Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sábado 31 Outubro |
Beato Domingos Collins
home iconReligião
line break icon

Pe. Amorth: os que querem a guerra na Síria “são instrumentos do diabo”

Padre Paulo Ricardo - publicado em 11/09/13

"O Senhor é um Deus de paz, quer a paz, quer o amor entre os homens, quer a solidariedade e a ajuda, de modo que o rico ajude o pobre"

O famoso exorcista da diocese de Roma, o padre Gabriele Amorth, afirmou na semana passada que "estes que querem a guerra na Síria são instrumentos do diabo". As declarações do sacerdote foram feitas à emissora italiana Tgcom24. "O Senhor é um Deus de paz, quer a paz, quer o amor entre os homens, quer a solidariedade e a ajuda, de modo que o rico ajude o pobre. E Satanás é quem quer a morte e a guerra", disse.

Padre Amorth aplaudiu a iniciativa do Papa Francisco de convocar uma vigília de oração pela paz no Oriente Médio. Ele assegurou que, sem dúvida, "incomodará o diabo". "O Papa tem o objetivo de influir. De que modo? Como um Papa, orando pela ajuda de Deus, este é o modo de atuar dos cristãos. Não com bombas para rebater outras bombas, mas com a oração para rebater as bombas."

As palavras do sacerdote italiano são de repúdio à intervenção militar estrangeira na Síria, após um ataque que matou centenas de pessoas no país. Para o padre Gabriele Amorth, a ingerência das potências mundiais na Síria não afastaria a ameaça do uso indevido de armas químicas. "Tenho presente a frase que disse o Papa Pio XII para evitar a segunda guerra mundial: ‘Tudo está perdido com a guerra, tudo se pode salvar com a paz’. Todos os sistemas violentos deveriam ser condenados", concluiu.

No sábado passado, todo o mundo se colocou de joelhos diante do Imaculado Coração de Maria para pedir a paz, para implorar a Deus que os homens recordem as tristes lições do último século e ponham termo a guerras injustas.

De fato, o Catecismo da Igreja Católica lembra que "a paz não é somente ausência de guerra e não se limita a garantir o equilíbrio das forças adversas". É importante recordar este ensinamento moral católico, especialmente quando muitos tendem a confundir a defesa da paz com um malfadado pacifismo. Este tem por essência não a paz de Cristo (cf. Jo 14, 27), obra da justiça (cf. Is 32, 17), mas uma caricatura dela, fruto seja da inércia dos que negam a existência do mal, seja da covardia dos que a reconhecem, porém não desejam combatê-la.

Como dizia o bem-aventurado João XXIII, a paz da qual fala a Igreja:

"não é paz completamente tranquila, de todo serena. É paz operosa, não ociosa nem inerte. Sobretudo é paz militante contra todo o erro, mesmo que dissimulado sob aparências de verdade, contra o atrativo e seduções do vício, e contra toda a espécie de inimigos da alma, que procuram enfraquecer, manchar e arruinar os bons costumes ou a nossa fé católica; e também contra os ódios, rivalidades, dissídios que a podem quebrar ou lacerar. Por isso, o Divino Redentor nos deu e recomendou a sua paz."

Para o cristão, a verdadeira paz é fruto de uma guerra, de um combate pesado, para o qual ele deve tomar "a armadura de Deus", cingir-se com a verdade, vestir-se "com a couraça da justiça" e, sobretudo, embraçar "o escudo da fé" (cf. Ef 6, 13s).

Esta guerra, porém, diz São Paulo, "não é contra homens de carne e sangue (…), mas contra os principados e potestades, contra os príncipes deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal (espalhadas) nos ares" (Ef 6, 12). Mais que pedir o fim da guerra e o cessar das armas, urge que se rejeitem as propostas malignas do príncipe deste mundo, o diabo, e que se convertam os propósitos dos corações das pessoas. Afinal, não existe uma arma que mate sem que haja, antes, o pecado da cólera e do ódio ao próximo.

Mesmo que a situação soe como irreversível e as negociações, a este ponto, pareçam frustradas, unamos nossa oração ao pedido de paz oferecido pelo Santo Padre, a fim de que se afigure neste mundo pelo menos uma sombra daquele glorioso dia em que "uma nação não levantará a espada contra outra, e não se arrastarão mais para a guerra" (Is 2, 4).

Por Equipe Christo Nihil Praeponere

(Publicado no blog do padre Paulo Ricardo)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
DemônioGuerraMundo
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Brasileira Simone Barreto Silva é vítima de ataque terrorista na catedral de Nice
Reportagem local
Brasileira é vítima no ataque terrorista na c...
Reportagem local
França: atentado na basílica de Notre Dame em...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Pe. Robson de Oliveira
Francisco Vêneto
Defesa desmente Fantástico, da TV Globo, em n...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
Reportagem local
Corpo incorrupto de Santa Bernadette: o que o...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia