais.

Num primeiro momento, surgiram as dificuldades comuns, como alugar casa, arrumar avalista, enfim instalar os profissionais e integrá-los à comunidade. Como haviam passado por Brasília, já vinham com a condição de atuação temporária validada.

Foi uma reviravolta no sistema de atendimento básico à saúde. Em determinada ocasião, se pretendeu transferir um dos médicos cubanos para outra unidade do PSF, hoje seria ESF, Estratégia de Saúde da Família. Tivemos que manter o médico em sua unidade original, tal foi a manifestação de apoio da população, exigindo sua permanência. Noutra ocasião, tivemos alguns problemas com a manutenção de um deles, tanto que tivemos que tomar as providências cabíveis.

O que ficou desta experiência em Santa Cruz do Sul? Primeiro, que o programa exige o trabalho em equipe, formada por médico, enfermeira, agentes comunitários de saúde e outros profissionais julgados necessários à determinada comunidade. Segundo, há que se dotar a unidade de atenção básica da estrutura adequada. Terceiro, nenhuma unidade funciona como uma ilha, há que integrá-la ao sistema de saúde. Quarto, o sistema não é apenas de abrangência nacional, estadual, intermunicipal; ele precisa ser operado resolutivamente dentro da estrutura local, envolvendo a unidade básica, as especialidades, urgências, hospitais e demais instituições ligadas à área. Por fim, a saúde, quando eficiente, se manifesta em linguagem universal, todos acabam entendendo, não importa se é formatada por cubanos, brasileiros ou canadenses. Até porque os pacientes somos todos, inclusive os médicos. O momento atual atesta que se precisa rever o SUS, a partir da saúde e não da doença.

Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.