Aleteia
Sábado 24 Outubro |
São Paulo Tong Viet Buong
Estilo de vida

Mais de 40% das mulheres são obrigadas a casar-se na infância

Alvaro Real - publicado em 14/09/13

A organização Manos Unidas denuncia a dramática situação de muitas menores de idade obrigadas a contrair matrimônio

Há apenas cinco meses, recebemos a notícia da menina Aisha, de 8 anos, assassinada em sua noite de núpcias, no Afeganistão. Agora, chega até nós a história de Rawan, também de 8 anos, que faleceu na noite de núpcias, ao ser agredida por seu marido de 40 anos, dessa vez no Iêmen. Serão estes casos excepcionais?


Ana Cárcamo e África Marcillach, responsáveis por alguns projetos da organização Manos Unidas, em duas regiões diferentes da Índia, mostram que "o casamento precoce entre meninas de pouca idade é uma prática comum nos países que pertencem à Ásia Meridional e à África Subsaariana".


Segundo as pesquisadoras, cerca de 70 milhões de mulheres se casaram antes de cumprir 18 anos, e quase 400 milhões de mulheres foram obrigadas a se casar ainda na infância.

Diante das trágicas notícias que chegam sobre a morte de meninas em sua noite de núpcias, a pergunta que não quer calar é: o que está acontecendo no mundo?


O que hoje é notícia é uma prática comum há muitos séculos. As novas tecnologias nos permitem ter acesso a alguns destes fatos, mas a maioria não vira notícia.

Os casamentos arranjados entre meninas e homens adultos é algo comum?


Segundo dados da UNICEF, no mundo inteiro, cerca de 70 milhões de mulheres entre 20 e 24 anos (quase 1 de cada 3) se casaram antes dos 18 anos. Quase 400 milhões de mulheres entre 20 e 49 anos (41% da população mundial nesta faixa etária) foram obrigadas a casar-se quando ainda eram crianças. A maior incidência se dá no sudeste asiático e na África Subsaariana.


O casamento precoce entre meninas de pouca idade é uma prática comum nos países que pertencem à Ásia Meridional e à África Subsaariana. No Níger, 77% das mulheres entre 20 e 24 anos se casaram antes de cumprir 18 anos. Em Bangladesh, a taxa é de 65% (EMI, 2006).


O que leva o pai a oferecer sua filha em casamento quando ela ainda é uma criança é a pobreza; quando a família tem apenas os recursos mínimos para sobreviver, uma filha jovem acaba sendo uma carga econômica importante, porque a noiva precisa de um dote para se casar; essa quantidade aumenta segundo a idade da menina. Então, o casamento precoce acaba sendo a salvação, ao transferir a responsabilidade econômica à família do noivo.


A realização de casamentos infantis, entendidos nesses países como mero trâmite social ou cultural, atenta contra os direitos humanos e envolve graves limitações à liberdade individual, ao direito à educação e ao compromisso com a saúde. A UNICEF denuncia que um casamento precoce leva quase com toda certeza à gravidez precoce.


Nos países menos desenvolvidos, somente 17% das meninas casadas, entre 15 e 19 anos, utilizam algum tipo de meio contraceptivo; e o resultado é que 14 milhões de meninas dão à luz anualmente. O principal problema é que, pela imaturidade física, as complicações na gravidez e no parto muitas vezes provocam a morte, sendo esta uma das principais causas da mortalidade nesta faixa etária.


A taxa de mortalidade entre bebês cujas mães são meninas também é alta. Os bebês de meninas menores de 18 anos têm 60% a mais de probabilidade de morrer durante seu primeiro ano de vida, com relação aos bebês de mães maiores de 19 anos.


Também é verdade que, em alguns países, como a Índia, a legislação protege a menor, já que existe a proibição do casamento infantil, ainda que a sociedade seja muito permissiva e continue havendo milhares de casos.

Ser menina hoje, em determinados países, significa viver em perigo constante. O que essas meninas têm de enfrentar?


Na Ásia, existe uma grande desigualdade de gênero. Entende-se que a mulher tem um status inferior e, portanto, não pode ter os mesmos direitos que o homem. Sua discriminação começa antes do nascimento. Tanto é assim que são as meninas quem registram os mais altos índices de desnutrição.


Em contextos de pobreza e grande vulnerabilidade, muitas meninas são desatendidas, chegando ao ponto de, quando falta comida, alimenta-se antes o menino. E a mesma coisa acontece com a atenção médica: quando as meninas ficam doentes, não as levam ao hospital. Tudo isso acaba provocando o infanticídio passivo.


A realidade é que a Índia registra uma maior taxa de mortalidade infantil feminina (6,4% a mais), além de uma diminuição da população feminina. Inclusive há casos de aborto seletivo dos fetos femininos. Este foi um problema enfrentado pelo governo indiano, que, consciente desta realidade e decidido a freá-la, proibiu que se conheça o sexo do bebê antes do nascimento. Uma vez nascidas, as meninas são privadas de cuidados, alimentos e assistência à saúde, que suas famílias destinam aos seus irmãos.

Qual é o papel da educação, neste contexto?


As meninas e jovens que se casam em idade escolar são obrigadas a abandonar o colégio para dedicar-se ao seu novo papel de esposas e mães. Atenta-se, assim, contra o direito que têm de receber uma educação digna, até o ponto de que muitos pais nem se dão ao trabalho de investir tempo e dinheiro na educação de suas filhas, ao dar por descontado que elas se casarão logo e irão morar em outro lugar.

Manos Unidas, consciente desta realidade, considera que a educação é essencial no processo de acabar com o casamento precoce. Com este propósito, participa de diferentes projetos de apoio escolar dirigidos a estas meninas e meninos, porque a escolarização também tem uma incidência muito positiva sobre os meninos, já que eles crescem aprendendo a respeitar os direitos das mulheres; também recebem noções de grande importância, como o respeito mútuo, a autoestima, a importância de adiar a primeira gravidez e a capacidade de resistir à pressão dos pais e familiares.


Consideramos que, para melhorar a situação da infância, é preciso incentivar a participação de toda a sociedade, mediante: o compromisso dos governos de respeitar, proteger e promover a infância; o debate e o compromisso com questões relativas à proteção da infância, incluindo o papel da mídia e da sociedade civil; a aplicação de leis relativas à proteção; a capacidade dos pais, professores e outros agentes sociais de criar um ambiente que proteja as crianças; e a vigilância e denúncia social de questões relativas à proteção da infância.

A ONU estima a perda de cerca de 200 milhões de meninas, a maioria da Índia e da China. Como as autoridades mundiais poderiam deter esse massacre?


A UNICEF afirma que a causa deste fenômeno não é a pobreza; não é tanto uma questão de pobreza, mas de valores e respeito com relação às mulheres e meninas. A crença de que são inferiores leva a perpetuar a violência contra elas.


Bénédice Manier, autora de um estudo sobre a eliminação de meninas na Ásia, constata que, concretamente na Índia, há cerca de 43 milhões de mulheres a menos que o número de homens. Manier explica, em uma entrevista publicada em Solidaridad.net, que, nos países que foram estudados, ter uma filha é uma desonra. A pesquisadora acrescenta que, para as famílias, não ter filhos homens impede a perpetuação do sobrenome.


Além disso, o custo do dote das meninas é cada vez mais elevado. Portanto, vemos, mais uma vez, que a educação pode ser um elemento chave para reverter esta tendência discriminatória.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
CasamentoMulherPolítica
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
SAINT MICHAEL
Philip Kosloski
Oração a São Miguel por proteção contra inimi...
Rosário
Philip Kosloski
Benefícios do Rosário: 3 virtudes que aprende...
Papa Pedro João Paulo II Bento XVI Francisco
Reportagem local
Pedro, João Paulo, Bento e Francisco: 4 Papas...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia