Aleteia
Segunda-feira 19 Outubro |
Santos Mártires Canadenses
Atualidade

A linguagem popular do Papa Francisco surpreende a opinião pública

©ALESSIA GIULIANI/CPP

Salvador Aragonés - publicado em 25/09/13

E o conteúdo dos seus comentários e pensamentos pode ser mal interpretado, quando suas palavras são tiradas do contexto

A forma como o Papa Francisco se expressa e o conteúdo dos seus comentários e pensamentos têm surpreendido a opinião pública, tanto crente como não crente. O Papa já está à frente da Igreja há meio ano, e nesse tempo foi detalhando seu pensamento sobre como a Igreja deve ser. Sua preferência pelos pobres e sua simplicidade de vida são um forte testemunho. Mas as palavras do Papa às vezes podem ser mal interpretadas, quando tiradas do seu contexto.

Nós, jornalistas, adoramos o Papa Francisco, porque cada intervenção sua rende pelo menos uma manchete. Há quem diga que "o Papa fala com manchetes", o que não é verdade. O Papa Francisco é reflexivo, profundo, ainda que sua forma de expressar-se seja popular, como quando disse que existem padres e freiras que parecem "solteirões", por carecerem desta paternidade e maternidade implícita em sua vocação de acolher homens e mulheres com o amor que Cristo tinha pelos seus, e por isso lhes falta fecundidade apostólica.

Uma das tarefas que o Papa terá de enfrentar nas próximas semanas será a reforma da cúria de Roma, pois ele receberá a comissão de oito cardeais, de todos os continentes, que intervieram na elaboração de um documento a este respeito.

A ideia central é que a cúria romana deve estar ao serviço das conferências episcopais e dos bispos, diminuindo o quadro de funcionários de Roma e reformando particularmente a Secretaria de Estado. A cúria é o governo da Igreja e ajuda o Papa em suas funções.

O Papa Francisco deu recentemente uma entrevista publicada na "Civiltà Cattolica", dos jesuítas, uma revista que tem mais de 150 anos e cujos textos são revisados pela Secretaria de Estado, o que faz com que ela, apesar de não ser oficial, seja "autorévele", como dizem os italianos, ou seja, tem certa autoridade.

E é normal que o Papa Francisco, sendo jesuíta, tenha querido dar sua primeira longa entrevista à revista que ele tanto leu e na qual confia. Ao ler a entrevista inteira, palpa-se a espontaneidade do Papa, mas ao mesmo tempo o contexto em que diz cada coisa, pois as manchetes são apenas um indicativo e não têm utilidade quando não respeitam o contexto.

Assim, por exemplo, no tema dos homossexuais, o Papa disse que conhece homossexuais que se sentem "feridos" porque "sentem que a Igreja sempre os condenou. Mas a Igreja não quer fazer isso". E acrescentou que, "se um homossexual tem boa vontade e busca Deus, eu não sou ninguém para julgá-lo (…); o Catecismo diz isso"; de fato, o Catecismo da Igreja valoriza os homossexuais e pede compreensão e afeto com relação a eles.

E o Papa acrescentou: "Precisamos sempre levar em consideração as pessoas", seja qual for sua situação, e acompanhá-las "com misericórdia". A misericórdia é um dos pontos chaves em que se apoia a pregação do Papa Francisco quando fala dos homens, que, por mais pecadores que sejam, devem recordar que Deus é misericordioso e, neste sentido, ele se refere à teologia da misericórdia elaborada por João Paulo II.

Por isso, a Igreja tem o sacramento da Confissão, do perdão. E aqui outra grande frase do Papa: "O confessionário não é uma sala de tortura, mas o lugar da misericórdia", onde o Senhor nos impulsiona a ser melhores.

Mais à frente, o Papa Francisco acrescentou que os confessores estão aí para o perdão, e "não podemos continuar insistindo em questões referentes ao aborto, ao casamento gay, ao uso de anticoncepcionais. É impossível. No demais, já conhecemos a opinião da Igreja, e eu sou filho da Igreja, mas não é preciso ficar falando dessas coisas o tempo todo". E ele disse isso por experiência.

O trabalho missionário não se obceca por transmitir um conjunto desarticulado de doutrinas, para impô-las insistentemente, mas busca o essencial, que é transmitir o amor de Deus, a fé e a esperança. Uma boa homilia deve começar pelo anúncio da salvação. A catequese vem depois.

  • 1
  • 2
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
Papa Francisco
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
st charbel
Reportagem local
Por acaso não está acontecendo o que São Char...
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
FATIMA
Philip Kosloski
Fotos raras dos 3 pastorinhos de Fátima
POPE FRANCIS GENERAL AUDIENCE
Reportagem local
As 3 orações que o Papa pediu para rezarmos e...
Pe. Gilmar
Reportagem local
Brasil: padre desaparece e manda mensagem com...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia