Aleteia logoAleteia logoAleteia
Terça-feira 30 Novembro |
Santo André 
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Religiões e diplomacia: caminhar juntas na resolução dos conflitos

Chiara Santomiero - publicado em 11/09/13

O presidente dos intelectuais muçulmanos italianos acredita que o Ocidente precisa deixar de lado seus próprios clichês

As religiões podem ter um papel muito ativo e importante na ação diplomática, necessária para a resolução de conflitos, especialmente onde a composição étnica e religiosa da população é tão complexa, como no caso do Oriente Médio.

Esta é a convicção de Ahmad Gianpiero Vincenzo, docente de sociologia em Catânia (Itália) e presidente da Associação dos Intelectuais Muçulmanos da Itália. Ele conversou com a Aleteia sobre o esforço comum pela paz na Síria, apelo lançado pelo Papa Francisco na vigília do dia 7 de setembro.

Como as comunidades islâmicas acolheram o convite do Papa Francisco a unir-se à oração pela paz?

Acolheram bem, porque é um convite que vai ao encontro da sensibilidade islâmica. Quando as relações estão desgastadas e a perspectiva humana de resolução dos problemas se esgotou, a oração e o jejum se tornam "armas" para abrir a reflexão a uma perspectiva diferente.

O jejum é uma prática tanto do cristianismo como do islamismo. Como ele pode ajudar na busca da paz?

As tradições religiosas do cristianismo e do islamismo são mais próximas do que se pensa. De fato, considera-se que somos dois ramos da mesma árvore. O mês de jejum do Ramadã, que concluímos há pouco, é um dos pilares do islã, e nele, a dimensão material da privação do necessário abre à dimensão espiritual, que leva a um ponto de vista diferente sobre as coisas.

Podemos comparar isso a uma doença: uma pessoa doente reflete de maneira diferente sobre a vida, percebe a relatividade de alguns aspectos que antes não tinham muita importância. O jejum, neste sentido, pode ajudar a entender melhor as consequências de um conflito e a importância da paz.

Não existe conscientização suficiente sobre as consequências de uma intervenção militar na Síria?

Basta ver os precedentes: no Iraque, morrem 100 pessoas por dia. Os ocidentais se resistem a entender que pode haver equilíbrios diferentes nos países. A maior parte das pessoas acha que, para resolver a crise da Síria, basta que Assad renuncie e que organizem eleições democráticas. E se não for assim?

Há territórios que têm características étnicas tais que, se não se consegue um acordo entre as comunidades, não se vai a lugar algum. Cerca de 15% da população Síria é alauíta, uma comunidade muito diferente das demais comunidades muçulmanas. Eles não podem aceitar que Assad renuncie, porque ele é a garantia da sua segurança.

Vimos o que aconteceu no Iraque entre os xiitas e os sunitas e não aprendemos nada. O direito islâmico é diferente do ocidental e exige encontrar um equilíbrio entre as comunidades: a proteção das minorias é o fundamento do Estado.

Como acontece no Líbano?

É exatamente assim: cada vez que se rompe o equilíbrio entre as comunidades, o país fica a ponto de entrar numa guerra civil, mas enquanto se conserva esse equilíbrio, é modelo de ordem institucional avançada no Oriente Médio.

Também em Israel há um direito confessional baseado no equilíbrio entre as comunidades. Não se trata de um armistício de guerra, que é algo diferente, mas de um equilíbrio que se projeta sobre a sociedade civil.

Por que a ação diplomática utilizada na crise da Síria não é eficaz?

As relações diplomáticas ainda estão marcadas por uma lógica de guerra fria: a resposta, em caso de crise, são as sanções econômicas. A oposição já não é entre guerra e paz, mas entre guerra fria e armada. É preciso adotar uma ação diplomática diferente.

No final do encontro entre islâmicos e cristãos de 2009, no Vaticano, foi proposta a criação de um comitê inter-religioso pela paz, que fosse integrado na ação diplomática. Esta é uma ideia que poderia ser retomada.

Quando se entende a diplomacia como busca da paz, a dimensão religiosa poderia ter um papel fundamental, sobretudo nas áreas em que há uma presença complexa de comunidades étnicas e religiosas. No fundo, é a mesma coisa que o Papa Francisco pede quando fala de soluções alternativas à guerra e quando nos convida a rezar unidos.

O documento entregue aos embaixadores da Santa Sé oferece critérios para o pós-conflito, como o respeito às minorias e a integridade do território…

É verdade. A subdivisão do território entre as comunidades significa projetar as divisões num espaço, mas, se as tensões não são resolvidas, elas voltam a explodir. Também sobre isso temos muitos exemplos de fracasso, como na Grécia e no Paquistão.

Gandhi se opôs até a morte à divisão entre a Índia e o Paquistão, entre hindus e muçulmanos, porque entendeu que o país teria maior estabilidade se as divisões fossem feitas no interior do estado, e não sobre o território; e já vimos como isso terminou.

Se temos a prova do enraizamento de conflitos que duram décadas, como se pode pensar em recorrer a estas soluções? Um comitê inter-religioso poderia trabalhar neste sentido.

A iniciativa do Papa Francisco pode influenciar a situação atual?

O Vaticano tem uma grande credibilidade, mas seria necessário uma importante mudança de mentalidade. Um mundo cada vez mais materialista deveria aceitar que o Vaticano (e as religiões em geral) tem um peso na história – peso este que, no entanto, a cultura está empenhada em eliminar do tempo.

Seria necessário redefinir a hierarquia de valores em um mundo que coloca a economia em primeiro lugar. Seria maravilhoso que as dimensões espiritual e religiosa pudessem prevalecer sobre os interesses econômicos: isso significaria afirmar que o dinheiro não é tudo.

De qualquer maneira, esperemos que a petição de paz do Papa Francisco seja levada a sério.

Tags:
CristianismoMuçulmanosMundoPapa FranciscoReligião
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia