Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quinta-feira 29 Fevereiro |
Aleteia logo
Estilo de vida
separateurCreated with Sketch.

E as crianças cresceram!

zd5p2ndl4sepwilljpke_kzlxrcatobhy0ojbotpm9aeze0nchse1gzukm05r8luybbf-3lisnr9xzepbm5ntcfiwx-odq.jpg

LUCA ZENNARO

Élison Santos - publicado em 11/10/13

Temer o investimento nos filhos é não acreditar na própria vida, é esconder-se nos argumentos empobrecidos de que o mundo é perigoso, violento, injusto

Desde muito pequeno o movimento das crianças é para longe dos pais, o bebê busca a mãe para sentir-se seguro e alimentar-se e à medida que percebe que pode ir e vir como o pai, por exemplo, ele começa a desbravar o mundo a sua volta. A criança sobe nos móveis da casa, entra nos lugares onde cabe, explora as casas que visita, ela quer ser livre! Este movimento é constante e quanto mais o tempo passa mais longe ela percebe que pode ir, mas o que faz com que se sinta tão auto-confiante para explorar um mundo tão vasto de distintas possibilidades? A segurança de que há alguém que lhe oferece o conforto do amor. Quanto mais amada, mais livre é uma criança para crescer e desenvolver-se integralmente. O resultado desta dinâmica, quando bem elaborada? Paz!

O momento atual parece nos brindar com um grande aumento da criminalidade, a taxa de mortalidade entre os jovens é a maior de todas. Quantos são os crimes cometidos na adolescência, na vida adulta e contra as crianças! Quantos são os jovens que não suportam as regras sociais, flertam com o crime, com a polícia, com os traficantes, com as doenças sexualmente transmissíveis e com a própria morte! Um comportamento de alto risco que revela como estes jovens não se sentem livres de fato, e a causa desta falta de liberdade não é, como muitos pensam, os limites impostos pelos pais. Muito pelo contrário, o que se vê em nossos dias é uma ausência de limites, mas por que mesmo assim os jovens não se sentem livres? Justamente porque a liberdade não é fruto da permissividade, mas sim do amor!

Ofereça a uma criança todo seu amor e saiba que o amor não é prisão, isso é desamor, o amor significa segurança, certeza de que aconteça o que acontecer você estará sempre ali para acolhê-la, mas também amor significa confiança. Acredite sempre! Dê a ela a certeza de que você não tem medo de investir sua confiança nela. A criança vai seguir, porque liberdade é seu objetivo, não simplesmente para ser livre, mas porque sendo livre ela também poderá amar de fato e o amor realiza, traz felicidade, imprime no outro o sentido maior da própria existência.

Quando os adultos de hoje olham para as crianças e para os adolescentes com medo e com descrença, revelam não a fraqueza dos mais jovens, mas a incapacidade dos mais velhos! Temer o investimento nos filhos é não acreditar na própria vida, é esconder-se nos argumentos empobrecidos de que o mundo é perigoso, violento, injusto! Não são as crianças que matamos no ventre da mãe ou nas esquinas as que sofrem a maior enfermidade de nosso século, nem são os jovens que se entorpecem e perdem sua vida em tenra idade, o maior mal de nosso tempo está em nós mesmos, nos adultos, nas autoridades, nos educadores, nos líderes religiosos, nos pais, o maior mal de nosso tempo é o desamor!

E por mais antagônico que possa parecer, a cura para os adultos está também nas crianças. Se me permitem oferecer-lhes uma terapia comportamental para o desamor, lhes recomendo que visitem um bebê e deixem de lado suas preocupações e afazeres, tirem uma hora por dia para admirarem e observarem, se ao final de uma semana, você não se apaixonar, me procure, seu caso é bem mais grave do que eu podia imaginar! Feliz dia das crianças!

Tags:
CasamentoEducaçãoFilhosPsicologia
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia