Aleteia
Quinta-feira 22 Outubro |
São Moderano
Estilo de vida

Sem carro e com tempo

Marcelo Camargo/ABr

Trânsito na saída de São Paulo através da Via Imigrantes

Instituto Akatu - publicado em 20/09/13

20% da população da cidade de São Paulo gasta mais de duas horas para deslocar-se diariamente

Por Helio Mattar*

Muito tem se discutido para tentar entender as manifestações iniciadas em junho deste ano, assim como seus desdobramentos. Mas é quase consenso que elas só atingiram seu ápice naquele período porque tinham a bandeira da mobilidadeurbana como um elemento agregador muito forte: ninguém aguenta mais a dificuldade de ir e vir nas grandes cidades.

Datas como o Dia Mundial sem Carro e a Semana da Mobilidade são momentos propícios para fomentar a continuidade da mobilização sobre este tema. Há exatamente um ano, a Rede Nossa São Paulo lançou uma pesquisa que mostrava que 20% da população da cidade de São Paulo gastava mais de duas horas para deslocar-se diariamente, e metade da população gastava entre uma e duas horas. Este tempo, perdido dentro do carro ou em transportes públicos superlotados e insuficientes, muitas vezes significa quase todo o tempo livre das pessoas. Soma-se a isso a má qualidade do ar e o grande número de acidentes de trânsito, que retiram energia das pessoas e conduzem a um stress crescente, sendo quase natural que uma situação como essa gere protestos com grande adesão.

A primeira exigência feita ao poder público durante as manifestações foi a redução das tarifas do transporte público. Sem dúvida, uma questão importante: o IPEA mostra que as famílias brasileiras que compõem os 10% mais pobres gastam 13,5% de sua renda com o transporte público. E 30% dessas famílias nem chegam a utilizar transporte público por falta de dinheiro.

Mas o custo das passagens é apenas um dos aspectos do transporte público. É preciso considerar também:

–          As questões urbanísticas, como a necessidade de adensar os centros das cidades, verticalizando-os, e de combinar locais de moradia e trabalho. Em grandes metrópoles, ainda seria necessário estimular a criação de polos de trabalho fora das regiões centrais, de modo a reduzir o deslocamento das pessoas;

–          Questões empregatícias, tais como aprimorar a legislação para incentivar o uso do home-office e das jornadas flexíveis de trabalho, evitando deslocamentos que não são estritamente necessários ou permitindo os deslocamentos fora do horário de pico;

–          Questões de infraestrutura viária, visando valorizar opções de curto prazo que viabilizem o transporte não apenas de grupos de pessoas, mas de grandes massas, combinando-as com meios de transporte coletivo mais eficientes.

Tomo como exemplo duas ações adotadas recentemente pela Prefeitura de São Paulo em resposta às manifestações. A primeira foi a formação do Conselho Municipal de Trânsito e Transporte, que busca permitir um diálogo mais constante com a população e com especialistas para a criação de soluções. A segunda foi a criação dos novos corredores e faixas exclusivas de ônibus que têm o mérito de, como solução de transição, provocar a população para privilegiar a escolha do transporte coletivo. E estimular, mesmo que pela dificuldade adicional gerada para o transporte individual, uma mudança de cultura na direção da redução do uso do automóvel.

É animador perceber que essa mudança de cultura já começou. Pesquisa lançada pelo Akatu em abril mostrou que o índice médio de preferência dos brasileiros por uma mobilidade eficiente, segura e rápida teve índice de preferência de 7,9, contra 4,9 da opção de ter a propriedade de um carro. E a preferência se dá tanto entre os que usam carro todos os dias como entre os que não o fazem, mostrando que a população menos favorecida também prefere a mobilidade à posse do automóvel.

Claro que o caminho é difícil, mas ele pode se tornar menos árduo se for inspirado em experiências bem-sucedidas em outros lugares do mundo. Por que não criar incentivos ao carro compartilhado? Ou criar sistemas que articulam trocas de emprego, para que as pessoas encontrem oportunidades mais próximas de suas casas? Ou ainda criar instâncias de governo para discutir a gestão do tempo de sua população e elaborar políticas públicas para a redução do seu desperdício em atividades que não sejam nem produtivas nem prazerosas? Desse modo, o poder público estaria incentivando não só um consumo mais consciente do transporte, mas principalmente da cidade em que vivemos e de nosso tempo. E tornaria as escolhas mais sustentáveis viáveis para todos os cidadãos.

*Helio Mattar, Ph.D. em engenharia industrial, é diretor-presidente do Instituto Akatu

(Publicado em Akatu, no dia 17 de setembro de 2013)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
CARLO ACUTIS
John Burger
Como foram os últimos dias de vida de Carlo A...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
nuvens sinais
Reportagem local
Estão sendo fotografados "sinais do céu"?
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
st charbel
Reportagem local
Por acaso não está acontecendo o que São Char...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia