Aleteia
Terça-feira 27 Outubro |
São Fulco
Religião

Gnocchi, Palmaro, Introvigne: sobre a obediência ao magistério do Papa

© ANDREAS SOLARO / AFP

Julio De la Vega Hazas - publicado em 15/10/13

Não pode haver colisão entre obediência e consciência: ou o mandato é imoral ou a consciência está deformada

Diante das dúvidas surgidas pelo artigo que publicamos ontem, "Rejeitar o magistério ordinário de um papa leva ao cisma", consideramos oportuno pedir a opinião de um dos nossos colaboradores, o Pe. Julio De la Vega, para responder à pergunta: um católico deve aceitar os gestos públicos do Papa como parte do magistério?


Um dos nossos leitores, a quem agradecemos pela contribuição, comentou:

Os gestos públicos, as entrevistas, por exemplo, não são magistériopapal e, portanto, os fiéis não estão obrigados a obedecê-los. Este artigo da Aleteia conduz abertamente à papalatria, erro denunciado pelo Vaticano I ao esclarecer o dogma da infalibilidade papal. Os fiéis não podem renunciar à sua consciência moral em uma obediência cega à humanidade do Papa. A experiência nos diz, de forma irrevocável, que nem tudo o que os papas fazem é digno de imitação, por exemplo.


A seguir, a resposta do Pe. Julio De la Vega:


Pediram-me uma avaliação do artigo de Gnocchi e Palmaro – que tive de ler –, do comentário de Introvigne e do comentário feito pelo leitor da Aleteia. Pois bem, a verdade é que não posso dar completamente a razão a nenhum deles.


Evidentemente, preciso explicar meu posicionamento.


Em primeiro lugar, sobre o artigo que deu origem a tudo (o publicado em Il Foglio, N. da R.), o que se desprende dele é que temem uma atitude, que poderíamos chamar de "progressista", que relativiza um pouco o doutrinal a favor das atitudes cristãs consideradas mais autênticas: em linguagem mais técnica, tira-se o valor da ortodoxia a favor da ortopraxis. Esta postura é infeliz e causou muitos danos à Igreja nas últimas décadas.


Quanto à doutrina, a única coisa que citam são algumas frases – nenhum documento, homilia ou alocução – cujo sentido é algo incerto, pois podem ser interpretadas de várias maneiras.


E há motivos de sobra para concluir, vendo o magistério deste primeiro ano do Papa, que não interpreta estas afirmações no sentido que os colunistas dizem. Pelo que se vê, há algumas coisas do atual Pontífice – sobretudo de estilo – que não lhes agrada. Até certo ponto, é legítimo: a pessoa não precisa gostar de tudo. Mas o que já não é bom é que um católico escreva sobre o Papa neste tom. Este estilo, sim, é rejeitável.


Pessoalmente, tenho um grande respeito por Massimo Introvigne, por vários motivos – entre eles, a precisão com que costuma escrever e seu amor à verdade. E o que ele diz é certo. Mas levar a discussão ao campo de se aceitamos ou não o magistério ordinário me pareceu exagero. Seria melhor se ele se centrasse em como alguns interpretam as palavras e gestos do Papa.


Sobre o comentário recebido do leitor, ele me pareceu repleto de equívocos. Aqui não se trata em nenhum momento de como o Papa – ou qualquer papavive, mas do que ele ensina. A frase "Os fiéis não podem renunciar à sua consciência moral em uma obediência cega à humanidade do Papa" merece um comentário à parte.


Em primeiro lugar, nem os fiéis nem ninguém pode renunciar à sua consciência moral. Nem se quisessem. Simplesmente não se pode. Em segundo lugar, a "humanidade"… o que isso significa? Não se obedece à "humanidade" do Papa, mas ao Papa.


Em terceiro lugar, a obediência que os papas pedem nunca é cega: eles sempre fundamentam o que pedem. Se por "cega" se entende a renúncia a pensar ou a entender, o catolicismo não é assim; os exemplos do credo quia absurdum devem ser buscados no mundo protestante, se for o caso.


Mas o mais importante – e o mais sutil – é a contraposição entre consciência e obediência. Pode haver conflito entre elas, mas, quando há, isso deriva de uma situação, diríamos, patológica: ou o mandato é imoral ou a consciência está deformada (ou simplesmente equivocada).


A consciência não é autônoma. Ela julga, em cada caso, se a conduta é boa ou má, mas julga a partir de pautas que lhe são dadas – o conhecimento do bem e do mal – e, a partir delas, entende a que se deve obedecer e quando se deve obedecer. E entende que é preciso obedecer o magistério do Papa.


A alusão ao Vaticano I, ainda que seja correta, leva, neste caso, a uma confusão. Apresento aqui umas palavras desse concílio: "Deve-se, pois, crer com fé divina e católica tudo o que está contido na palavra divina escrita ou transmitida pela Tradição, bem como em tudo o que a Igreja, quer em declaração solene, quer pelo magistério ordinário e universal, nos propõe a crer como revelado por Deus" (grifo meu).


O concílio indica os requisitos para que um pronunciamento papal seja uma "declaração solene", mas não se limita a isso, senão que pede a mesma fé para o magistério ordinário.


Qual é a diferença, então? A diferença é que, para o magistério solene, basta um ato singular, enquanto o magistério ordinário precisa da reiteração necessária para poder julgar se o seu conteúdo é parte da doutrina da Igreja.


Isso sim, sem esquecer que o magistério é… magistério, ou seja, ensinamento, e ensinamento da doutrina. O resto é outra coisa, mas, ainda que não exija fé, pede respeito.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
DoutrinaPapa Francisco
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
SAINT MICHAEL
Philip Kosloski
Oração a São Miguel por proteção contra inimi...
São Padre Pio de Pietrelcina
Oração de cura e libertação indicada pelo exo...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia