Aleteia logoAleteia logoAleteia
Segunda-feira 26 Setembro |
São Cosme e São Damião
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Francisco é a única barreira ao capitalismo financeiro selvagem

Dinheiro

DR

IHU - publicado em 27/09/13

O papa tem a experiência das injustiças sociais na América Latina, e a sua análise econômica é impecável

Em Cagliari, o papa denunciou "um sistema que mercantiliza o trabalho e tira a dignidade do homem", afirma o secretário-geral da Confederação Italiana dos Sindicatos dos Trabalhadores (CISL, na sigla em italiano), Raffaele Bonanni. "É a resposta ao fracasso do G20 em Moscou".

A reportagem é de Giacomo Galeazzi, publicada no sítio Vatican Insider, 23-09-2013. A tradução é de Moisés Sbardelotto, veiculada ontem no IHU On-line.

Por que você acha que o papa preenche o vazio do G20?

Eu estava em Washington há quatro anos na delegação internacional dos sindicatos, e naquele G20 se discutia sobre como regulamentar o capitalismo financeiro. Em Moscou, ao invés, os grandes do planeta se renderam e abandonaram qualquer tentativa de frear o monstro que está alimentando a crise econômica internacional. O papa tem a experiência das injustiças sociais na América Latina, e a sua análise econômica é impecável. Sem intervir nas causas (serviços, burocracia, infraestrutura, custos de energia) não sairemos da crise: Francisco continua sendo a única autoridade mundial para combater o monstruoso desvio que transforma o trabalho em mercadoria e semeia entulhos nas democracias nacionais.

Bergoglio rouba trabalho de vocês, sindicalistas?

Francisco não tira nós, sindicalistas, de cena; ao invés, fortalece as nossas lutas na Alcoa, assim como em milhares de outros estabelecimentos. Agora ninguém poderá dizer que não sabia. A crise é devastadora no plano social em termos de desemprego, de empobrecimento da renda das famílias de trabalhadores e pensionistas, de rediscussão do Welfare. Com extraordinária eficácia, o pontífice evidenciou como as dificuldades de sair dessa situação cresceram a partir de uma profunda crise moral e política que mina a manutenção da coesão social e das instituições, do desaparecimento de uma classe dirigente capaz de se legitimar aos olhos dos cidadãos. As medidas e os tempos para a retomada do crescimento e do trabalho de que o país precisa, passam, necessariamente, por um apoio oportuno da demanda de investimentos e de consumo das famílias.

Os líderes sindicais também fazem parte da classe dirigente. Que solicitação você recebe da advertência de Francisco?

Devemos fazer crescer a consciência de que a tarefa de gerar riqueza, de atrair investimentos, de desenvolver uma boa ocupação, de enfrentar as consequências da interdependência do desenvolvimento sobre a nossa economia, de assegurar o sucesso da empresa também diz respeito a nós, o compromisso e a responsabilidade dos trabalhadores. É a ação reformadora alternativa ao radicalismo e ao "reivindicacionismo" conservador com a velha contraposição entre capital e trabalho e as receitas do intervencionismo estatal. O papa fala a todos e a cada um. Ele se dirige à Itália e ao mundo inteiro. Nós também, representantes dos trabalhadores, devemos refletir sobre as suas palavras. Para contar e para realmente melhorar as coisas, não basta um genérico "reivindicacionismo". É principalmente a partilha de responsabilidades o valor que torna eficaz o papel do sindicato, a sua ação reformadora de tutela dos trabalhadores e no interesse geral.

Foi preciso que o primeiro papa sul-americano da história chamasse a Europa às suas responsabilidades?

A Europa não é apenas uma moeda. Sem a Europa política, está em risco um modelo europeu, político e social. A agressividade competitiva dos grandes países emergentes e os preocupantes processos internos de dissolução de natureza diversa podem subverter não só as suas economias, mas o seu próprio modelo político e social. União econômica, nova governança e legitimação democrática já são questões prioritárias para a Europa. É preciso crescer a consciência de que está em jogo o futuro político da Europa, sobre como devem ocorrer, por quem e com qual legitimação democrática devem ser governados os processos de integração fiscal, econômica, financeira e política não mais evitáveis.

(Publicado no IHU On-line, no dia 26 de setembro de 2013)

Tags:
EconomiaJustiçaPolítica
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia