Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sábado 23 Janeiro |
São Vicente Pallotti
home iconAtualidade
line break icon

O Egito está preparado para reconhecer o genocídio dos armênios?

@DR

Chiara Santomiero - publicado em 19/09/13

História e atualidade se entrelaçam na partida do Oriente Médio e no equilíbrio do mundo árabe

O Egito, depois de Morsi, poderia se tornar o primeiro país muçulmano do mundo a reconhecer como genocídio o extermínio dos armênios, levado a cabo a partir de 24 de abril de 1915 pelo governo turco, nas terras do então império otomano. Isso poderia ocorrer logo após o passo dado, sem precedentes, pelo advogado egípcio, Mohamed Saad Khairallah, diretor do Instituto da Frente Popular no Egito, quem apresentou uma ação judicial neste sentido.

A primeira audiência histórica deste processo acontecerá no dia 5 de novembro de 2013. A notícia, dada pelo Vatican Insider em 15 de setembro, deve ser analisada muito além do seu simples valor histórico.

A Aleteia conversou com Giuseppe Caffilli, diretor da revista Terra Santa, da Custódia franciscana, e especialista em questões relativas ao Oriente Médio.

Quais poderiam ser as implicações deste anúncio?

Que o Egito decida abrir uma reflexão e um debate sobre a questão do genocídioarmênio dentro do amplo mundo dos muçulmanos sunitas é um fato positivo em si, porque é uma página da história extraordinariamente significativa, também para o mundo árabe muçulmano.

O importante é que isso não se converta em "anti" alguém, porque o tema é candente em muitos aspectos: para a sociedade turca, que nunca acertou contas com este passado doloroso, mas também para Israel, sensível à comparação entre sua própria trágica história e a dos demais povos.

Por que começar esta iniciativa agora?

Talvez esta seja a pergunta fundamental. Tive a oportunidade de me reunir com diversos cristãos armênios no Egito, descendentes daqueles que, na época do massacre, puderam se refugiar no país (em 1915) e se estabelecer no Cairo, mas estamos falando apenas de umas 50 pessoas.

Diante de nós estão dois grandes países, Turquia e Egito, muito próximos pela tradição religiosa, mas diferentes em seus papéis geopolíticos. A Turquia se posicionou recentemente na área do Oriente Médio, tentando conseguir uma posição hegemônica, como demonstra também o papel desenvolvido na crise síria. Esta atividade foi mal vista pelo Egito, que a concebe como uma volta ao passado e uma forma de neo-otomanismo.

No entanto, os problemas internos do Egito (onde, após o dia 30 de junho deste ano, o poder político se inverteu), bem como os enfrentamentos ocorridos recentemente em Istambul contra o governo, sugerem que, para a agenda dos países, a questão armênia não é a prioridade do momento.

Não é a primeira vez que a Turquia se vê impulsionada pelo contexto internacional (aconteceu a propósito de um eventual ingresso na Europa) a interrogar-se sobre a questão armênia. Não deveria começar um processo de revisão histórica dentro da sociedade?

Apesar de que se tenham dado alguns passos neste tema, também é verdade que, na Turquia, a realidade do genocídio é um tabu. Os historiadores turcos não gostam de usar esta palavra, porque analisam aquela fase histórica de maneira diferente, considerando os acontecimentos como uma forma de reação do jovem Estado turco a uma ameaça à sua identidade.

No entanto, quem visita o Museu do Genocídio percebe que a brutalidade empregada na deportação dos armênios não é diferente da testemunhada no Museu do Holocausto, o Yad Vashem, de Jerusalém.

Para a opinião pública turca, é necessária uma conscientização, além de um processo interno na sociedade, mas também determinado de alguma maneira pelo tribunal da história, sobretudo se a história foi negada e escondida na mistificação.

Este é certamente um momento da história no qual a Turquia põe o próprio futuro em jogo na modernização, e também o lugar ao qual aspira no consenso internacional.

Tags:
Viagem
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Larry Peterson
Ela se divorciou duas vezes, teve 8 filhos, virou freira e levou ...
2
FETUS
Francisco Vêneto
Abortos no mundo em 2021 já superam mortes por covid em toda a pa...
3
Aleteia Brasil
5 milagres que a ciência tentou, mas nunca conseguiu explicar
4
Aleteia Brasil
O testemunho de São Sebastião, o soldado mártir do Império Romano
5
POPE AUDIENCE
Reportagem local
A oração de cura que pode ser dita várias vezes por dia
6
Aleteia Brasil
Na íntegra: as três partes do Segredo de Fátima - e uma interpret...
7
Daniel Neves e Nossa Senhora dos Rins
Francisco Vêneto
Nossa Senhora dos Rins e a devoção de um menino que pede a graça ...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia